Afinal, quem deu – e como deu – o golpe na Bolívia?

por Eric Nepomuceno [*]

'. A presidente provisória, que logo deve convocar eleições, se chama Jeanine Áñez. Como na cerimônia de posse ela teve o senador direitista Arturo Murillo sussurrando junto ao seu ouvido o que deveria dizer, é fácil entender qual será sua autonomia como presidente interina.

Essa senhora insignificante teria força para chegar onde chegou? Não. Era um zero à esquerda até anteontem, continua sendo hoje e continuará amanhã. Chegou onde chegou graças ao golpe desfechado depois que Evo Morales conquistou mais um mandato ao derrotar no primeiro turno o ex-presidente Carlos Mesa.

Inconformado com o resultado, Mesa fez uma denúncia de fraude. Foi essa denúncia que derrubou Evo Morales?

Não: foi só o primeiro estopim. Mesa fez um escândalo tremendo, depois calou a boca e sumiu no breu das tocas, à espera do que iria acontecer.

Evo Morales pediu uma auditoria à Organização dos Estados Americanos, cujo secretário-geral é o uruguaio Luis Almagro.

'. Em pouquíssimo tempo Almagro disse que a tal auditoria constatou irregularidades, e denunciou ao mundo que a eleição tinha sido fraudada.

Evo recusou-se a aceitar a constatação da OEA, e por isso sofreu o golpe de Estado. Certo?

Não, não, nada disso.

Antes mesmo de conhecer em detalhes os métodos que levaram ao resultado da tal auditoria, ele disse que diante daquela conclusão convocaria novas eleições.

Pois bem: nos tais detalhes que ele desconhecia, a OEA disse ter encontrado irregularidades em exatas 78 atas, de um total de 34.555. Ou seja, em 0,22% delas.

O próprio relatório a OEA, além de registrar esse absurdo, admite que seu trabalho se concentrou só nas regiões onde Evo tinha sido vitorioso.

Seria a OEA cúmplice do golpe? Com certeza absoluta.

Assim que o relatório foi divulgado, o respeitado Centro de Pesquisa em Economia e Política (CEPR, na sigla em inglês), sediado em Washington e que tem entre seus consultores vários prêmios Nobel, resolveu examinar o documento. E sua análise é demolidora: diz que a missão da OEA 'não apresentou evidências' que sustentassem fraude alguma. Ao contrário, cometeu graves erros de procedimento na tal auditoria.

Bem: e o que o relatório – esse sim, uma fraude – da OEA provocou?

Abriu as portas para a largada que os 'comitês cívicos' esperavam para entrar em ação e saíssem às ruas, desatando o golpe.

E o que são esses 'comitês cívicos'?

São milícias criadas em Santa Cruz de la Sierra, polo de riqueza, racismo desvairado e ultraconservadorismo, no primeiro governo de Evo.

Há outros espalhados pelo país, mas os de Santa Cruz são os mais fortes: ali, jamais foi aceito que um índio tivesse chegado onde chegou.

'. Seu líder se chama Luis Fernando Camacho, herdeiro de uma família especialmente poderosa. É um ultracatólico fundamentalista, racista até o mais fundo da alma, e que se aliou a evangélicos de seitas eletrônicas para atacar o presidente sem pausa nem trégua, à espera dos militares.

Ele esteve no Brasil faz alguns meses, e se reuniu, entre outros próceres do bolsonarismo, com Ernesto Araújo no ministério de Aberrações Exteriores. Consumado o golpe, admitiu candidamente que o governo Bolsonaro estava 'muito bem informado' sobre a situação boliviana.

Além de Carlos Mesa, o candidato derrotado, e da escandalosa ação de Luis Almagro, secretário-geral da OEA, houve mais cúmplices no golpe desfechado por Camacho?

Sim, sim, os de sempre nestas nossas comarcas latino-americanas condenadas ao infortúnio: as Forças Armadas, a polícia (que em 2008 já tinha tentado se sublevar contra Evo), os grandes meios de comunicação e, claro, os donos do capital. Tudo com apoio dos Estados Unidos de Donald Trump, claro, e com a certeza das bênçãos do Brasil de Bolsonaro.

Há dois pontos intrigantes no bloco dos cúmplices. O primeiro se refere às Forças Armadas, que até o último segundo, mesmo quando a polícia já espalhava terror pelas ruas, se mantiveram em silêncio.

Só abriram a boca no instante final, quando a ameaça de uma explosão incontrolável se espalhou pelas ruas, para pedir a renúncia de Evo.

Essa postura indicaria uma divisão interna significativa? O tempo dirá.

O segundo ponto intrigante: durante os anos de Evo na presidência, os ricos de sempre enriqueceram ainda mais. O modelo econômico aplicado foi extremamente favorável a eles.

Por que então apoiaram o golpe?

Por puro racismo. Afinal, o tal indígena que os beneficiou cometeu o absurdo inaceitável de também beneficiar a sua própria gente.

Além do mais, por mais presidente que fosse, Evo Morales nunca deixou de ser índio. E, portanto, ser desprezível.

Esse é o lado sórdido, abjeto, das minorias bolivianas que uma vez mais se impuseram à maioria, à ordem constitucional, à decência.

Até quando? Pois vale repetir: o tempo dirá.

15/Novembro/2019

Ver também:
  • Un indígena no merece ni una cama (o cómo criticar en la izquierda lo que se admira en la derecha)
  • Embajada de EEUU en La Paz: Su accionar encubierto en apoyo al Golpe de Estado contra el presidente Evo Morales
  • Cinco estratégias da guerra híbrida na Bolívia
  • www.resumenlatinoamericano.org/category/latinoamerica/bolivia/

    [*] Jornalista, brasileiro.

    O original encontra-se em www.brasil247.com/blog/afinal-quem-deu-e-como-deu-o-golpe-na-bolivia


    Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .
  • 17/Nov/19