O calor extremo domina as manchetes, mas a meteorologia das oscilações violentas deveria preocupar-nos mais
– O que está a acontecer?

por RT

Precipitação de neve no sul da Alemanha, 05/Maio/2019. Enquanto partes da Europa entram numa segunda onda de calor neste Verão e combatem incêndios florestais sob rufar de tambores de advertências meteorológicas e do alarme das alterações climáticas, outras partes do mundo observam com inveja enquanto tremem nas suas roupas de Verão.

A Bélgica, Alemanha e Holanda acabaram de bater um recorde de calor de todos os tempos. O Reino Unido está destinado a fazer o mesmo. A França fez isso no mês passado, mas poderia chegar próximo disso outra vez nesta semana. Portugal acaba de controlar um incêndio florestal e alerta para um risco "muito alto" de mais, tal como a Espanha e a Itália.


Clique a imagem para ampliar.
Uma onda de calor extremo atingiu a Europa nesta semana.
© A imagem contém dados modificados do Copernicus Sentinel (2019),
processados pela ESA, CC BY-SA 3.0 IGO.
Clique a imagem para ampliá-la.

Mas no início de Julho, a Alemanha e a Holanda atingiram uma baixa recorde da temperatura à noite, inferior a -1° C, e a Suíça estava alguns graus mais fria do que as suas médias de Verão.

Moscovo chuvosa, Julho/2019 Enquanto isso, durante todo o tempo, Moscovo está a ficar encharcada de chuva num mês de Julho que se deve tornar o mais frio em mais de 40 anos. Perguntámos a especialistas em clima e meteorologia o que está a acontecer.

Há "Aquecimento global" ou "alterações climáticas"?

Não se pode negar que o planeta, em termos gerais, está a aquecer. Este ano verificou-se a Primavera mais quente observada no hemisfério norte. Junho foi o mês mais quente já registado em todo o mundo. Algumas áreas estão a tornar-se mais quentes a um ritmo mais rápido do que outras – incluindo aquelas mais próximas dos pólos, diz Dmitry Kiktyov, director interino da Rosgidromet, o serviço meteorológico da Rússia.

A Rússia também está a aquecer mais rapidamente do que a média global nos últimos 40 anos – 2,5 vezes mais rápido, na verdade. Ela vem ganhando quase meio grau a cada década desde o final dos anos 1970, de acordo com o relatório climático de 2018 da Rosgidromet.

Por que, então, os moscovitas resmungam de má vontade nos seus casacos de Outono durante o mês de Julho – o qual supostamente é o mês mais quente do ano nestas regiões?

Julho de 2019 tem estado constantemente dois graus abaixo da média e será ainda pior na próxima semana, quando se prevê que uma explosão Antárctica conduza os termómetros abaixo dos 15ºC.

O número de extremos climáticos observados e de anomalias aumenta, mas não há necessariamente uma correlação directa com o aquecimento.

"Há dados acerca das décadas passadas, os quais mostram que o número e a força dos extremos meteorológicos estão a aumentar em muitas áreas do globo... o clima, a meteorologia está a ficar mais agitado – embora não por toda a parte", diz Kiktyov.

"Observado" é a palavra-chave aqui, acreditam os peritos.

"Chuvas, chuvas torrenciais, tempestades – havia tudo isso há cem anos atrás também. Por outro lado, as estatísticas mais recentes mostram que o número e a frequência de fenómenos perigosos aumentaram. Se isso é por causa de uma alteração climática, ou porque houve mais monitoramento, não está inteiramente claro", diz Anatoly Tsygankov, vice-chefe do centro de situação da Rosgidromet. " Obviamente, há cem anos atrás, as redes de observação do tempo eram muito diferentes das de agora. Eram menos densas, não havia satélites. Nos dias de hoje, o monitoramento é mais detalhado".

Feito pelo homem ou natural?

É discutível em que medida este aquecimento global é da nossa própria responsabilidade.

"Ninguém realmente sabe a razão. Há duas teorias. As duas teorias mais destacadas são a do efeito estufa e a do deslocamento do eixo da Terra em relação ao Sol. Ambas são viáveis", diz Tsygankov.

A Terra passa por ciclos, aquecendo e arrefecendo ao longo dos séculos. Exemplos incluem o Óptimo Climático Medieval (Medieval Warm Period) seguido pela Pequena Idade do Gelo do final da Idade Média. O que estamos a atravessar agora poderia, essencialmente, ser um outro tipo de mudança, diz Yevgeny Tishkovets, especialista-chefe do centro meteorológico Phobos.

"O principal factor por trás das alterações climáticas na Terra são as mudanças na atividade solar. Como regra, isto acontece a cada 200 anos, com algumas excepções", diz Tishkovets.

Apesar de todos os cenários apocalípticos de pior caso possível surgirem nas manchetes, é quase impossível prever com precisão o clima no longo prazo. Tais projecções são baseadas em modelos climáticos, que existem em abundância, e em órgãos consultivos que escolhem aquelas que preferem usar.

O impacto humano, em particular, tem sido exagerado e amplamente politizado, acredita Tishkovets. Ele mencionou o escândalo do Climategate 2009 como um caso exemplar.

Houve escândalos. Lembram-se dos emails vazados dos climatologistas britânicos, quando manipularam dados climáticos? Muitas pessoas estão simplesmente a cumprir uma ordem. "Precisamos superaquecer este assunto, aqui é que está o dinheiro, vamos em frente".

A manipulação é facilitada pela grande variedade de modelos de projecção climática e o resultado final dos mesmos é praticamente impossível de contestar, acredita ele, pois "como é que se pode verificar uma previsão do tempo para 50 anos?"

Todo Verão vai ser como este de agora?

Apesar de todas as ferramentas à nossa disposição, só podemos realmente confiar numa previsão relativa à próxima semana, ou no máximo de dez dias, concordam os peritos. Qualquer coisa com mais alcance está sujeita a uma miríade de factores mutáveis, os quais podem minar o prognóstico mais preciso ao seu bel-prazer.

"Não é tão directo assim; não há certeza de que o próximo ano venha a ser mais quente do que este. Existem picos e vales. Existem os chamados modos de variabilidade atmosférica a longo prazo, que são como oscilações que podem durar décadas... eles podem compensar-se parcialmente uns aos outros, ou podem aumentar – então temos um Inverno ou Verão extremos", recorda Kiktyov.

Todos nós vemos os gráficos alarmantes com as curvas de temperatura a rastejarem grau a grau nas décadas recentes – mas o monitoramento confiável do tempo e do clima remonta apenas a 140 anos ou pouco mais. Uma partícula mínima de tempo em termos da história planetária – e, no fim, podemos acabar por ter simplesmente de "amassar esses gráficos e jogá-los no lixo", diz Tishkovets.

25/Julho/2019

Ver também:
  • Finnish study finds 'practically no' evidence for man-made climate change
  • Mitos climáticos
  • Aquecimento global: uma impostura científica
  • Acerca da impostura global

    O original encontra-se em www.rt.com/news/465077-extreme-heat-world-why/

    Esta notícia encontra-se em http://resistir.info/ .
  • 27/Jul/19