Um livro que transforma o que muitos pensavam saber sobre a RPDC

por Jeremy Kuzmarov [*]

Immovable Object. Durante anos, os grandes media demonizaram a Coreia do Norte e transmitiram histórias de desertores norte-coreanos, pagos para a desinformação sobre a RPDC.

O novo livro de A. B. Abrams: Immovable Object: North Korea's 70 Years at War with American Power (Clarity Press, 2020), mostra que as percepções comuns nos EUA sobre a Coreia do Norte estão na maioria erradas.

Embora a dinastia Kim tenha governado por meio de métodos considerados autocráticos, também adoptou políticas racionais e inteligentes, que permitiram à Coreia do Norte resistir a uma hostilidade externa sem precedentes e desenvolver-se como uma potência militar.

Entre Julho e Novembro de 2017, a Coreia do Norte testou com sucesso três mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) e uma sofisticada ogiva termonuclear miniaturizada, o que demonstra, sem sombra de dúvida, que um dos mais antigos adversários da América ganhou a capacidade de atacar o território dos EUA, com os serviços secretos dos EUA posteriormente confirmando a viabilidade quer dos ICBM testados quer das suas ogivas. [1]

A Coreia do Norte, não é militarmente fraca e pode estar a ganhar vantagem na longa guerra com os EUA – o que é uma fonte de orgulho para o seu povo.

ICBM.

Raio de acção do Hwasong-15.

Raízes do conflito

O conflito entre os EUA e a Coreia do Norte, República Popular Democrática da Coreia (RPDC), radica no desafio da Coreia do Norte à ordem mundial liderada pelos EUA.

Kim Il-Sung. O pai fundador da RPDC, Kim Il-Sung, era filho dos proeminentes nacionalistas coreanos Kim Hyong Jik e Kang Pan Sok e um líder dos exilados na Manchúria no Extremo Oriente soviético lutando contra a ocupação colonial japonesa.

Durante a colonização da Coreia pelo Japão de 1910 a 1945, foi promovida a industrialização e construída a represa Suiho – a segunda maior do mundo depois da represa Hoover – enquanto era desenvolvido um aparelho de vigilância draconiano e reprimida a dissidência política.

No final da Segunda Guerra Mundial, os EUA dividiram a Coreia artificialmente e instalaram um regime subserviente no sul liderado por Syngman Rhee, que foi levado no avião do general Douglas MacArthur após passar anos no exílio.

Os EUA seguiram o Japão na hostilidade aos movimentos nacionalistas de esquerda e na construção de um Estado Policial na Coreia do Sul, que contava com muitos ex-colaboradores japoneses.

Os relatórios da CIA da época mostraram um forte contraste entre Kim e a liderança de Rhee.

Sob a direcção de Kim, a produção industrial e a indústria estatal aumentaram exponencialmente na RPDC, com os salários médios dos trabalhadores de fábricas e escritórios aumentando 83%. Um programa bem-sucedido de reforma agrária ofereceu novas oportunidades para os agricultores rurais, e muitos beneficiaram de assistência médica e educação subsidiadas pelo Estado.

O governo Rhee, em contraste, desencadeou uma rebelião social por meio de políticas económicas destinadas a vincular a economia da Coreia do Sul ao Japão – que os EUA estavam a reconstruir como um parceiro júnior na Guerra Fria – juntamente com uma forte dependência de colaboradores japoneses e intolerância à dissidência.

Gen. MacArthur e Syngman Rhee.

Antes da eclosão oficial da Guerra da Coreia, o regime de Rhee, com o apoio de militares e conselheiros da polícia dos EUA, matou pelo menos 100 mil do seu próprio povo, inclusive por meio da repressão brutal a um levantamento de esquerda na ilha de Cheju-Faz.

Mapa da Coreia. No final dos anos 1940, Kim promoveu a reunificação pacífica das Coreias por meio de eleições livres. O governo dos EUA bloqueou essas eleições porque sabia que Kim venceria – da mesma forma que no Vietname em 1956, quando sabiam que Ho Chi Minh ganharia pelo menos 80% dos votos.

Apesar de um compromisso declarado com a democracia, os EUA pisotearam a soberania da Coreia, enchendo-a de bases militares, prosseguindo com as suas ambições imperiais no Sudeste Asiático devido à vitória na Guerra do Pacífico.

A guerra da Coreia

A narrativa oficial afirma que o Norte começou a Guerra da Coreia invadindo a Coreia do Sul em 25 de Junho de 1950. No entanto, o relato de Abrams fornece fortes evidências de que foi o contrário.

Empenhado em alcançar o que nunca poderia obter através das urnas, as forças de Rhee realizaram incursões no Norte e, em 25 de Junho, atacaram a cidade fronteiriça de Haeju. Os sul-coreanos mais tarde alterariam esta data para afirmar que haviam atacado Haeju numa data posterior como parte de uma contra-ofensiva – muito depois de anunciarem a captura bem-sucedida da cidade.

Os funcionários do governo americano na época ficaram entusiasmados com a eclosão da Guerra da Coreia – o secretário de Estado Dean Acheson disse que "a Guerra da Coreia veio e nos salvou". Isto porque dava uma desculpa para evitar grandes cortes nos gastos militares após a Segunda Guerra Mundial e desferir um golpe na China comunista, que entrara na guerra em apoio à RPDC.

Truman e Dean Acheson.

Além disso, os militares dos Estados Unidos usaram a Coreia, tal como o Vietname posteriormente, como campo de testes para novos sistemas de armas, incluindo super bazucas e napalm, gasolina gelificada, que queima a carne.

Guerra bacteriológica. A população norte-coreana também serviu de cobaia para experiências médicas com prisioneiros de guerra e para técnicas de guerra bacteriológica aprendidas com criminosos de guerra japoneses secretamente convidados para dar palestras no Centro de Guerra Biológica do Exército dos EUA em Fort Detrick, Maryland, no final da Segunda Guerra Mundial. [NR]

O general Douglas MacArthur, que havia liderado o esforço de guerra contra o Japão, afirmou que nunca tinha visto uma devastação tal como a experimentada na Coreia durante aquela guerra. "Isso quase fez o meu estômago dar a volta na última vez que lá estive". MacArthur referiu-se à guerra como "uma matança nunca ouvida na história da humanidade".

De acordo com a Truth Commission, criada décadas após o fim da guerra, as tropas da Coreia do Sul (ROK) cometeram seis vezes mais atrocidades do que o Exército Popular da Coreia do Norte (KPA). As tropas americanas também incendiaram vilas, violaram mulheres locais e cometeram dezenas de massacres, alguns dos quais motivados por puro preconceito racial.

Execuções sumárias em Taejon.

Um piloto de caça, David Tatum, disse à revista Time que "considerava que se tivéssemos que matar dez civis para matar um soldado que mais tarde poderia atirar em nós, estávamos justificados".

As forças americanas em retirada destruíram relíquias culturais, como o santuário de Mo Ran bon e o templo Yen Myen Sa do Buda em Pyongyang, torturaram e maltrataram prisioneiros de guerra muito mais sistematicamente do que os norte-coreanos e chineses.

Atrocidades da tropa dos EUA.

As perdas sofridas pela Coreia do Norte durante a guerra tiveram poucos paralelos na história, com estimativas conservadoras colocando o número de mortos em 20% da população. A Força Aérea dos Estados Unidos lançou de 635 a 698 mil toneladas de bombas, em comparação com as 503 mil toneladas lançadas sobre o império japonês durante toda a Guerra do Pacífico.

Bombardeamento com napalm.

Em Novembro de 1950, um único bombardeio incendiário americano na cidade de Sinuiju destruiu 2 100 dos 3 017 prédios estaduais e municipais, 6 800 de 11 000 casas, 16 de 17 escolas primárias e 15 de 17 locais de culto. Oitenta por cento das mortes causadas pelo bombardeio foram de mulheres e crianças, com os sobreviventes forçados a viver em subterrâneos. O ataque tinha como objectivo maximizar as vítimas, começando com o uso de meios incendiários seguidos de explosivos e bombas-relógio que impediram o trabalho de resgate.

O general Emmet O'Donnell, o chefe do comando de bombardeiros na Ásia que anteriormente supervisionou o bombardeio incendiário de Tóquio, testemunhou que três meses após o início da guerra "quase toda a península coreana estava uma terrível confusão" em resultado da campanha aérea "está quase tudo destruído. Não há nada que se mantenha de pé digno desse nome."

Em 1953, a Força Aérea dos EUA teve como alvo as represas de irrigação do rio Yalu cruciais – inundando cidades inteiras e destruindo a safra de arroz da RPDC, que a população já desnutrida precisava para subsistir. Um relatório afirmou que "o ocidental não consegue conceber o significado terrível que a perda deste produto básico tem para os asiáticos – fome e morte lenta". Estes comentários resumem as horríveis consequências humanas da Guerra da Coreia, que terminou num impasse com o país permanentemente dividido no paralelo 38.

Posteriormente, o general MacArthur e outros comandantes militares reconheceram que haviam subestimado as capacidades de combate dos chineses e norte-coreanos, que MacArthur descreveu como "um oponente duro, bem liderado".

Hoje, os norte-coreanos consideram a Grande Guerra de Libertação da Pátria como uma vitória, que solidificou a legitimidade da dinastia Kim. Nos EUA, por outro lado, a Guerra da Coreia é pouco comemorada ou comentada – sobretudo porque contradiz o seu auto convencimento de nação virtuosa.

A guerra continua

Após o fim da Guerra da Coreia, os relatórios dos serviços secretos dos EUA indicaram que o governo Rhee estava activamente contemplando outro ataque ao Norte "defendendo o uso americano da bomba de hidrogénio para apoiar a sua ofensiva".

A política do governo Eisenhower para a Coreia sob o NSC 5702/2, datado de 9 de Agosto de 1957, permitiu que as forças dos EUA fornecessem apoio a uma iniciativa militar unilateral da ROK contra a RPDC.

Em Janeiro de 1958, os EUA haviam estacionado aproximadamente 150 ogivas nucleares em quatro plataformas de armas diferentes na ROK, o que estimulou o desenvolvimento do próprio programa nuclear do Norte por meio da colaboração com a União Soviética.

A tensão explodiu em Janeiro de 1968, quando o EPL capturou um navio de guerra de vigilância da Marinha dos EUA, o USS Pueblo – provavelmente em coordenação com o Vietminh, que apenas sete dias depois lançou a ofensiva Tet contra as forças dos EUA no Vietname do Sul.

Os documentos desde então desclassificados mostram que o Pentágono estava pronto para usar armas nucleares para forçar Pyongyang a cumprir as exigências americanas sobre o incidente – da mesma forma que as ameaças de usá-las facilitaram termos favoráveis no armistício da Guerra da Coreia.

Oficiais do USS Pueblo.

Em Abril de 1969, quando uma aeronave da Marinha dos Estados Unidos foi abatida sobre o Mar do Japão por caças norte-coreanos MiG-21 após ter penetrado no espaço aéreo norte-coreano, o presidente Richard Nixon em estado de embriaguez deu autorização para um ataque nuclear que, segundo o Agente da CIA George Carver, os militares levaram a sério.

Felizmente, cabeças mais frias prevaleceram, embora um tenso impasse militar persistisse no qual a ameaça de guerra nuclear permanecia alta.

Guerras por procuração

Além de aumentar a ameaça de uma catástrofe nuclear, o conflito EUA-Coreia do Norte resultou em guerras por procuração como no Vietname, onde a Coreia do Norte teve pilotos realizando missões de defesa para a Força Aérea Popular do Vietname. Morreram catorze pilotos norte-coreanos.

O ex-vice-ministro da Defesa vietnamita e ex-piloto da Guerra do Vietname, Tran Hanh, declarou: "[os pilotos norte-coreanos] foram muito corajosos. Seu orgulho nacional era muito grande ... eles não temiam nada, nem mesmo a morte".

Pilotos da RDPC no Vietname.

Kim Il-Sung terá enfatizado a importância de ajudar a luta vietnamita num encontro de 1965 com uma delegação chinesa visitante. Ele declarou: "Se os imperialistas americanos fracassarem no Vietname, entrarão em colapso na Ásia ... Estamos a apoiar o Vietname como se fosse a nossa própria guerra. Quando o Vietname fizer um pedido, interromperemos nossos próprios planos para tentar responder aos seus pedidos".

Vários relatórios indicam que as forças do EPC participaram em batalhas terrestres ao lado dos vietcongues e que especialistas em guerra psicológica do EPC ajudaram o Vietminh. O presidente Kim Il-Sung enfatizou a importância das fortificações na sua discussão com a liderança Vietminh e aconselhou-os a construir subterrâneos e colocar as fábricas no seu interior.

Além da luta vietnamita, Kim Il-Sung forneceu apoio económico e militar ao Egipto após a Guerra dos Seis Dias de 1967 e durante a Guerra do Yom Kippur de 1973 com Israel, que os Estados Unidos apoiavam fortemente.

Também no final dos anos 1970, Kim enviou 1 500 elementos para treinarem e aconselharem o MPLA, apoiado por cubanos, que lutava contra os aliados dos EUA, a África do Sul do apartheid. Apoiou o Congresso Nacional Africano, as forças de libertação da Organização do Povo da África Ocidental (SWAPO) na Namíbia e o governo de Robert Mugabe no Zimbabué, que foi alvo de sanções dos EUA.

Em 1982, a Coreia do Norte contribuiu para a defesa do Líbano depois de ter sido invadido por Israel com o apoio dos EUA e ajudou o Hezbollah a construir um arsenal subterrâneo e redes de comunicações que em 2006 se mostraram decisivos para frustrar os objectivos de Israel contra o Hezbollah.

Desde então, a Coreia do Norte ajudou o Irão e a Líbia – antes de Muammar Qaddafi ser derrubado em 2011 – a desenvolver tecnologias nucleares e enviou unidades das Forças Especiais à Síria para enfrentar as forças jihadistas apoiadas pelos EUA durante a guerra para derrubar Bashar al-Assad.

As políticas acima colocam o contexto da incessante hostilidade dos EUA em relação à Coreia do Norte e os planos para mudança de regime, projectados para remover um dos principais apoiantes dos adversários de Washington.

Norte vs. Sul

Os EUA impuseram sanções pela primeira vez à RPDC durante a Guerra da Coreia e depois expandiram-nas na década de 1980, com o objectivo de a isolar completamente da economia mundial.

A RPDC, no entanto, manteve um forte desempenho económico em comparação com outros países do bloco socialista durante a Guerra Fria. Isso deveu-se em parte aos altos níveis técnicos de educação, mesmo em áreas rurais, à construção de admiráveis barragens hidroeléctricas e do sistema ferroviário público subterrâneo mais profundo do mundo, o qual beneficiou-se com a experiência da RPDC na construção de defesas subterrâneas durante a Guerra da Coreia.

Enquanto a RPDC reconstruiu rapidamente sua infraestrutura após a guerra, a Coreia do Sul permaneceu um dos países mais pobres do mundo até que Syngman Rhee foi forçado a sair do poder por manifestações lideradas por estudantes em 1960.

Protestos na Coreia do Sul.

Sob Rhee, 24% do Produto Nacional Bruto da ROK dependia da prostituição ao serviço dos soldados dos EUA que continuaram a ocupar o país. Kim Ae Ran, uma ex-prostituta de 58 anos, disse em 2009 que "o governo era o grande proxeneta para os militares dos EUA".

'Mulheres de conforto'

A economia do Sul começou a crescer na década de 1970 sob o comando do General Park Chung Hee, que propiciou uma gestão económica mais competente do que Rhee, beneficiando de injecções maciças de capital japonês. O ex-diretor da Agência Central de Inteligência da Coreia do Sul (KCIA), Brigadeiro General Kim Hyong-Uk, testemunhou perante o Congresso dos EUA em 1977 que, no entanto, a população norte-coreana "provavelmente sente-se menos carente do que seus homólogos do sul", porque não havia "lacunas visíveis entre quem tem e quem não tem [na Coreia do Norte]". Esses comentários ajudam a explicar a viabilidade contínua da dinastia Kim num período em que a produção económica do Norte estava a ser eclipsada.

Sobrevivendo à década de 1990

A década de 1990 foi particularmente difícil para a RPDC. Em 1994, Kim Il-Sung morreu e foi substituído por seu filho, Kim Jong-Il. A RPDC havia perdido recentemente muitos de seus principais parceiros comerciais com o colapso do bloco socialista.

Para piorar a situação, o país sofreu uma série de desastres naturais, incluindo inundações devastadoras nas províncias do celeiro no sul e no oeste, que destruíram 1,5 milhões de toneladas de reservas de cereais que haviam sido armazenados no subsolo. Além disso, 85% da capacidade de geração de energia do país foi perdida e cerca de 5,4 milhões de pessoas perderam suas casas.

Em circunstâncias normais, a comunidade internacional teria intervido para aliviar a crise humanitária, conhecida na Coreia do Norte como a "marcha árdua". Ao invés disso, o governo Clinton pressionou para serem aumentadas as sanções económicas e impediu que o petróleo entrasse no país numa tentativa de semear o descontentamento e facilitar a mudança de regime.

Agentes da CIA estacionados na fronteira com a China ofereciam a agricultores desesperados um saco de arroz em troca de caudas de vaca na tentativa de arruinar ainda mais a economia agrícola da Coreia do Norte [NT] . Sem petróleo ou electricidade e o uso de tratores, as vacas eram usadas para arar os campos locais, portanto a remoção da cauda foi projectada para induzir à fome.

Jogo geopolítico mortífero

O povo norte-coreano há muito era peão num jogo geopolítico mortal no qual foram adoptadas todas as medidas de crueldade. Um paralelo foi com o Iraque, onde as sanções destinadas a minar o regime de Saddam Hussein levaram à morte de pelo menos 500 mil crianças.

No caso da Coreia do Norte, a UNICEF e o Programa Mundial de Alimentos foram impedidos de fornecer suplementos de vitamina A às crianças, o que resultou na morte de pelo menos 2 772 delas. Estima-se que o impacto das sanções sobre equipamentos médicos relacionados com a saúde reprodutiva tenha matado 72 mulheres grávidas e 1 200 bebés no final da década de 2010.

O imperativo da Coreia do Norte de desenvolver uma dissuasão nuclear em face das sanções e dos esforços de mudança de regime foi reconhecido por altos funcionários dos EUA, como James Clapper, o director dos serviços secretos de Barack Obama. Ele referiu-se ao programa nuclear norte-coreano como "sua passagem para a sobrevivência".

Em Junho de 1994, o governo Clinton quase entrou em guerra por causa do programa nuclear da Coreia do Norte. A crise começou quando o governo de Kim Il-Sung recusou um pedido da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) para inspeccionar sua instalação nuclear em Yongbyon, sentindo que as equipes de inspecção seriam infiltradas por agentes dos serviços secretos.

Depois de os EUA terem ameaçado com um ataque militar preventivo, o ex-presidente Jimmy Carter viajou para Pyongyang, reuniu-se com Kim e intermediou um acordo no qual a RPDC concordou em congelar o programa nuclear em troca de novos reactores nucleares, que não produziam plutónio para armamento, e petróleo para ajudar a responder às necessidades de energia.

Selig S. Harrison, funcionário do Departamento de Estado que desempenhou um papel importante nas negociações, afirmou mais tarde que, embora a Coreia do Norte tivesse cumprido sua parte na negociação e cessado de operar o reactor de Yongbyon, o governo Clinton não cumpriu os seus próprios compromissos, nomeadamente não removendo as sanções que o Norte considerava cruciais para resolver os problemas económicos, especialmente a sua escassez de alimentos. O governo Clinton também falhou em fornecer o petróleo prometido ou financiar reactores de água leve. [2]

Kim Il-Sung e James Carter.

Tendo perdido completamente a confiança nos EUA, a Coreia do Norte retirou-se do acordo nuclear em 2002 e acelerou o desenvolvimento de uma arma nuclear.

Do Eixo do Mal de Bush a Trump

O governo de George W. Bush lançou gasolina no fogo ao designar a Coreia do Norte como parte de "Eixo do Mal", juntamente com o Iraque, o Irão e outros supostos patrocinadores do terrorismo. O especialista do Leste Asiático do Serviço de Pesquisa do Congresso dos Estados Unidos, Larry Niksch, escreveu na época que "a mudança de regime na Coreia do Norte [era] o principal objectivo da política do governo Bush", devendo ser alcançada por meio de renovada pressão económica, sanções e interdição do transporte marítimo coreano pretendendo provocar o colapso do governo e, se isso falhasse, o secretário de Defesa Donald Rumsfeld estava a considerar um "plano mais amplo para ataques massivos contra vários alvos".

Depois de um breve degelo no segundo mandato de Bush, o governo Obama renovou a abordagem linha-dura, aumentando a pressão económica, a guerra de informações e lançando ciberataques – o vírus Stuxnet – na infraestrutura nuclear da RPDC.

A base liberal de Obama apoiou amplamente essas políticas ao lado dos conservadores porque foram condicionados a pensar os EUA numa luta do bem contra um regime comunista asiático maligno.

Durante anos, os grandes media demonizaram a Coreia do Norte e transmitiram histórias de desertores norte-coreanos, pagos para promover a desinformação sobre a RPDC.

Em 2017, Kim Jong-Un foi acusado de assassinar o seu meio-irmão, Kim Jong-Nam, no Aeroporto Internacional de Kuala Lampur, na Malásia, embora uma investigação malaia não tenha encontrado nenhuma prova de que Kim Jong-Un estivesse envolvido. Os serviços de segurança norte-coreanos foram posteriormente acusados de torturar até a morte um estudante universitário americano, Otto Wambier, embora não houvesse provas.

A secretária de Estado Madeleine Albright afirmou ter sido mal informada pela propaganda e preconceitos anti-norte-coreanos quando visitou Pyongyang em 2000, designadamente sobre a espécie de tipo esquisito que Kim Jong-Il era, mas ele estava bem preparado para o encontro, charmoso, inteligente, tecnicamente hábil em assuntos militares e bem informado.

As visões estereotipadas do público sobre a Coreia do Norte foram reflectidas num filme de Hollywood de 2014, The Interview, o lançamento digital de maior bilheteira da Sony, que adoptou "imagens e alusões racistas", de acordo com um crítico, celebrando a execução sangrenta do caricaturado líder da Coreia do Norte.

O produtor e protagonista Seth Rogen admitiu que ele e outros produtores estabeleceram relacionamentos com "certas pessoas que trabalham no governo como consultores que, estou convencido, são da CIA". O filme era claramente parte de uma campanha de propaganda de longa data que teve êxito para além dos sonhos mais loucos de seus arquitectos.

Nas duas ocasiões (2018 e 2019) em que Donald Trump se encontrou com o líder da RPDC Kim Jong-Un, foi amplamente ridicularizado – Hillary Clinton referiu-se aos seus movimentos em direcção a um acordo com Pyongyang como "colocar batom num porco". Forçado a recuar em novas aberturas diplomáticas, Trump tentou ganhar vantagem sobre a Coreia do Norte pressionando a China – uma estratégia condenada ao fracasso porque a relação sino-norte-coreana não é neocolonial em que Pequim domina Pyongyang.

O livro de Abrams tem a maior importância para ajudar os leitores a compreender a longa estabilidade do poder na RPDC e para desmascarar os estereótipos dos media que ajudaram a validar agressivas políticas de mudança de regime.

Por mais que os americanos pensem que os norte-coreanos são loucos, os norte-coreanos têm muito mais motivos para acreditar que o inverso é verdadeiro. Eles têm uma moral superior num conflito iniciado pelos Estados Unidos e que tem de ser encerrado por estes.

17/Dezembro/2020

[1] Joby Warrick, Ellen Nakashima e Anna Fifield, "North Korea now making missil-ready nuclear weapon, US analists say", Washington Post, 8/Agosto/2017; Jeffrey Lewis, "The Game Is Over, and North Korea Has Won", Foreign Policy, 9/Agosto/2017.
[2] Os EUA alegaram que a Coreia do Norte violou o acordo ao desenvolver tecnologia de mísseis e nuclear para o Irão, Paquistão e Síria. Em 1998 a Coreia do Norte começar a testar foguetões de três andares desenvolvendo a sua capacidade de produzir mísseis balísticos de longo alcance.

[NT] A cauda é usada, além de outras funções, para espantar moscas e outros parasitas, inclusive transmissores de doenças. O procedimento é doloroso e pode resultar em dor cronica, causando intensa perturbação no animal, pelo menos reduzindo a sua produtividade.

[NR] Ver o relatório Report of the International Scientific Commission for the Investigation of the Facts Concerning Bacterial Warfare in Korea and China , Pequim, 1952, 764 p., 235 MB (para descarregar clique com o botão direito do rato e faça Save As...)


[*] Editor da CovertAction Magazine e autor de quatro livros sobre política externa dos EUA , bem como um extenso ensaio sobre a Guerra da Coreia: Barbarism Unleashed.

O original encontra-se em covertactionmagazine.com/...


Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .
28/Dez/20