Sinais de esperança num mundo repleto de guerra e perigos

– A fortaleza da Rússia e da China para enfrentar a agressão dos EUA garante que um mundo melhor está a perfilar-se.

SCF [*]

Capitólio, em Washington.

A emergência de um mundo multipolar é um lembrete de que o mundo tem muitos motivos para ser otimista – apesar da devastação dos conflitos e das múltiplas tensões perigosas.

A fortaleza da Rússia e da China para enfrentar a agressão dos EUA garante que um mundo melhor está a perfilar-se.

Fora com o velho e para dentro com o novo. Há uma sensação inequívoca de que não estamos a assistir apenas mais uma passagem de ano.

O mundo está a atravessar mudanças verdadeiramente históricas que estão relacionadas com o declínio inexorável da ordem ocidental liderada pelos Estados Unidos e a emergência de uma ordem global multipolar.

Os Estados Unidos continuam a ser uma potência mundial com ambições hegemónicas. A sua posse de centenas de bases militares em mais de 100 países em todo o mundo é um testemunho da sua formidável força militar.

No entanto, a ordem ocidental dominada por Washington – ou a chamada "ordem baseada em regras" – está em declínio fatídico. A emergência de uma ordem alternativa multipolar é ilustrada por numerosos fóruns, os BRICS com o seu número crescente de membros, a influência crescente do G20 e o dinamismo das economias euro-asiáticas. Todos estes desenvolvimentos testemunham o desaparecimento da ordem ocidental.

O afastamento substancial do dólar americano como principal moeda de comércio é talvez a manifestação mais consequente das mudanças globais de poder.

Os impérios raramente desaparecem em silêncio, como o demonstram milénios de história. Há sempre uma luta renhida para manter os privilégios e o controlo do monopólio. O desaparecimento dos EUA não é diferente. O império está a soçobrar aos gritos e aos pontapés.

Isto representaria a mola mestra das tensões e dos conflitos no mundo atual. A guerra por procuração na Ucrânia contra a Rússia, a erupção da violência genocida no Médio Oriente e as tensões incendiárias na Ásia-Pacífico com a China estão todas relacionadas com a perda do poder imperial dos EUA.

Dada a terrível violência e o perigo de estes conflitos se transformarem numa conflagração, no entanto concluímos o ano com um realismo esperançoso.

A Rússia, a China e muitas outras nações estão a recusar-se firmemente a capitular perante a agressão estado-unidense.

O império estado-unidense está encurralado pela sua própria corrupção e crise interna. Houve um tempo na história em que as potências ocidentais podiam sair airosamente dos seus problemas iniciando guerras no estrangeiro sob todo o tipo de falsos pretextos.

Esses tempos acabaram. Os EUA e os seus parceiros ocidentais estão falidos em todos os sentidos, financeira, moral e politicamente. O mundo pode ver isso tão claramente como na fábula do imperador nu.

A Rússia, a China e outras nações que aspiram a um mundo novo e mais justo, baseado no respeito pelo direito internacional e pelos princípios fundadores das Nações Unidas, não vão ceder à chantagem geopolítica dos EUA e do seu império ocidental moribundo.

Apesar das circunstâncias sombrias que se vivem em algumas partes, o mundo tem muito a esperar em termos de cooperação internacional, desenvolvimento e paz. Sinais de esperança estão à nossa volta.

Quando um império se afunda, há muito ranger de dentes. Mas ele vem abaixo e o mundo continua.

Feliz Ano Novo para todos os nossos leitores.

06/Janeiro/2024

[*] Strategic Culture Foundation.

O original encontra-se em strategic-culture.su/news/2024/01/06/in-a-world-fraught-with-war-and-danger-signs-of-hope/

Este editorial encontra-se em resistir.info

07/Jan/24