Guerras imperialistas beneficiam os grandes capitalistas dos Estados mais ricos

por Immanuel Ness [*]
entrevistado por Mohsen Abdelmoumen

Dr. Immanuel Ness. Mohsen Abdelmoumen:   No seu livro Choke Points: Logistics Workers Disrupting the Global Supply Chain afirma que o capitalismo global é um sistema precário. Pode explicar porquê?

Dr. Immanuel Ness – A economia global está cada vez mais integrada na indústria transformadora e, como tal, diferentes nações estão fortemente envolvidas nos diversos produtos (inputs) que contribuem para transformar os recursos naturais em produtos finais. Este sistema é muito dependente do transporte de mercadorias em todo o mundo. Assim, os trabalhadores da logística e dos transportes são parte integrante do fluxo contínuo de mercadorias em todo o mundo. Como os produtos são cada vez mais produzidos para atender às procuras específicas dos consumidores e dos mercados dos países de destino do norte, qualquer desafio a esse sistema fará com que o fornecimento de produtos falhe.

Os trabalhadores da logística e dos transportes desempenham, portanto, um papel crucial na distribuição de bens ao longo da cadeia de fornecimentos podendo interromper a entrega de bens em diferentes fases da produção. Assim, a noção de estrangulamento está enraizada no sistema de distribuição. Os estrangulamentos diminuem a velocidade da produção e impedem o sistema capitalista de processar os produtos em diferentes fases da cadeia global de mercadorias.

Essa interrupção tem um impacto significativo no fornecimento de bens essenciais, num sistema de produção global altamente integrado, no qual os consumidores de bens nas diferentes fases da produção, são impedidos de obter produtos (inputs) cruciais para o seu sistema de produção. A globalização económica e a produção flexível aumentaram a dependência da entrega rápida e fiável de mercadorias. Se o sistema de transportes para os principais pontos logísticos for interrompido nas fábricas, no transporte rodoviário ou ferroviário, aeroportos, portos e armazéns, a entrega dessas mercadorias não poderá atingir os mercados de produção e de consumo e constitui um risco para a rentabilidade. As cadeias de fornecimentos globais estão a intensificar a importância do transporte rápido e fiável de produtos agrícolas, matérias-primas e bens industriais, cada vez mais dependentes da subcontratação. Isso coloca o capital numa posição potencialmente precária, muito dependente da entrega de mercadorias "just-in-time" aos diversos mercados.

Na sua opinião, o capitalismo é capaz de superar as crises que gera?

Sim, o capitalismo atual dispersou os trabalhadores por toda uma série de processos de produção, instalações e empresas, diminuindo o poder de os trabalhadores perturbarem as cadeias globais de mercadorias. Embora existam exceções notáveis em que os trabalhadores da logística conseguiram desacelerar e, em alguns casos, impedir a produção e o transporte de mercadorias, hoje os trabalhadores não têm o poder organizacional de resistir e superar o poder esmagador do capital. Além disso, existe a propensão para trabalhadores logísticos privilegiados, como marítimos e estivadores, que recebem salários mais altos e preferem não atrapalhar um sistema que lhes foi favorável, em detrimento dos trabalhadores mal remunerados.

Em geral, os trabalhadores com baixos salários produzem bens em colónias agrícolas e informais e geralmente são encontrados nos países do sul, onde os salários são significativamente mais baixos do que nas metrópoles neocoloniais onde os bens de consumo finalizados são geralmente vendidos a consumidores com salários mais altos. Além disso, deve-se notar que os sindicatos são agora muito mais fracos do que eram em meados e nos finais do século XX, durante a era fordista, quando os trabalhadores negociavam salários muito mais altos devido ao controlo que tinham sobre a produção integrada de mercadorias. A globalização e o crescimento das cadeias de produção envolvendo diversos Estados, enfraquecem consideravelmente a capacidade de o fator trabalho enfrentar o capital. Até que este desequilíbrio de poder seja resolvido a favor dos trabalhadores, as empresas multinacionais manterão uma posição dominante.

Fingir que não há alternativa ao capitalismo revela uma impotência para criar um sistema que vai além do capitalismo, o qual mostrou os seus limites?

Não, vivemos num mundo dominado pelo capitalismo e, de facto, vastas lutas ocorrem entre trabalho e capital. O problema é que a maioria dos sindicatos foi derrotada, qualquer tentativa de regulamentação mínima à ganância dos mercados de trabalho predadores é um desafio formidável para a classe trabalhadora. Dessa maneira, ir além do capitalismo não passa de retórica, porque é muito improvável que o capitalismo seja superado num futuro próximo [NT 1] . Mesmo que seja possível para grandes Estados ou regiões desenvolver sistemas socialistas, é provável que o sistema mundial seja dominado pelo capitalismo nas próximas décadas. O principal desafio é limitar a capacidade de o capitalismo penetrar nos aspetos fundamentais da vida social e impedir que o capital inevitavelmente mercantilize serviços essenciais: comida, saúde, energia, habitação, educação, etc. A única maneira de encontrar uma alternativa é ao nível estatal, e isso exige um Estado muito forte, comprometido com o socialismo, para limitar e lentamente confrontar o capitalismo. Esses estados devem ser grandes e fortes. Exemplos recentes da maré rosa na América Latina revelaram os limites de um "ir além do capitalismo", sem capacidades excecionais para desafiar o capital multinacional e os Estados imperialistas do Ocidente e de outros lugares que procuram mercantilizar toda a vida social.

O sistema capitalista não está dizimando populações inteiras e destruindo o planeta pelo seu modo irrestrito de consumo?

Sim, o sistema capitalista atualmente em vigor, o capitalismo neoliberal, destruiu muitos dos ganhos sociais do pós-guerra nos países do norte. Enquanto os residentes de países ricos da Europa, América do Norte, Oceânia e outros países estão sendo pressionados para continuarem consumindo, de facto, o padrão de vida aumentou ou não diminuiu na maioria dos países ricos [NT 2] . Devemos entender que os países capitalistas avançados representam talvez apenas mil milhões dos 7,7 mil milhões de pessoas que habitam o planeta. Se o sistema capitalista dos países ricos fosse reproduzido à escala mundial, o planeta deixaria de ser habitável para a população mundial, onde os bens não estão disponíveis para a vasta maioria da população. Apesar disto, o consumo dos países ricos em detrimento da maioria pobre conduz o mundo ao esgotamento dos recursos. O reconhecimento do impacto ecologicamente devastador da produção capitalista não levou a um declínio do consumo no Ocidente.

É um cientista político experiente e um sindicalista. Não acha que precisamos de mais sindicatos combativos do que nunca diante da ofensiva ultraliberal, da insegurança no emprego, do desemprego maciço, etc?

Sim absolutamente. Mas não precisamos apenas de mais sindicatos combativos, mas também de organizações mais fortes. Hoje, os cientistas sociais que estudam o trabalho têm-se concentrado em organizações combativas fracas, na linha dos Industrial Workers of the World e não em organizações fortes. Os sindicatos autónomos são vistos como uma nova forma de organização do trabalho. O que essa perspetiva deixa de fora é que os trabalhadores independentes sempre se comprometeram na luta contra os patrões. É verdade que muitos sindicatos existentes tornaram-se organizações burocráticas e fossilizadas e perderam o seu envolvimento na luta de classes, preferindo envolver-se na negociação de concessões com o capital. Mas isto é especialmente verdade porque os sindicatos não têm realmente o poder de derrotar o capital. A fábrica fordista é uma estrutura ultrapassada, assim como os sindicatos que representam um grande número de trabalhadores. Portanto, é importante ter não apenas sindicatos combativos, mas também sindicatos fortes. Na minha opinião, esses sindicatos devem alinhar-se com partidos políticos fortes e comprometidos, dedicados a derrotar o capitalismo e o imperialismo. De certa forma, isto inspira-se nos sindicatos do início do século XX, alinhados com partidos políticos. Hoje devemos aprender com os sucessos e erros do passado. Mas se a classe trabalhadora e a grande maioria dos pobres do mundo querem melhorar sua situação, devem organizar-se.

Não há uma necessidade estratégica de uma frente mundial de trabalhadores contra o capitalismo e o imperialismo?

Evidentemente, é sempre útil ter solidariedade entre os trabalhadores à escala global, mas, dadas as grandes diferenças nas condições económicas resultantes da transferência de valor dos países do Sul para o Norte, é improvável que trabalhadores em países ricos vão contra seus interesses económicos e desafiem o capitalismo e o imperialismo. Tomemos, por exemplo, as recentes eleições na Europa, América do Norte, Oceânia e países da OCDE, onde há um aumento dos movimentos da classe trabalhadora de direita que se opõem aos imigrantes, não põem em causa as políticas imperialistas e estão mais inclinados a aumentar os salários e as condições de proteção social do que a solidarizarem-se com os trabalhadores da África, Ásia e América Latina. Você está certo ao dizer que é necessário uma frente global de trabalhadores, mas, na minha opinião, essa frente virá de trabalhadores oprimidos no Sul, e não dos trabalhadores com a vida relativamente desafogada no Norte.

Os sindicatos burocráticos não abandonaram a luta da classe trabalhadora?

Sim, os sindicatos burocráticos abandonaram o apoio à luta de classes. Eles ignoraram as lutas espontâneas das bases por melhores salários, condições de trabalho e benefícios. Mas esse é geralmente o caso das organizações economicistas, razão pela qual também é necessário ter um compromisso político a favor do anti-capitalismo e do anti-imperialismo. Embora a luta seja longa e cansativa, na ausência de um partido de vanguarda e liderança dedicada à classe trabalhadora, as lutas diárias dos trabalhadores descritas em numerosos estudos por todo o mundo, não ganharão terreno. A burocracia sindical é também uma marca dos sindicatos que aceitaram e fizeram progredir o capitalismo e o imperialismo a todos os níveis. Assim, a Confederação Internacional dos Sindicatos (CSI) defende modelos sindicais que assumem uma posição subordinada em relação ao capital. Isso também se aplica aos sindicatos sectoriais nacionais, com algumas exceções na Ásia, sudeste da Ásia e sul da África, onde os sindicatos rejeitam uma posição subordinada e prometem combater o imperialismo.

No seu livro, muito importante para entender as lutas dos trabalhadores: " Southern Insurgency: The Coming of the Global Working Class ", explora as novas lutas dos trabalhadores dos países do sul, como China, Índia e África do Sul. Quais são as especificidades da luta dos trabalhadores nesses países que menciona em seu livro?

O livro revela a chegada da classe trabalhadora global, revela a expansão das lutas de classe no sul global para construir sindicatos mais responsáveis e de combate de classe, em vez de sindicatos burocráticos ligados ao colaboracionismo com as administrações das empresas, o Estado e a troca de concessões. O livro mostra que os trabalhadores de todo o mundo estão envolvidos num poder de classe autónomo. Mesmo na China, os trabalhadores estão desenvolvendo organizações independentes que buscam a melhoria de condições. Embora as características de cada uma das lutas na indústria automobilística, na produção de calçado e nas minas sejam diferentes, o poder dos trabalhadores provem e é desenvolvido pelas atividades da base dos trabalhadores. Infelizmente, os sindicatos, como organizações económicas, são incapazes de afirmar as suas reivindicações para incluir todos os trabalhadores. Altos níveis de desemprego, baixos salários e condições inseguras não podem ser combatidos numa base nacional por assembleias de trabalhadores, sindicatos independentes e falta de liderança dedicada e com princípios. O livro presta homenagem às lutas de classe dos trabalhadores em cada um desses países, que fizeram as maiores greves da segunda década do século XXI, mas também mostra os limites dessas lutas para se transformarem em forças poderosas de mudança sistémica nacional e regional.

Na Argélia, os sindicatos autónomos comprovaram o seu espírito de luta, diferentemente do sindicato burocrático vinculado ao patronato. Não acha que, para ser eficaz, os movimentos sindicais precisam livrar-se da burocracia?

Sim, como já foi dito, a burocracia é uma função do economicismo, um esforço limitado para defender trabalhadores em sectores diferentes. Na Argélia, os sindicatos autónomos comprometeram-se em ações diretas contra o patronato, o seu espírito de luta é um modelo para os trabalhadores em todo o mundo. No entanto, esses sindicatos devem mostrar que têm capacidade de se transformar em organizações mais fortes. Na Argélia, esses movimentos foram reprimidos pelas forças de segurança do Estado. O que é necessário é que esses sindicatos se reúnam em órgãos maiores, com liderança coerente, dedicada às questões dos trabalhadores. É claro que os sindicatos devem libertar-se da burocracia, mas é importante não equiparar a burocracia ao poder político e económico. A autonomia tem de ser uma prática diária que deve ser reforçada pela capacidade de quebrar o sistema capitalista. Se as ações de massa foram muito impressionantes, então a classe trabalhadora argelina deve ser unificada para exigir concessões políticas e económicas específicas do Estado e do capital.

Fez um notável trabalho de antologia publicando " The International Encyclopedia of Revolution and Protest: 1500 to the Present ", em 8 volumes, e The Encyclopedia of Global Human Migration ,   The Palgrave Encyclopedia Imperialism and Anti-Imperialism . " Para combater melhor o capitalismo, não será necessário cada um armar-se com as ferramentas teóricas que oferece em particular através de seus livros?

A educação é sempre um empreendimento importante e quanto mais sabemos sobre o mundo à nossa volta e a história dos movimentos de esquerda no passado, mais podemos aprender com os sucessos e os fracassos do passado. Cada um desses trabalhos tem como objetivo mostrar a diversidade de resistências que os oprimidos enfrentam para fazer avançar os seus interesses. Mas também mostram que, em muitos casos, os movimentos políticos são confrontados com o braço forte do Estado e do capital, que geralmente os vence. É importante lutar para vencer, em vez de lutar para perder. Assim, a gama de tendências políticas apresentadas nos livros mostra como diversos movimentos políticos tiveram êxito dispondo de poder suficiente para derrotar o Estado e o capital. Aliás, estou a terminar uma segunda edição da The Palgrave Encyclopedia Imperialism and Anti-Imperialism , que mostra como as lutas com princípios, enraizadas na realidade, em vez de objetivos utópicos, são mais eficazes para melhorar as condições dos oprimidos.

É o editor do Journal of Labor and Society . Não acha que a classe trabalhadora em dificuldades precisa dos seus próprios media para combater os media de propaganda que estão nas mãos do poder do dinheiro?

Sim, é incontestavelmente necessário dispor de meios de comunicação poderosos que contrariem a propaganda que prevalece no sistema. Os trabalhadores não precisam apenas de revistas, mas também de programas populares, publicações on-line, filmes, literatura, etc. É uma realidade permanente que, mesmo nos meios universitários, as publicações de esquerda são vítimas de ataques e são vulneráveis porque são controladas pelas grandes editoras que geram milhares de milhões de receitas cada ano. Enquanto o Journal of Labor and Society tem 50 mil leitores por ano, os editores estão interessados nos lucros e na rentabilidade, desaprovando os periódicos e publicações que desafiam o capitalismo e o imperialismo. Aqueles de nós que se opõem ao sistema capitalista e ao imperialismo devem apoiar os jornais da esquerda. Mas são poucos. Cada vez mais, descobrimos que esses periódicos estão abandonando os seus princípios de justiça social em favor da rentabilidade, que é o seu principal indicador de sucesso. Posso citar inúmeros jornais de esquerda que adotaram o neoliberalismo e mudaram-se para o centro. Devemos cuidar e proteger não apenas os periódicos universitários, mas também todos os media que desafiam a injustiça do sistema político e económico.

Vemos cada vez mais guerras imperialistas lançadas em benefício dos grandes capitalistas e que visam saquear a riqueza dos povos. Na sua opinião, o movimento sindical e outras organizações da esquerda combativa nos países do norte não têm eles também um outro combate a travar, que é o de afirmar a sua solidariedade com os povos do sul, os condenados da Terra?

Eu concordo totalmente. O balanço da resistência da esquerda à guerra imperialista é lamentável e fraco. Por vezes, grande parte dos esquerdistas apoia a guerra imperialista com base em intervenções humanitárias artificiais. Os sindicatos nos Estados Unidos e noutros países imperialistas, geralmente apoiam as orientações políticas das forças armadas, do Departamento de Estado e dos serviços secretos. Será necessária uma educação significativa para combater as agendas imperialistas dos países do norte, pois praticamente não há oposição. Estou a trabalhar num projeto com o tema da guerra sob a forma de sanções, para demonstrar que as sanções são usadas como instrumento de guerra em dezenas de países opostos aos Estados Unidos, Europa Ocidental e seus aliados. As sanções são uma forma híbrida de guerra, que em muitos casos mata mais pessoas do que um conflito militar por falta de acesso a alimentos, medicamentos, saneamento e outras necessidades. Mulheres e crianças são particularmente vulneráveis às sanções económicas. Os países não conseguem reconstruir as infraestruturas após a devastação das guerras. Essas guerras e sanções são travadas desproporcionalmente contra os Estados do sul, do sudoeste da Ásia, norte da África, África ao sul do Saara, América Latina e Caribe.

As guerras imperialistas beneficiam os grandes capitalistas dos Estados mais ricos e, como diz, saqueiam a riqueza dos povos e criam mais miséria. Não vejo o movimento sindical e a esquerda dos países do Norte comprometidos em solidariedade. A oposição vem de grupos geralmente restritos que reconhecem que essas guerras beneficiam o norte. Portanto, embora os media ocidentais frequentemente se oponham aos custos das guerras, referem-se aos dólares gastos pelos Estados Unidos, Europa e outros países ocidentais, e não ao custo infligido aos países do sul. No entanto, nós ocidentais não devemos escapar às nossas responsabilidades simplesmente porque nossos países são os beneficiários da guerra imperialista. Temos que lutar todos os dias para alterar os planos e opormo-nos à guerra. É nossa tarefa, é nossa responsabilidade. Estou no processo conclusão de três novos livros no próximo ano sobre estes assuntos.

05/Fevereiro/2020

NT]
[1] Ao dizer isto ele parece dar razão à rendição de ex-marxistas à social-democracia e ignorar que a luta de massas não pode ser desligada da luta ideológica a fim de superar o sistema – mesmo que esta seja "longa e cansativa", como diz.   Combater a retórica é correcto, mas a luta ideológica nada tem que ver com retórica e não deve ser abandonada. Retórica é o disfarce dos que se voltaram para a social-democracia colaboracionista.
[2] Não é assim, pelo contrário. O objectivo do neoliberalismo é destruir todos os direitos sociais (as “reformas”).   As lutas dos coletes amarelos ou mesmo nos EUA são exemplos que não podem ser ignorados.


[*] Professor de ciência política no Brooklyn College da City University de Nova York. É especialista em organização dos trabalhadores, mobilização política e ativismo sindical. O seu trabalho levou-o a viajar por muitos países, principalmente na América do Norte, Ásia e África. A pesquisa e as publicações do Dr. Ness concentraram-se na economia política dos movimentos sindicais, na organização social dos trabalhadores, nas relações do Sul, no socialismo e no imperialismo contemporâneo. É co-editor do Journal of Labor and Society . O Dr. Ness também é investigador associado sénior do Centro de Mudança Social da Universidade de Joanesburgo. Foi organizador e ativista sindical entre 1989 a 2011.

O original encontra-se em mohsenabdelmoumen.wordpress.com/... . Tradução de DVC.


Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .
12/Fev/20