As palavras embaraçosas do Papa Francisco, em Hiroshima

"A bomba atómica é imoral e criminosa"

– Silêncio bipartidário sobre o Papa, tanto na Itália como em Portugal

por Manlio Dinucci [*]

A nova ogiva nuclear B61-12 do arsenal estado-unidense. Silêncio tumular no arco institucional italiano, sempre loquaz sobre o Papa, quanto às palavras proferidas por Francisco, em 24 de Novembro, em Hiroshima e Nagasaki: "O uso da energia atómica para fins de guerra é hoje, mais do que nunca, um crime. É imoral a posse de armas atómicas ".

Palavras embaraçosas para os nossos máximos expoentes institucionais que, como os anteriores, são responsáveis pelo facto de a Itália, um país não nuclear, hospedar e estar preparada para usar armas nucleares americanas, violando o Tratado de Não Proliferação ao qual aderiu, que proíbe aos Estados militarmente não nucleares, receber armas nucleares e controlá-las directa ou indirectamente. Responsabilidade ainda mais grave porque a Itália, como membro da NATO, recusou-se a aderir ao Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, votado pela grande maioria da Assembleia-Geral da ONU: que obriga os Estados signatários a não produzir nem possuir armas nucleares, não usá-las ou ameaçar usá-las, não transferi-las ou recebê-las directa ou indirectamente, com o objectivo da sua eliminação total.

EMBARAÇOSA para os governantes, a pergunta que o Papa Francisco faz, de Hiroshima: "Como podemos falar sobre paz enquanto construímos novas e formidáveis armas de guerra?" Em Itália, o número de bombas nucleares estimado actualmente é da ordem dos 70, todas do modelo B61 , mas estão para ser instaladas no território italiano, as novas e mais mortíferas bombas nucleares USA B61-12 (número ainda desconhecido) no lugar das actuais B-61. A B61-12 possui uma ogiva nuclear com quatro opções de potência seleccionável: no momento do lançamento, é escolhida a potência de explosão, dependendo do alvo a atingir. Ao contrário da B61, lançada na vertical sobre o alvo, a B61-12 é lançada a distância e guiada por um sistema de satélite. Tem, também, a capacidade de penetrar no subsolo, mesmo através de betão armado, explodindo em profundidade para destruir os bunkers dos centros de comando e estruturas subterrâneas, de modo a "decapitar" o país inimigo, num 'first strike' nuclear.

IGUALMENTE EMBARAÇOSA é a outra pergunta do Papa: "Como podemos propor a paz se usamos continuamente a intimidação bélica nuclear como recurso legítimo para a resolução dos conflitos?" A Itália, como membro da NATO, apoiou a decisão de Trump de cancelar o Tratado INF que, assinado em 1987 pelos Presidentes Gorbachev e Reagan, havia permitido a eliminação de todos os mísseis nucleares de alcance intermédio com base no solo, distribuídos na Europa, incluindo aqueles instalados em Comiso. Os EUA estão a desenvolver novos mísseis nucleares de alcance intermédio, tanto de cruzeiro como balísticos (estes capazes de atingir alvos poucos minutos após o lançamento), a serem distribuídos na Europa, certamente também em Itália, contra a Rússia e na Ásia, contra a China. A Rússia advertiu que, se forem disseminados na Europa, apontará os seus mísseis nucleares para os territórios nos quais serão instaladas.

AS POTÊNCIAS NUCLEARES possuem um total de cerca de 15 mil ogivas nucleares. Mais de 90% pertencem aos Estados Unidos e à Rússia: cada um dos dois possui cerca de 7 mil. Os outros países que possuem ogivas nucleares são: França (300), China (270), Grã-Bretanha (215), Paquistão (120-130), Índia (110-120), Israel (80), Coreia do Norte (10-20). Cinco outros países – Itália, Alemanha, Bélgica, Holanda e Turquia – têm em conjunto, cerca de 150 ogivas nucleares americanas instaladas nos seus territórios. A corrida armamentista está a ocorrer agora, não em quantidade, mas em qualidade: ou seja, no tipo de plataformas de lançamento e nas capacidades ofensivas das ogivas nucleares.

Um submarino americano da classe Ohio é capaz de lançar, em menos de um minuto, 24 mísseis balísticos Trident armados com 120 a 190 ogivas nucleares, cujo poder explosivo é mais do que o dobro de todos os explosivos não nucleares usados na Segunda Guerra Mundial. O novo míssil balístico intercontinental russo, Sarmat, com um alcance de 18.000 km, é capaz de transportar de 10 a 16 ogivas nucleares que, ao reentrar na atmosfera em velocidade hipersónica (mais de 5 vezes a do som), manobram para escapar aos mísseis interceptores.

E quando o Papa Francisco afirma que o uso da energia nuclear para fins de guerra é "um crime não apenas contra o Homem e sua dignidade, mas contra qualquer possibilidade de futuro na nossa casa comum", que põe em perigo o futuro da Terra, aqui não devem calar-se os que estão empenhados na defesa do meio ambiente: porque a ameaça mais grave para o ambiente da vida no planeta é a guerra nuclear e é prioritário, o objectivo da eliminação completa das armas atómicas.

Falta ver até que ponto o aviso lançado pelo Papa Francisco, a partir de Hiroshima, é recebido na própria Igreja e entre os católicos em geral. Não é a primeira vez que ele lança este alerta, mas a sua voz, para usar uma frase do Evangelho, assemelha-se à de "alguém que grita no deserto". Neste ponto, surge espontaneamente uma proposta laica: Se falta a consciência, que se revele, ao menos, o instinto de sobrevivência.

26/Novembro/2019
Ver também:
  • EUA testam bomba nuclear B61-12 – especialista explica o que está por trás

    [*] Jornalista, escreve em il manifesto

    O original encontra-se em L'atomica immorale e criminale. Silenzio bipartisan sul papa
    e a tradução de Luisa Vasconcellos em sakerlatam.es/...


    Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
  • 30/Nov/19