Em 2023 a zona euro foi a região com o crescimento do PIB mais baixo do mundo
– Será também culpa de Putin?

Juan Torres López [*]

Perdas da UE com o gás em 2023.

Medir o sucesso de uma economia pelo crescimento do PIB é muito inadequado. É tão inadequado, por exemplo, como avaliar o desenvolvimento de um bebé apenas com base no aumento de peso. No entanto, como este é o indicador utilizado pelos economistas convencionais, estou a tomá-lo em consideração para comparar a situação da economia europeia com as outras maiores economias do mundo em 2023.

No final desse ano, seis economias da União Europeia (Dinamarca, Estónia, Finlândia, Alemanha, Irlanda, Luxemburgo e Estónia) estavam em recessão (mais de dois trimestres consecutivos de crescimento negativo do PIB), bem como as do Japão, Moldávia, Peru e Reino Unido. A zona euro e a União Europeia no seu conjunto aproximaram-se em algumas décimas de ponto percentual (se as sucessivas revisões dos dados não os corrigirem em baixa). Os Estados Unidos registaram um crescimento de 2,5%. E, ao contrário de todos eles, o crescimento do PIB dos grandes países que podem ser considerados fora da área de influência desta última potência mundial foi superior:   China 5,2%; Índia 7,6%; Rússia 3,6%; Brasil, 2,9%.

É muito significativo que a atividade económica esteja a crescer mais nestas últimas economias, que não são geridas de acordo com os mesmos parâmetros de política económica que inspiram as grandes economias ocidentais. Mas aqui referir-me-ei apenas às diferenças entre o que se passou na Europa e nos Estados Unidos.

De acordo com quase todos os analistas, pode dizer-se que estes últimos não entraram em recessão (contrariamente à maioria das previsões) por várias razões:

Comparativamente, é fácil deduzir as razões que estão a provocar a recessão ou a limitar o crescimento noutras grandes economias europeias e, em particular, na Alemanha.

Como escreveu Thomas Palley, os Estados Unidos "piratearam" a Europa. Parece ter pirateado o disco rígido mental dos dirigentes europeus para que as suas decisões políticas, defensivas e estratégicas respondam não aos interesses dos seus cidadãos, mas aos interesses americanos, e as economias dos diferentes países e da União Europeia no seu conjunto estão a pagar o preço disso.

Se acrescentarmos a isto a política monetária do Banco Central Europeu, que está a fazer grandes estragos nos bolsos das famílias com o único objetivo de beneficiar os bancos, temos a razão da nossa situação económica comparativa:   de acordo com dados recentes do Banco Mundial, entre as grandes regiões em que divide o mundo, a zona euro foi a que registou a taxa de crescimento económico mais baixa em 2023. Não sei se é incompetência, insensatez ou venalidade, mas os líderes da União Europeia deviam olhar para o que estão a fazer; e os cidadãos deviam ter isto em mente nas próximas eleições de junho.

04/Março/2024

[*] Professor da Faculdade de C. Económicas da Universidade de Sevilha.

O original encontra-se em juantorreslopez.com/la-eurozona-es-la-region-del-mundo-con-menor-crecimiento-del-pib-en-2023-tambien-es-culpa-de-putin/

Este artigo encontra-se em resistir.info

07/Mar/24