Os Eunucos Unidos da Europa (1)

– O alargamento

Laura Ruggeri [*]

Ursula.

No final de outubro, a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola ao ser questionada por um jornalista se a UE abriria formalmente as negociações de adesão da Ucrânia e da Moldávia, depois de conceder o estatuto de candidato a estes países em 2022, respondeu: "Se um país olha para a Europa, então a Europa deve escancarar as portas. O alargamento sempre foi o instrumento geopolítico mais forte da União Europeia".

Metsola simplesmente reformulou declarações da presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, e do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, mas a escolha das palavras oferece uma excelente visão sobre os fundamentos ideológicos do expansionismo da UE.

Metsola confunde a Europa e a UE, mas isso não é um deslize de linguagem, Bruxelas tem uma longa tradição de assumir que a UE é igual à Europa e os países que estão fora das suas fronteiras não são verdadeiramente europeus, caso contrário não estariam a "olhar para a Europa". Tornar-se europeu é tornar-se "civilizado", já que fora do "jardim da Europa" as pessoas vivem numa "selva", pelo menos segundo o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell.

A UE, apresentada como a personificação de valores superiores, tem o dever moral de abrir as suas portas e admitir os países infelizes que estão atualmente excluídos deste jardim de delícias e, ao fazê-lo, resgatá-los de algum perigo não especificado. Basicamente, uma variação sobre o tema colonial do salvador branco. Em seguida, Metsola oferece o argumento decisivo a favor do alargamento: é uma ferramenta geopolítica para tornar a UE mais forte.

Se o alargamento torna o bloco mais forte, como afirmam seus proponentes, ou, ao contrário, acelera a sua implosão, divide opiniões há duas décadas. Metsola convenientemente esquece-se de mencionar que sem um acordo unânime as negociações de adesão nem sequer podem ser iniciadas, mas é claro que os eurocratas não deixam que factos atrapalhem boas narrativas.

As metáforas utilizadas por Metsola (a porta) e Borrell (jardim/selva) reforçam a dicotomia espacial dentro/fora que reflete culturalmente a oposição entre valores positivos e negativos, civilização e barbárie. Sem uma esfera externa "caótica", real ou imaginária, a estrutura interna não pareceria ordenada. Postular a existência de uma selva perigosa habitada por bárbaros é essencial para manter a ilusão de ordem e civilidade em seu interior. O problema é que, a cada rodada de alargamento, a entropia do sistema aumenta.

EFEITO CÓMICO SEM PARÓDIA

A história mostrou que quando a expansão imperial é tentada sem as pré-condições necessárias: um exército suficientemente forte e uma economia capaz de sustentá-lo, uma liderança eficaz, uma ideologia que estimula o desejo de império e laços institucionais saudáveis entre o núcleo e a periferia, o resultado é inevitavelmente o excesso, o fracasso e a derrota. Mas não pergunte aos nossos eunucos sobre impérios, especialmente aquele já sobrecarregado que eles servem. Acreditam na sua própria propaganda e estão apostados em “proteger, promover e projetar os valores europeus, defender a democracia e os direitos humanos no interesse do bem comum e público. Promover a estabilidade e a prosperidade no mundo, protegendo uma ordem mundial baseada em regras, é uma condição prévia fundamental para a proteção dos valores da União.” Quando se trata de declarações da UE, a paródia é desnecessária, o original alcança o mesmo efeito cómico.

Se uma maior expansão é boa ou ruim para a UE tornou-se o equivalente moderno da velha discussão bizantina sobre o sexo dos anjos e, embora nenhum acordo possa ser alcançado, o processo estagnou em grande parte após a onda de novos membros em 2004 e a Croácia em 2013. Então, por que razão está no topo da agenda de tantos eurocratas nos últimos dois anos? Principalmente porque os defensores da expansão esperavam poder aproveitar a unidade que a UE reuniu em relação ao conflito na Ucrânia, para impulsionar um projeto imperialista alimentado pelo pensamento mágico de Washington.

A pedra angular deste projeto era a captura total da Ucrânia, cujo exército treinado pela NATO deveria ter desferido um golpe decisivo na Rússia. Como se sabe as coisas não vão como planeado e essa unidade de propósitos agora parece tão precária quanto o futuro da Ucrânia.

À Ucrânia fora prometido o estatuto de candidato à UE durante anos e acabou por recebê-lo em troca de um sacrifício de sangue. Obviamente, não se qualifica para a adesão, e pela perspetiva de se sentar numa sala de espera já lotada com outros candidatos, na realidade não vale a pena morrer. Bruxelas tem de primeiro encontrar e depois pendurar uma cenoura mais apelativa numa altura em que as sondagens mostram que o apoio à Ucrânia está a diminuir.

'O inferno', tríptico de Bosch.

Depois de sair em defesa da "ordem baseada em regras" dos EUA, a UE tem um saco cheio de nada, uma economia enfraquecida, e o jardim de delícias terrenas de Borrell assemelhando-se cada vez mais ao painel escuro do famoso tríptico de Bosch.

Pode pensar-se que discutir o alargamento da UE enquanto o bloco enfrenta grandes crises que testam o seu stresse até ao ponto de rutura revela insanidade. Na verdade, alguns comentaristas já traçaram paralelos entre a liderança da UE e Nero tocando enquanto Roma ardia. Mas Nero fez outra coisa além de tocar, ele culpou os cristãos pelo incêndio.

Oferecer um inimigo, de dentro ou de fora, é uma tática testada para esmagar a dissidência e consolidar o poder. Foi exatamente isso que a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, tentou numa recente conferência em Berlim dedicada ao alargamento da UE. Ela disse a 17 ministros das Relações Exteriores da UE e de países candidatos, incluindo o ucraniano Dmytro Kuleba, que a UE deve expandir-se para evitar tornar todos vulneráveis: "Putin continuará tentando dividir não apenas a Ucrânia de nós, mas também a Moldávia, a Geórgia e os Balcãs Ocidentais. Se estes países podem ser permanentemente desestabilizados pela Rússia, isso também nos torna vulneráveis. Não podemos continuar a permitir zonas cinzentas na Europa".

O que aconteceu com as promessas de crescimento económico, investimentos e acesso a um mercado rico? Dado que soam bem ocas em 2023, Baerbock invoca o bicho-papão. Foi-se toda a pretensão da UE e a NATO prosseguirem estratégias diferentes. Com a porta da NATO fechada para a Ucrânia e Washington mudando seu foco para o Médio Oriente e a Ásia-Pacífico, o ónus de apoiar a Ucrânia "para defender a Europa" foi despejado sobre a UE.

Pintar a Rússia como uma ameaça tem sido usado há muito tempo pelos EUA para manter a NATO viva, sendo nos anos mais recentes explorado para unificar a política externa e de defesa dos Estados da UE. Washington promoveu uma consolidação vertical do poder na UE, a fim de despachar para Bruxelas algumas das funções policiais e punitivas que permitem a sua acumulação global de capital e sustentam a sua hegemonia.

VASSALO COLETIVO

De acordo com seus cálculos, lidar com um vassalo coletivo, a UE, seria mais fácil do que administrar vários vassalos europeus em disputa e concorrentes. Esta estratégia reflete a fraca compreensão que Washington tem da história e da complexidade da Europa e, por isso, é improvável que produza os resultados desejados, especialmente porque os interesses europeus foram sacrificados no altar dos americanos. Depois de desviar riqueza dos países da UE e restringir a sua margem de manobra, o bolo encolheu e é natural que a disputa para conseguir uma fatia se intensifique. Saquear e canibalizar seus aliados não é exatamente uma jogada inteligente, cheira a desespero e é um sinal claro de que os EUA estão financeira e militarmente sobrecarregados.

O declínio económico e industrial nos países da UE parece agora incontrolável. Não poderia ser de outra forma quando se está preso num relacionamento abusivo e explorador que lhe nega a liberdade de escolher seus amigos e parceiros de negócios.

O centro de gravidade económico e geopolítico moveu-se para leste, a ordem mundial unipolar que emergiu na década de 1990 está a desfazer-se e uma nova ordem multipolar toma forma diante de nossos olhos. Em vez de seguir o caminho pragmático da integração euro-asiática e reforçar os laços económicos mutuamente benéficos com a China e a Rússia, a UE embarcou numa missão suicida, pelos seus administradores em Washington, na tentativa condenada ao fracasso de enfraquecer a Rússia e conter a China.

Durante anos a UE foi autorizada a beneficiar do impulso de globalização liderado pelos EUA. Desenvolveu relações comerciais e cooperação multilateral com os países vizinhos e o resto do mundo. Os EUA, em vez de aceitarem a emergência de uma nova realidade multipolar, optaram por reverter a globalização e dividir o mundo em dois blocos, enquadrando a competição como um confronto ideológico entre democracia e autocracia. O protecionismo comercial aumentou, os investimentos internacionais foram submetidos a um maior escrutínio por motivos de segurança nacional, as restrições ao fluxo de dados proliferaram, as sanções tornaram-se a norma.

Depois de condenados à irrelevância geopolítica, os países europeus são chamados a pagar a conta das ambições imperiais dos EUA e fornecer assistência militar. Um relatório publicado pela corporação RAND em novembro reconheceu que a estratégia e a postura de defesa dos EUA se tornaram insolventes e recomendou uma abordagem diferente:

"As tarefas que o governo dos Estados Unidos e seus cidadãos esperam que suas forças militares e outros elementos do poder nacional façam internacionalmente excedem em muito os meios disponíveis para realizar essas tarefas. Os Estados Unidos não podem e não devem, por si só, tentar desenvolver os conceitos, posturas e capacidades operacionais necessários para realizar essa nova abordagem para derrotar a agressão. O imperativo para a participação de aliados e parceiros é mais do que apenas gerar os recursos necessários para uma defesa combinada credível. Como a dissuasão é mais do que poder militar bruto, a solidariedade entre as principais nações governadas democraticamente é necessária também nas dimensões diplomática e económica. E uma cooperação mais estreita e interdependência na arena de defesa terá efeitos colaterais benéficos em outras áreas, ajudando a facilitar a ação coordenada para enfrentar desafios comuns".

Para melhor ajudar a hegemonia moribunda, a UE está a ser instruída a alargar-se e reformar-se. Na verdade, a reforma é considerada ainda mais urgente que o alargamento porque os EUA temem que a capacidade da UE para realizar a tarefa prescrita possa ser prejudicada por um punhado de países que exercem o seu poder de veto. No centro da conversa está a regra da unanimidade da UE, o que significa que todos os países devem concordar antes que o bloco possa tomar uma decisão sobre questões como política externa, assistência à Ucrânia ou regras fiscais.

Não é por acaso que os argumentos mais ruidosos a favor do alargamento da UE e do voto por maioria em vez da unanimidade ouvem-se nos círculos atlantistas. Washington precisa fortalecer o controlo sobre as políticas externa e de segurança da Europa e é por isso que intensificou a pressão sobre a França e a Alemanha, bem como outros países europeus que resistem à perspetiva de Ucrânia, Moldávia e Estados dos Balcãs Ocidentais se juntarem ao clube no futuro.

O tipo de UE com que Paris e Berlim sonhavam há 30 anos, com os países Bálticos e da Europa Oriental a fornecerem terras e mão-de-obra barata e novos mercados inexplorados para suas empresas – o Lebensraum (“espaço vital” nazi) – ideal para europeus ocidentais ambiciosos e empreendedores. Esse cenário neocolonial seria auxiliado pelo imperialismo cultural e facilitado pela proximidade geográfica.

Na euforia pós-Guerra Fria a dupla franco-alemã não prestou atenção ao “Convidado de Pedra”: a expansão da NATO estava a avançar a um ritmo muito mais rápido do que o alargamento da UE. Apesar da dissolução da União Soviética e do Pacto de Varsóvia, a NATO não foi dissolvida, a missão de "manter os russos fora, os americanos dentro e os alemães para baixo" recebeu um novo impulso depois da NATO receber Estados cujas novas elites políticas foram preparadas exatamente para essa missão.

Os americanos não só dariam cartas mais elevadas, como poderiam contar com mais aliados para o fazer. À medida que novos Estados-Membros aderiram à UE, o seu sentimento anti-russo também começou a desempenhar um papel desproporcionado na formação das relações da UE com a Rússia. De facto, a russofobia foi ativamente cultivada nos Estados pós-soviéticos para sustentar identidades nacionais frágeis e, em alguns casos, totalmente artificiais, e dar legitimidade a novos governantes.

Para unir novos e antigos membros e atrair mais candidatos, a UE transformou problemas políticos em problemas tecnocráticos, baseou-se em procedimentos legais e atribuiu ou retirou recursos financeiros para impor a sua "visão", tornou-se um emissor de ideias e um "professor global" dos princípios neoliberais, dos "valores" ocidentais e das normas da UE.

Para esconder sua natureza antidemocrática e legitimar um aparelho burocrático invasivo completamente desvinculado da sociedade em geral, a UE transformou-se numa gigantesca máquina de relações públicas que drenou recursos para projetar autoridade moral e manter as aparências.

Na falta de legitimidade democrática, a UE teve de investir recursos consideráveis na criação de um simulacro de democracia. Inventando uma “missão civilizadora" empreendida com zelo missionário. Para criar os novos "demos europeus", as identidades nacionais, culturais e religiosas tiveram que ser diluídas primeiro (ou artificialmente exacerbadas onde serviam uma função anti-russa), desde o jardim de infância e depois através de eufemismos fornecidos por entidades como o Fórum Económico Mundial e a Open Society Foundation pela via da engenharia social para a civilização!

Deve-se ter em mente que a UE não é um ator geopolítico independente, nem uma "potência geopolítica", independentemente do que Borrell ou von der Leyen digam. A UE foi criada para drenar o poder dos Estados-membros, corroer sua soberania, para que eles nunca se tornem um desafio aos interesses e ao poder dos EUA. Como resultado, a UE não é maior do que a soma de suas partes, é o equivalente geopolítico de um buraco negro. Sua arquitetura institucional, uma intrincada rede de lojas falantes, é tão alucinante que Henry Kissinger, quando era secretário de Estado dos EUA, brincou: "Para quem ligo se quiser ligar para a Europa?"

Não sendo uma organização internacional nem um Estado-nação, a UE pode ser descrita como uma política supranacional artificial. Isso assume a forma de numerosas redes mutuamente penetrantes de interconexões sociais, económicas, políticas, ideológicas, que incluem, em diferentes níveis e estágios, mecanismos supranacionais, governos nacionais, administrações regionais, corporações multinacionais e grupos de interesse cujo alcance é internacional.

Por isso, quando falamos da UE, devemos lembrar-nos de que é gerida como um clube privado para um conjunto de empresas transatlânticas e elites financeiras. Os seus lóbis e fazedores de opinião controlam os conhecimentos e a informação que moldam a opinião pública e sobre os quais os figurões atuam – os líderes da UE são invariavelmente políticos falhados e medíocres, cujas carreiras políticas foram promovidas pelos mesmos lóbis que os possuem e ditam a sua agenda.

À medida que essas elites transatlânticas se envolvem numa luta global para manter e aumentar o seu poder, apreender e controlar recursos, de dados digitais a recursos naturais, elas formam cartéis quando seus interesses coincidem, ou competem por influência política quando seus interesses divergem. As "guerras culturais" que tornaram o debate racional praticamente impossível no ocidente são muitas vezes alimentadas por essas elites, pois elas têm os meios para mobilizar recursos políticos – pessoas, votos e partidos – em torno de certas posições e questões culturais.

(continua)

27/Novembro/2023

[*] Nascida em Milão, mudou-se para Hong Kong em 1997. Ex-académica, tem investigado nos últimos anos revoluções coloridas e guerras híbridas.

O original encontra-se em informationclearinghouse.blog/2023/11/27/the-united-eunuchs-of-europe/

Este artigo encontra-se em resistir.info

02/Dez/23