Qual é a estratégia realista para a "desdolarização"?

John Ross [*]

Reservas globais, 1999-2023.
Nota introdutória
1. As questões fundamentais da "desdolarização" não são técnicas mas económicas
2. A diferença está no que é prático e porquê – e não no que é desejável
3. A moeda deve ser um equivalente universal
4. Em consequência, os países não quererão deter moedas que não possam ser transaccionadas internacionalmente
5. Porque a maior parte das tentativas de criação de blocos monetários regionais não será bem sucedida
6. Porque é que não haverá uma "moeda dos BRICS"?
7. Confusão sobre a utilização de "moedas nacionais" no comércio bilateral
8. As moedas não mantêm taxas de câmbio estáveis
9. A lei do preço único
10. Só pode haver um padrão de preços
11. As condições de transição de um padrão de preços para outro
12. A vantagem de deter reservas estrangeiras na unidade de preço universal
13. Os riscos negativos e os custos da desdolarização
14. A posição da China
15. Qual é o balanço dos benefícios e dos custos?
16. Não confundir economia com política – a questão de evitar sanções
17. Os fracassos da desdolarização desacreditarão as forças progressistas se estas a apresentarem como estratégia
18. A política económica
19. Conclusão
20. Resumo

Nota introdutória

Atualmente, discute-se muito a questão de evitar a utilização do dólar americano nas transacções internacionais, de alternativas ao dólar como ativo de reserva de divisas, etc. Por vezes, esta questão é popularmente designada por "desdolarização" – embora, por razões que discutiremos adiante, esta seja uma terminologia confusa.

A razão pela qual esta discussão se desenvolveu, e continuará a aprofundar-se, é óbvia. Durante muitas décadas os EUA utilizaram sanções económicas unilaterais contra países como Cuba. Nos últimos tempos, os EUA alargaram muito o leque de países contra os quais tais sanções são utilizadas – por exemplo, a Venezuela, o Irão, a Rússia e outros. Mesmo a revista The Economist, supinamente pró-EUA, estima que os Estados Unidos quadruplicaram o uso de sanções desde a década de 1990.

Além disso, os EUA aprofundaram progressivamente a escala destes ataques económicos, aumentando o número de países impedidos de utilizar o sistema de pagamentos internacionais SWIFT, confiscando centenas de milhares de milhões de dólares das reservas cambiais da Rússia, etc. Nos próximos tempos, os EUA irão alargar estas acções, porque em condições de concorrência pacífica "normal", estão condenados a perder economicamente para a China socialista (as razões para isto foram analisadas no recente artigo da MR Online "U.S. dooms itself to defeat in peaceful competition with China"). Portanto, para tentar preservar a sua hegemonia, os Estados Unidos sentir-se-ão cada vez mais tentados a destruir a estrutura existente da economia mundial – incluindo o sistema de pagamentos internacionais que funciona na generalidade. A preparação de alternativas ao sistema do dólar é portanto da maior importância, não só analítica mas ainda mais do ponto de vista prático.

Por isso, não deve haver a menor subestimação do que está em causa. O dólar americano é um dos seus sistemas mais poderosos e opressivos. A sua utilização para ajudar a impor outras sanções económicas unilaterais dos EUA é responsável pela morte de milhões, mais precisamente dezenas de milhões, de pessoas nas suas consequências directas e indirectas.

O sistema internacional do dólar americano também é utilizado para obter recursos económicos do resto do mundo – os EUA extraem diretamente cerca de um milhão de milhões (trillion) de dólares por ano de outros países, os quais poderiam ter sido utilizados para o seu próprio desenvolvimento, a fim de financiar a sua própria economia. Uma grande parte deste valor é extraído devido ao papel do dólar no sistema internacional.

O sistema do dólar americano é utilizado como uma arma fundamental para intimidar países a adotarem políticas económicas erradas, bem como uma arma direta contra numerosos países do Sul Global.

O sistema do dólar americano é agora cada vez mais utilizado para atacar países importantes, já a Rússia numa escala muito grande, e potencialmente contra a China.

Assim, o sistema do dólar é uma questão política e económica. Os países, para salvaguardarem o seu próprio desenvolvimento, devem portanto encarar a destruição do sistema do dólar como uma questão política estratégica e, ao tomarem decisões sobre a desdolarização, devem incluir este aspecto político, para além dos aspectos puramente económicos.

A conclusão, portanto, é simples. A destruição do sistema internacional do dólar americano é um objetivo estratégico fundamental das forças progressistas – isto é, dos países que procuram um caminho independente de desenvolvimento económico e dos socialistas. Nenhuma ordem económica global progressista estável pode ser estabelecida sem a destruição final do sistema do dólar americano.

Mas precisamente por ser uma questão tão fundamental, e uma arma extremamente poderosa dos EUA, a forma de lidar com o sistema internacional do dólar deve ser abordada com extrema seriedade e objetividade, porque quaisquer erros serão impiedosamente punidos.

Assim, dada a importância desta questão, é de lamentar que uma parte da discussão internacional sobre a "desdolarização" seja confusa e, lamentavelmente, irrealista, pois não distingue claramente duas questões diferentes.

1. As questões fundamentais da "desdolarização" não são técnicas mas económicas

A razão fundamental para a confusão reside no facto de a "desdolarização" ser por vezes erradamente encarada como uma questão técnica – evitar os sistemas de pagamentos controlados pelos EUA, como o SWIFT, criar a tecnologia para sistemas alternativos a este, etc. Ou, para ser mais preciso, o que é apresentado como problemas/questões técnicas são, na realidade, questões fundamentais de um sistema económico. Paralelamente, outra parte deste debate apresenta alternativas como o "pagamento em moeda nacional" como uma espécie de alternativa relativamente simples. Mas tais concepções são erradas e, por conseguinte, levarão a conclusões erróneas quanto ao que pode ser alcançado na prática.

É certo que há questões técnicas específicas do sistema de pagamentos internacionais, etc, que devem ser abordadas. Mas as questões mais poderosas e importantes envolvidas em qualquer discussão sobre a "desdolarização" não são, de longe, essencialmente técnicas, mas sim económicas. Mais precisamente, são as consequências inevitáveis que decorrem das questões mais fundamentais de um sistema monetário e que, por conseguinte, envolvem algumas das mais poderosas forças económicas mundiais. Estas forças económicas fundamentais, e as consequências que delas decorrem, determinam portanto o que é e o que não é praticamente possível na atual situação mundial nos próximos tempos.

Deve ficar claro que esta situação objetiva existe independentemente do facto de os Estados Unidos retirarem grandes e injustificáveis vantagens do papel do dólar no sistema internacional e de, em princípio, a sua substituição ser altamente desejável. Mas em assuntos sérios, como se disse, entre os quais a "desdolarização" é certamente um deles, é necessário separar rigorosamente o que é desejável em princípio, e que se verificará a longo prazo, do que é prático no período que se avizinha.

Porque esta questão é extremamente importante, e porque existe alguma confusão entre forças que têm certamente intenções boas e progressistas, este artigo examina sistematicamente as questões fundamentais do funcionamento de um sistema monetário que não pode ser evitado – e as suas consequências práticas.

2. A diferença está no que é prático e porquê – e não no que é desejável

Em primeiro lugar, deve ficar claro que não há divergências quanto ao objetivo ou ao que é desejável – ou seja, eliminar o papel internacional do dólar. A diferença é sobre o que é praticamente possível e em que prazo e, portanto, qual o papel que a "desdolarização" pode desempenhar na estratégia.

Para clarificar o que está em causa, pode fazer-se uma comparação simples com a posição marxista clássica de que é necessário "destruir o aparelho de Estado burguês" – cujo centro são corpos armados de pessoas. Isto é inteiramente correto como objetivo estratégico de uma revolução socialista – é confirmado pela Revolução Russa de 1917, pela guerra civil durante a revolução chinesa, em Cuba e noutras revoluções. Mas se esta afirmação estratégica inteiramente correcta for tomada como um guia tático imediato – interpretada como uma sugestão para lançar imediatamente ataques militares contra o exército, para assaltar esquadras de polícia, etc – conduzirá a graves derrotas e perdas.

Ou, para usar uma analogia mais desenvolvida, considere-se a estratégia da revolução chinesa de 1927 até ao fim da Segunda Guerra Mundial. Nesse período, o PCC/PLA, dirigido por Mao Tse Tung, propôs-se construir sistematicamente áreas de base na luta contra, primeiro, o Kuomintang (KMT) e, depois, os imperialistas japoneses – o raciocínio subjacente a esta estratégia foi exposto de forma mais sistemática na famosa obra de Mao "Sobre a Guerra Prolongada". No entanto, no quadro desta estratégia, Mao Zedong opôs-se repetida e firmemente a que o EPL iniciasse confrontos centralizados com o KMT ou com as forças japonesas – nas ocasiões em que Mao Zedong foi ultrapassado e tais confrontos militares centralizados ocorreram, mais notoriamente no período que conduziu à Conferência de Zunyi em 1935, terminaram invariavelmente em derrotas do PCC/EPL, com a prova da correção da sua estratégia a conduzir então à restauração da liderança de Mao Zedong. Em 1945/46, seguindo esta estratégia, depois de ter derrubado o KMT e os japoneses em numerosas lutas descentralizadas, o ELP havia aumentado para mais de um milhão de efectivos, controlando uma área com uma população de cerca de cem milhões de pessoas. Só em 1947/48 é que Mao Zedong muda de estratégia e lança numerosas ofensivas de grande envergadura contra o KMT.

O raciocínio para esta estratégia de construção de áreas de base, evitando iniciar confrontos centralizados com o KMT/exército imperialista japonês, foi exposto em "Sobre a Guerra Prolongada". As forças japonesas, e antes as do KMT, eram fortes. Se o PCC/PLA lançasse ofensivas centrais contra o KMT ou os japoneses, estas seriam (e foram) derrotadas. O PCC/PLA deveria, por isso, evitar iniciar ataques/confrontos centrais e construir as suas bases, só passando a iniciar confrontos centrais quando as suas próprias forças e bases estivessem muito reforçadas e o inimigo muito enfraquecido, inclusive por repetidas derrotas locais.

As forças que tiraram da conclusão correcta da necessidade de combater o KMT/imperialistas japoneses a opinião de que deveria ser lançada uma ofensiva militar centralizada contra eles podem muito bem ter tido boas intenções. Mas foi Mao Zedong quem fez a análise realista da situação. A sua estratégia de construir bases e evitar iniciar um ataque centralizado contra o KMT/imperialistas japoneses, escusado será dizer, não representava a capitulação de Mao Zedong/do PCC perante estas forças inimigas, mas sim uma visão realista da força do inimigo e da estratégia que daí decorria.

No caso atual de análises erradas da desdolarização, os resultados prejudiciais de uma política errada seriam:

A conclusão prática que daí decorre pode ser resumida da seguinte forma. Deveria haver tanta desdolarização quanto possível:   mas, na prática, nos próximos tempos, essa desdolarização será limitada e, durante um período significativo, digamos, no mínimo, nos próximos 10-15 anos, provavelmente muito mais tempo, o dólar será a moeda internacional dominante – ou seja, o sistema económico global não se desdolarizará, nem a maioria dos blocos económicos regionais.

As razões para este facto são abordadas mais adiante. Neste artigo, serão abordadas primeiro as questões práticas primárias, porque são as mais fáceis de compreender e mais imediatas, e depois as questões mais fundamentais da economia (tal como analisadas por Marx). No entanto, deve ser claramente entendido que isto é apenas por razões de exposição. Na realidade, os processos económicos mais fundamentais determinam as questões práticas imediatas.

3. A moeda deve ser um equivalente universal

O ponto de partida é que deve ficar claro o que é o dinheiro. O dinheiro, em termos marxistas ou outros, deve ser um "equivalente universal", ou seja, deve poder ser utilizado para comprar todos (ou quase todos) os bens. Esse equivalente universal é necessário porque, se não existir, a troca terá de ser feita através de diferentes sistemas de troca direta, o que tornaria totalmente impossível o funcionamento eficiente de um sistema económico.

4. Em consequência, os países não desejarão deter moedas que não possam ser transaccionadas internacionalmente

Este facto de a moeda ter de ser um equivalente universal significa imediatamente que os países não desejarão deter moedas que não possam ser transaccionadas internacionalmente – o que significa que tais posses só podem ser utilizadas para comprar bens ao país que emitiu a moeda ou a um pequeno número de Estados dispostos a aceitá-la como pagamento. Qualquer coisa que só possa ser utilizada para comprar bens a um, ou a um pequeno grupo de países, não é um equivalente universal – ou seja, não pode desempenhar o papel de moeda num sistema de pagamentos universal e internacional.

5. Porque a maior parte das tentativas de criação de blocos monetários regionais não será bem sucedida

Este facto de a moeda ter de ser um equivalente universal afecta a criação de propostas de blocos monetários, como o SUCRE, promovido em tempos na América Latina, a proposta apresentada por algumas pessoas para uma moeda dos BRICS, etc. Mesmo que fossem aceites por todos os membros do bloco, não seriam aceites por outros Estados, pelo que não são um equivalente universal.

A razão pela qual uma moeda regional, o euro, funciona é porque os países membros se encontram em níveis comparáveis de desenvolvimento económico e constituem uma parte tão grande da economia mundial que todos os países desejam comprar-lhes bens. O mesmo não se aplica a qualquer outro bloco monetário regional proposto.

6. Porque é que não haverá uma "moeda dos BRICS"?

A maior das alternativas por vezes propostas para a "desdolarização" é uma "moeda dos BRICS". Por conseguinte, é necessário esclarecer por que razão não existirá uma "moeda dos BRICS" – ou, para ser mais preciso, se fosse criada uma moeda dos BRICS, esta seria profundamente prejudicial e, portanto, não será criada. Isto decorre inevitavelmente do carácter de qualquer área económica muito grande.

Qualquer região económica muito grande – como os BRICS, a UE, os EUA ou a China – terá inevitavelmente níveis e taxas de crescimento da produtividade muito diferentes. Essas diferentes taxas de crescimento da produtividade refletir-se-ão necessariamente em diferentes taxas de crescimento da competitividade e em diferentes movimentos de preços. Em regiões sem uma moeda única, as consequências destas mudanças relativas na produtividade podem ser mediadas através de alterações nas taxas de câmbio, mas numa região com uma moeda única isso, por definição, não pode acontecer. Em vez disso, os desníveis resultantes são superados – em vez de desvalorizações/revalorizações da moeda – por uma combinação de:   (i) alterações nos preços nominais relativos entre regiões – por exemplo, os salários diminuem relativamente nas regiões com baixo crescimento da produtividade em comparação com as regiões com elevado crescimento da produtividade; (ii) transferências orçamentais das regiões de elevada produtividade para as de baixa produtividade e de baixo crescimento da produtividade.

Mesmo em países com Estados fortemente centralizados e, por conseguinte, com grande capacidade para efetuar transferências orçamentais regionais, como os EUA ou a China, podem desenvolver-se desigualdades/pressões regionais significativas no interior do Estado/região da moeda única (por exemplo, a posição a longo prazo dos "Estados do Sul" dos EUA em relação aos "Estados do Norte", as diferenças bem conhecidas entre as regiões costeiras e interiores da China, etc). Em regiões monetárias com transferências orçamentais comparativamente baixas, como a zona euro, estes desníveis tornaram-se extremamente poderosos – a pressão ultra deflacionária exercida sobre a Grécia durante a "eurocrise" pós-2008 é o exemplo mais conhecido.

Mas nos BRICS não existe qualquer orçamento redistributivo central – ninguém propõe seriamente transferências orçamentais significativas da Índia para o Brasil, do Brasil para a China, do Brasil para a África do Sul, etc. Se houvesse uma moeda única nos BRICS, portanto, como os movimentos das taxas de câmbio estariam excluídos, o único mecanismo de ajustamento seria a variação dos preços nominais. Para manter a concorrência com os elevados aumentos de produtividade numa região monetária dos BRICS, como a China, as zonas de menor aumento de produtividade, como o Brasil ou a África do Sul, teriam, portanto, de ajustar continuamente para baixo os seus preços nominais relativos – sobretudo os salários. Em suma, a entrada numa unidade monetária única nos BRICS criaria uma enorme pressão deflacionista, pelo menos no Brasil e na África do Sul e, a mais longo prazo, na Rússia e na Índia, em comparação com a China. Isto seria altamente indesejável se fosse efetivamente possível. Mas a realidade é que estas consequências negativas são tão fortes, e tão indesejáveis, que uma "moeda dos BRICS" não chegará a existir.

Algumas conversas sobre uma "moeda dos BRICS" tentam evitar esta questão dizendo "claro" que o que se propõe não é uma moeda única, portanto com uma taxa de câmbio única e imutável, mas algum tipo de mecanismos de pagamentos não-SWIFT ou uma unidade monetária virtual dentro da qual não haveria taxas de câmbio fixas. Isto seria fortemente desejável, embora a Índia possa muito bem querer sabotá-lo, mas é um "sistema de pagamentos BRICS" – não é certamente uma "moeda BRICS", e só confusão e ilusões são causadas por não chamar algo pelo seu nome correto. Entre os Estados que enfrentam a atualidade ou a ameaça de sanções dos EUA, o que inclui certamente a Rússia e a China, o desenvolvimento de um tal sistema de pagamentos é uma grande prioridade. Mas trata-se de um sistema de pagamentos e não de uma divisa.

7. Confusão sobre a utilização de "moedas nacionais" no comércio bilateral

O facto de a moeda dever ser um equivalente universal determina também as questões do comércio e do investimento bilaterais e torna claro por que razão o "comércio em moedas nacionais" não constitui uma panaceia ou uma alternativa geral à desdolarização, como é por vezes apresentado.

Se os saldos comerciais e de investimento fossem absolutamente iguais entre dois países, é claro que não haveria problemas – eles simplesmente comprariam quantidades exatamente equivalentes dos bens um do outro nas duas moedas. Mas, na prática, esse equilíbrio perfeito quase nunca ocorre – no comércio e investimento bilaterais, um país tenderá a registar um excedente e o outro um défice. Se uma moeda não puder ser transaccionada universalmente a nível internacional, então, no caso de o comércio e o investimento não estarem equilibrados, isso significa que um dos países envolvidos no comércio é forçado a aceitar uma moeda para os seus bens que, na prática, não tem qualquer valor, uma vez que não pode ser utilizada noutro local. Isto significa, de facto, que um país está a subsidiar o outro.

A subvenção de outro país pode ser decidida por razões políticas, mas isso deve ser claramente entendido como uma escolha política e não ser apresentado como um sistema puramente económico. Normalmente, existem limites práticos ou políticos severos para o grau de subvenção de um país a outro – incluindo subsídios ocultos sob a forma de acumulação de divisas que não pode utilizar.

8. As moedas não mantêm taxas de câmbio estáveis

Mesmo nos casos em que uma moeda pode ser universalmente transacionada contra outras moedas, a maioria das moedas não mantém taxas de câmbio estáveis. Isto significa que, embora se possa falar da utilização de "moedas locais", na prática não se trata realmente de uma relação "bilateral", no sentido em que ambas as moedas são equivalentes – é necessário saber qual das moedas dos países será utilizada.

Se um país é forçado a aceitar uma moeda que se está a desvalorizar, isso significa que está a aceitar uma perda nas transacções. É por esta razão que muitos dos chamados acordos de comércio em "moedas locais" não o são de facto. São acordos formais ou práticos para utilizar uma das moedas do país – a do país que tem a moeda mais forte. Assim, por exemplo, o anterior acordo entre a Argentina e a China não era para o comércio em "moedas locais" – isto é, para utilizar tanto a moeda forte e estável, o RMB, como a moeda em forte desvalorização, o peso argentino – mas era um acordo para o comércio em RMB. Se a China fosse forçada a aceitar o pagamento em pesos argentinos em rápida desvalorização, estaria de facto a perder nas transações e a subsidiar a Argentina. Isto aplica-se a todos os casos em que as "moedas comuns" não têm taxas de câmbio estáveis – que é o caso da maioria das moedas.

Uma alternativa nas relações bilaterais é a utilização da moeda de um país terceiro – por exemplo, a Rússia terá dito à Índia que não queria continuar a acumular a rupia indiana (em desvalorização), mas que queria ser paga pelo petróleo em RMB. Mas isso não é uma utilização de moedas comuns, é apenas a escolha de outra moeda externa que não o dólar.

9. A lei do preço único

Voltando às questões mais fundamentais, o funcionamento do sistema monetário, e da sua unidade monetária, é determinado pelo facto de um sistema económico em que se realizam trocas não poder funcionar sem um único padrão de preços – ou, para ser mais preciso, a "lei do preço único" económica funcionará para garantir que existe apenas um único padrão de preços. A razão para tal é que, se existir mais do que um preço num sistema, as transações de arbitragem eliminarão a diferença – porque, se houver mais do que um preço, é lucrativo vender o bem de preço elevado, forçando a descida do seu preço, para comprar o bem idêntico de preço baixo, forçando assim a subida do seu preço, até que os dois preços se tornem iguais.

A única forma de evitar esta situação é criar uma situação em que os bens não possam ser comprados e vendidos – isto é, através de várias formas de autarquia económica parcial ou quase completa. Este sistema existiu, em certa medida, durante o período das economias autárquicas/semi-autárquicas dos anos 30 – no entanto, foi um produto da maior crise da história da economia capitalista mundial e ajudou a mantê-la, não podendo ser a base de um sistema económico internacional produtivo que funcione corretamente.

10. Só pode haver um padrão de preços

Como só pode haver um preço no sistema, só pode haver uma unidade de medida. Ou, para tornar este ponto um pouco mais claro, se forem cotados outros preços, estes devem ser simplesmente uma expressão desta unidade fundamental de preço único. Assim, por exemplo, a taxa de câmbio entre o dólar e o RMB chinês no momento em que escrevo é de 1 dólar = 7,24 RMB. Se um bem custa 1 dólar ou 7,24 RMB, isso não significa que tenha dois preços, significa simplesmente que tem um preço único.

11. As condições de transição de um padrão de preços para outro

Como só pode haver um padrão de preços em qualquer sistema económico funcional, a transição de um padrão de preços para outro não pode ocorrer gradualmente, ou de forma mista, mas deve ocorrer de forma brusca e, portanto, completamente num período de tempo muito curto.

Por esta razão, só existiram dois sistemas de preços internacionais nos últimos 200 anos:   o padrão-ouro, desde a sua introdução oficial em 1816 até 1931, e o padrão-dólar, a partir de 1945. O período entre os dois, a Grande Depressão, foi o maior período de crise e caos na história do capitalismo – a Segunda Guerra Mundial transferiu definitivamente o padrão de preços do ouro/libra para o dólar, reflectindo a reorganização de toda a economia global.

Por esta razão fundamental de que tem de haver um único padrão de preços para que um sistema económico de mercado funcione, todas as tentativas de introduzir gradualmente novos padrões de preços através de meios como um "cabaz de moedas", etc não funcionarão – as propostas teóricas periódicas para os introduzir nunca tiveram, nem terão, qualquer aceitação significativa. Depois do dólar, só poderia haver uma transição para um novo padrão de preços único, e não uma mistura de sistemas. Como isso exigirá uma imensa mudança económica, há uma grande inércia na manutenção do sistema do dólar e o dólar não pode ser e não será substituído até que haja um novo padrão de preço único.

Também não haverá simplesmente um acordo legal, verbal ou qualquer outra forma de "acordo", que não seja apoiado pela capacidade produtiva real, para introduzir um novo padrão de preços internacional importante – os "acordos" são demasiado frágeis para o funcionamento de algo tão poderoso como o sistema monetário internacional!   O ouro podia funcionar como unidade monetária internacional porque tinha um preço de produção (elevado) – Marx, por exemplo, dedicou centenas de páginas a analisar este facto. O dólar podia funcionar como unidade monetária internacional porque os países desejavam comprar produtos aos EUA. É, portanto, um equívoco referir-se ao dólar como mera "moeda fiduciária" (fiat money), porque tecnicamente, em teoria, a Reserva Federal podia emitir qualquer número de dólares. Embora o dólar já não esteja ligado ao ouro, o verdadeiro suporte do dólar é o poder produtivo da economia dos EUA e a vontade dos países de comprar os seus produtos. Um "acordo", em contraste com a realidade da economia americana, não produz nada e, na prática, os países não se apoiarão nele para o seu funcionamento monetário internacional.

Em princípio, o RMB, por ser uma unidade monetária única, com o apoio da economia produtiva da China, poderia desempenhar o papel de âncora de um tal sistema, mas na prática, na situação atual, não pode:

12. A vantagem de deter reservas estrangeiras na unidade de preço universal

Dado que, na realidade, só pode existir um único padrão de preços, existem vantagens consideráveis em deter reservas de divisas nesta unidade de preços. A razão para tal é que, por definição, elimina qualquer possibilidade de perdas através da desvalorização de quaisquer outras moedas que possam ser detidas em vez da unidade de preço fundamental. (Também elimina qualquer possibilidade de ganhos com a reavaliação de outras moedas em relação à unidade de preço padrão, mas isso seria considerado como uma tentativa de ganhar com a especulação cambial – que não é o objetivo fundamental ou chave das reservas cambiais). Além disso, esta vantagem de estabilidade e previsibilidade cria uma forte procura da moeda da unidade de preço única – exercendo, portanto, uma pressão ascendente sobre ela e tornando-a uma moeda forte (ou seja, estável ou em valorização). De facto, seria impossível que uma moeda que não fosse forte, mas que se desvalorizasse rapidamente em relação a outras moedas, funcionasse como padrão universal de preços.

13. Os riscos negativos e os custos da desdolarização

Em consequência dos factos acima referidos, os países/empresas/instituições que procedem à desdolarização incorrem necessariamente nos seguintes custos/riscos.

Em suma, os países/empresas/instituições que se empenham na desdolarização sofrem, ou correm o risco de sofrer, custos e riscos significativos. Em contrapartida, não existem ganhos imediatos equivalentes com o abandono do dólar. Por conseguinte, a grande maioria dos países/empresas/instituições não desdolarizarão a menos que sejam forçados a fazê-lo.

14. A posição da China

Mas, igualmente, a tentativa dos EUA de excluir do sistema internacional do dólar a maior nação comercial de bens do mundo, a China, seria profundamente perturbadora para toda a economia global e para um grande número de outros países. Por conseguinte, enquanto a retirada voluntária de um país do sistema do dólar lhe traria desvantagens definitivas e nenhuma vantagem significativa, pelo que não seria apoiada, uma tentativa dos EUA de excluir um país como a China do sistema internacional do dólar seria prejudicial para um grande número de outros países, pelo que estes se oporiam.

Os Estados Unidos sentir-se-ão certamente cada vez mais tentados a tentar excluir a China do sistema internacional do dólar, a fim de manter a sua hegemonia, porque os Estados Unidos continuarão a perder para a China numa competição económica pacífica. Mas os EUA enfrentariam uma forte oposição e seriam prejudicados ao tentarem fazê-lo, uma vez que a China não é uma parte periférica da economia internacional, mas sim a maior nação comercial de bens do mundo. Por conseguinte, a possibilidade de os EUA levarem a cabo um tal ataque dependerá do desenvolvimento da relação de forças económicas internacionais. O mais importante neste contexto será o desempenho contínuo da China em relação aos EUA e o desenvolvimento da China como parceiro comercial e de investimento de um número crescente de países. Mas também, quanto maior for o grau em que a China estiver tecnicamente preparada para enfrentar uma tentativa dos EUA de a excluir do sistema internacional do dólar e, por conseguinte, quanto mais baixo os EUA estimarem as suas hipóteses de sucesso prático para compensar a inevitável oposição que enfrentariam de outros países, menor será a hipótese de os EUA fazerem essa tentativa.

Em resumo, a forma como o equilíbrio entre as vantagens e desvantagens da adesão ao sistema internacional do dólar funciona no caso específico da China é a seguinte. A China, tal como outros países que não enfrentam atualmente sanções financeiras dos EUA, não tem qualquer incentivo para romper voluntariamente com o sistema internacional do dólar – ou seja, não tem qualquer incentivo nacional para iniciar um ataque ofensivo ao sistema internacional do dólar. Mas, dada a probabilidade de sanções dos EUA contra a China, a China tem grandes incentivos práticos para construir as alternativas defensivas que seriam utilizadas se os EUA tentassem excluir a China do sistema internacional do dólar. Tem também um incentivo para assegurar meios de pagamento com países que enfrentam atualmente sanções dos EUA.

15. Qual é o balanço dos benefícios e dos custos?

Tendo em conta este balanço de benefícios e custos, a situação é clara. Para os países sujeitos às sanções dos EUA, é evidente que os benefícios da desdolarização superam os custos, mas para a grande maioria dos países, estes incorrerão em custos significativos sem grandes benefícios. Por conseguinte, a grande maioria dos países não se desdolarizará, ou seja, continuará a utilizar o dólar para a maior parte do comércio, das finanças internacionais e das operações cambiais. Consequentemente, o dólar não será substituído no próximo período como unidade financeira internacional. A desdolarização como sistema económico internacional só terá lugar, portanto, quando o dólar for substituído por outra unidade de preço único – provavelmente o RMB – mas isso não acontecerá a curto prazo.

Alguns países, entre os quais o mais importante é a China, encontram-se numa situação intermédia, ou seja, são ameaçados pelos Estados Unidos com sanções unilaterais, o que exige preparativos práticos para lidar com isso, mas não incorrerão nos custos de uma desdolarização efectiva, a menos que sejam forçados a isso.

Em suma, a desdolarização é muito significativa para um pequeno número de países, mas qualquer desdolarização geral não terá lugar no próximo período. Por conseguinte, a desdolarização não pode ser apresentada como uma via estratégica geral. Não é que a desdolarização seja indesejável, simplesmente não funcionará neste período pelas razões acima analisadas. Por conseguinte, a desdolarização só é decisiva a curto prazo para um pequeno número de países e não pode constituir uma estratégia internacional geral.

16. Não confundir economia com política – a questão de evitar sanções

No quadro acima descrito, para alguns países, os que estão sujeitos às sanções unilaterais dos EUA, a desdolarização é evidentemente imperativa e urgente – isto é óbvio para a Rússia, o Irão, a Venezuela, Cuba e uma série de outros Estados. Como os EUA estão a recorrer cada vez mais ao tipo mais grave de sanções financeiras unilaterais (bloqueio do sistema de pagamentos SWIFT, apreensão das reservas de divisas de outros países, etc), os preparativos técnicos para a desdolarização, como já foi referido, são importantes para todos os países ameaçados pelos EUA – o que inclui a China. Mas a grande maioria dos países não é atualmente afetada pelas sanções dos EUA e os custos económicos da desdolarização são maiores, pelas razões analisadas, do que os custos da não desdolarização. Por conseguinte, a grande maioria do comércio e do investimento mundiais continuará a ser efectuada em dólares, ou seja, o dólar continuará a ser a moeda económica dominante durante um período substancial, digamos, pelo menos, nos próximos 10 a 20 anos. Não se trata de uma questão técnica, mas sim do funcionamento fundamental do sistema económico/financeiro internacional.

17. Os fracassos da desdolarização desacreditarão as forças progressistas se estas a apresentarem como estratégia

Uma vez que a desdolarização é uma política geral que não funciona, propô-la como uma via política geral, ou internacionalmente central, no próximo período desacreditará aqueles que a propõem e reduzirá a sua credibilidade, uma vez que quaisquer movimentos gerais nessa direção falharão pelas razões já apresentadas.

Para os governos progressistas em funções, ou para as instituições internacionais lideradas por forças progressistas, se a desdolarização voluntária for implementada, poderá, na melhor das hipóteses, conduzir a fracassos sem efeitos práticos ou mesmo a perdas financeiras significativas – o que é prejudicial em si mesmo e também desacredita as forças progressistas.

18. A política económica

Finalmente, o atual foco do debate sobre a desdolarização em alguns círculos é prejudicial na medida em que desvia a atenção das políticas progressistas/marxistas que são cruciais para o desenvolvimento económico.

Todas elas decorrem da análise de Marx segundo a qual a crescente socialização do trabalho é a força motriz/motor do desenvolvimento económico. Essas políticas são:

É este o tipo de políticas, de acordo com a análise de Marx, que demonstraram trazer um desenvolvimento económico bem sucedido. Em particular, as economias socialistas mais bem sucedidas (por exemplo, a China e o Vietname) utilizaram estes métodos. Nenhuma delas seguiu a via da desdolarização.

Paradoxalmente, portanto, se bem que pareça extremamente radical e "de esquerda", a ênfase na desdolarização desvia a atenção das questões económicas mais cruciais para o desenvolvimento da maioria dos países.

19. Conclusão

Em suma. É verdade que o dólar é um dos instrumentos mais poderosos do Estado norte-americano. Os factos apresentados neste artigo indicam por que razão é ainda mais poderoso do que se pensa – porque está enraizado nas características mais fundamentais do sistema monetário tal como analisado por Marx. O dólar, portanto, não pode ser substituído como unidade monetária internacional sem uma mudança completa na situação internacional global, para a qual ainda não existem as condições internacionais objectivas.

Tal como é normalmente uma estratégia militar errada concentrar um ataque frontal na posição mais forte do inimigo, em vez de procurar os pontos mais fracos para atacar, é uma péssima estratégia fazer com que a linha estratégica crucial de avanço seja um ataque frontal proposto aos pontos mais fortes dos EUA – dentre os quais o dólar é um dos mais fortes.

Voltando à questão levantada no início, propor a "desdolarização" como uma forma estratégica de avançar, é como derivar da análise marxista correcta de que é necessário esmagar o aparelho de estado burguês, que está centrado em corpos armados de pessoas, a conclusão de que a tática correcta é lançar imediatamente ataques armados ao exército, à polícia, etc. Ou é cometer o erro daqueles que se opuseram à estratégia de Mao Zedong de construir e reforçar bases e, em vez disso, defenderam o início de confrontos centrais com o KMT/imperialistas japoneses. Isso não funciona e, se for tentado, conduzirá a perdas.

Em vez da quimera da "desdolarização" geral, a estratégia marxista correcta de desenvolvimento seguida por países como a China deve ser tomada como modelo a estudar. Estes países adoptaram estratégias de desenvolvimento baseadas em Marx. A China socialista tem o desenvolvimento económico sustentado mais rápido de todas as grandes economias da história mundial e a estratégia de "desdolarização" não desempenhou qualquer papel nesse desenvolvimento. Em vez disso, a China alcançou o seu enorme sucesso económico baseando as suas políticas económicas internas e externas na economia marxista – como Xi Jinping sublinhou – a "economia política da China deve basear-se na economia política marxista e não em qualquer outra teoria económica".[1]

20. Resumo

Em resumo, três tarefas essenciais devem ser realizadas em relação ao necessário objetivo estratégico de substituir o sistema internacional do dólar:

[1] Xi, J. (11/outubro/2020). Abrindo novas fronteiras para a economia política marxista na China contemporânea (23/novembro/2015). Recuperado de Qiushi: http://en.qstheory.cn/2020-11/08/c_560906.htm

18/Junho/2024

[*] Membro sénior do Instituto Chongyang de Estudos Financeiros da Universidade Renmin da China. Venceu o Special Book Award of China – o maior prémio estatal para escritores estrangeiros sobre a China. Anteriormente, foi diretor de política económica da municipalidade de Londres.   Esta é uma versão ampliada de um artigo originalmente publicado em chinês no guancha.cn.

O original encontra-se em mronline.org/2024/06/18/what-is-the-realistic-strategy-for-de-dollarisation/

Este artigo encontra-se em resistir.info

04/Jul/24