A degradação do governo Syriza não tem fim

por KKE

Foto deixada na mesa do sr. Tsipras. Em 9 de Maio de 2019, chefes de Estado da UE, incluindo Alexis Tsipras, assinaram em Sibiu, Roménia, numa cimeira informal, a chamada declaração do Conselho Europeu. Com isto, “liberais”, "social-democratas", "conservadores" e "progressistas" confirmaram mais uma vez o apodrecimento dos "valores fundadores" da UE dos monopólios. Além do mais, a declaração assinada no dia 74º aniversário da Grande Vitória Anti-fascista dos Povos é mais um monumento ao anti-comunismo. Desde a primeira linha, revela quão hipócrita é a preocupação de governos como o SYRIZA pela "ascensão da extrema-direita". Para "Justificar" toda a narrativa anticomunista que alimenta o fascismo, ele escreve: "Trinta anos atrás, milhões de pessoas lutaram por sua liberdade e pela unidade e demoliram a Cortina de Ferro"!

"Isso é o que vocês são, a vossa degradação não tem fundo", declarou o deputado KKE Ioannis Giokas na tribuna do Parlamento, denunciando a declaração anticomunista da UE e o facto de o primeiro-ministro tê-la assinado "adoptando toda a propaganda do imperialismo após a Segunda Guerra Mundial, a propaganda do macartismo contra a luta dos povos e contra o movimento e o sistema socialista mundial. Toda a propaganda que se desenrolou tendo a extrema-direita como ponta de lança". Como afirmou, o governo do SYRIZA colocou a sua assinatura em toda a propaganda que enviou às prisões, ao exílio, aos esquadrões de execução, os militantes do nosso país.

I. Giokas enfatizou que a Declaração foi assinada no Dia da Vitória Anti-Fascista dos Povos à qual não foi feita nenhuma referência, "porque o fascismo não é um inimigo da UE; não poucas vezes a UE tem apoiado fascistas e organizações semelhantes a fim de efectuar diferentes jogos; o inimigo são os povos, o inimigo é o sistema socialista, o inimigo são os Partidos Comunistas, o movimento operário-popular. Por esta razão, eles tentaram todos estes anos apagar da memória colectiva o Dia da Vitória Antifascista dos Povos, em 9 de Maio, e transformá-lo num Dia da UE". Ele também destacou que a assinatura do primeiro-ministro grego de "esquerda" apareceu nesta Declaração juntamente com os de Kurz, Orban e Merkel, juntamente com todos os outros políticos de extrema-direita que ele supostamente combate.

Ao comentar o argumento do governo de que a UE supostamente se desviou de seus valores fundadores nos últimos anos e que isso pode ser corrigido, ele referiu-se ao facto de que os valores fundadores da UE são o anticomunismo, a barbárie, a exploração dos povos e as guerras. "Todos vocês estão no veículo da UE, o veículo da UE e da NATO", observou, acrescentando que "com esta Declaração, a UE mostra quem tem medo; um "espectro continua a assombrar a Europa" e faremos tudo o que pudermos para garantir que os seus medos se tornem realidade. Você está do lado da Santa Aliança contemporânea".

Ao mesmo tempo, o deputado do KKE deixou claro que o seu partido em 9 de Maio celebra a bandeira vermelha com o martelo e foice sobre o Reichstag. "Uma vez que o sr. primeiro-ministro e o seu governo se juntaram ao campo do anticomunismo e da distorção da história", deixou na mesa do primeiro-ministro A. Tsipra uma fotografia para que "ele possa ver o que nós celebramos no dia 9 de Maio".

A versão em inglês encontra-se em inter.kke.gr/en/...

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
16/Mai/19