Revelações do comandante da Força Aeroespacial iraniana

por Amir Ali Hajzadeh

Gen. Amir Ali Hajzadeh. O comandante da Força Aeroespacial da Guarda Revolucionária Islâmica do Irão (IRGC), general Amir Ali Hajzadeh, revela pormenores chave respeitantes aos recentes ataques retaliatórios iranianos com mísseis balísticos a bases dos EUA no Iraque.

Transcrição:
– Atingimos com os nossos mísseis áreas na base aérea americana que eram utilizadas para equipar helicópteros de ataque
– Éramos capazes de alvejar os quartéis dos soldados americanos na base aérea mas evitámos isso porque o nosso objectivo era alvejar o centro de comando
– Atingimos o centro de comando da base Ain al-Assad e as imagens revelam a extensão da sua destruição
– O presidente Trump costuma visitar a base aérea de Ain al-Assada quando visita o Iraque
– Nosso objectivo era criar terror e pânico nos corações das forças estado-unidenses (daquela base aérea)
– Forças estado-unidenses transportaram seus soldados feridos para a entidade sionista (Israel) utilizando nove aviões
– Nunca ouvimos falar, desde a II Guerra Mundial, de qualquer ataque a bases militares americanas sem a subsequente retaliação estado-unidense
– O que ouvimos de Trump é asneira, os EUA podiam ter atacado o Irão mas centravam-se na acção dos media
– Há muitos alvos no Irão mas os EUA são incapazes de executar tais operações
– O mundo agora sabe quem é que perdeu a batalha
– As forças dos EUA inevitavelmente deixarão o região
– O Eixo de Resistência é que chutará as forças americanas para fora da região
– Não há dúvida de que há mortos e feridos entre as forças dos EUA, muito embora tenhamos alvejado os centros de comando da base
– O próximo passo (da resposta) será executada pelas facções do Eixo da Resistência
– A resposta seguinte não será meramente uma "bofetada", mas ao invés um passo que transformará a situação de toda a região
– Nossa primeira operação não equivale ao sangue dos mártires, o líder anunciou que a retaliação será alcançada com a retirada total das forças americanas da região
– Não somos criminosos como os americanos, podíamos ter alvejado os edifícios residenciais dentro da base americana
– Com o martírio de Soleimani começou uma nova fase da Revolução
– O importante é que conseguimos quebrar o prestígio da América
– Estávamos à espera de uma resposta dos EUA e estávamos preparados para responder à resposta deles
– Eu disse aos estados ribeirinhos do Golfo Persa: os EUA não se mexerão para resgatá-los
– Esta é a primeira vez que bases estado-unidenses são alvejadas desde a II Guerra Mundial [NR]
– Durante a operação de ataque à base dos EUA esperávamos receber uma resposta e estávamos preparados para uma guerra total
– Decidimos alvejar a maior base dos EUA e a mais distante das fronteiras iranianas
– Não procurávamos matar soldados dos EUA com o nosso ataque de mísseis, mas certamente muitos foram mortos
– Podíamos ter concebido a operação para matar 500 no primeiro passo e, se respondessem, podíamos ter morto 4.000 a 5.000 no segundo e terceiro passos.

10/Janeiro/2020

[NR] Não é exacto: na Guerra do Vietname houve bases alvejadas dos EUA.

O original encontra-se em middleeastobserver.net/...

Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .
10/Jan/20