Berlim vai a Pequim: O verdadeiro negócio

– A caravana de Scholz foi a Pequim a fim de dar os passos preparatórios para estabelecer um acordo de paz com a Rússia, com a China como mensageiro privilegiado

Pepe Escobar [*]

Scholz e Xi Jinping.

Com o seu talento inimitável para a análise económica impregnada de profundidade histórica, o mais recente ensaio do Professor Michael Hudson, originalmente escrito para um público alemão, apresenta um paralelo espantoso entre as Cruzadas e a atual "ordem internacional baseada em regras" imposta pelo Hegemon.

O Professor Hudson pormenoriza como o Papado em Roma conseguiu bloquear o controlo unipolar sobre os reinos seculares (diz-lhe alguma coisa?) quando o jogo era todo sobre a precedência papal sobre os reis, sobretudo sobre os Imperadores Alemães do Sacro Império Romano. Como sabemos, meio a brincar, o Império não era exatamente Sacro, nem alemão (talvez um pouco romano) e nem mesmo um Império.

Uma cláusula dos Ditames Papais dava-lhe autoridade para excomungar quem "não estivesse em paz com a Igreja Romana". Hudson observa agudamente como as sanções dos EUA são o equivalente moderno da excomunhão.

Possivelmente há duas datas importantes em todo o processo.

A primeira seria o Terceiro Concílio Ecuménico de 435: isto é quando só a Roma (itálico meu) era atribuída autoridade universal (itálico meu). Alexandria e Antioquia, por exemplo, estavam limitadas a autoridades regionais dentro do Império Romano.

A outra data importante é 1054 – quando Roma e Constantinopla se separaram definitivamente. Ou seja, a Igreja Católica Romana separou-se da Ortodoxia, o que nos leva à Rússia e Moscovo como A Terceira Roma – e a animosidade secular do "Ocidente" contra a Rússia.

Um estado de lei marcial

O Professor Hudson delicia-se então com a viagem esta semana da delegação do "Salsicha de Fígado" chanceler Scholz à China a fim de "exigir que desmantele o seu sector público e deixe de subsidiar a sua economia, ou do contrário a Alemanha e a Europa imporão sanções ao comércio com a China".

Bem, na realidade isto não passa de uma ideia infantil, expressa pelo Conselho Alemão de Relações Externas num artigo publicado no Financial Times (o jornal de propriedade japonesa na City de Londres). O Conselho, como corretamente descrito por Hudson, é "o braço neoliberal 'libertário' da NATO que exige a desindustrialização alemã e a dependência" em relação aos EUA.

Assim, o FT, como era previsível, está a imprimir sonhos ansiosos da NATO.

O contexto é essencial. O Presidente Federal alemão Frank-Walter Steinmeier, num discurso de abertura no Castelo de Bellevue, quase admitiu que Berlim está falida: "Uma era de ventos frontais está a começar para a Alemanha – anos muitos difíceis estão a aproximar-se de nós. A Alemanha está na mais profunda crise desde a reunificação".

Mas a esquizofrenia, mais uma vez, reina suprema, como Steinmeier, depois de uma ridícula façanha em Kiev – completa, posando como um ator involuntário amontoado num bunker – anunciou uma esmola extra: mais dois lançadores de foguetes múltiplos MARS e quatro howitzers Panzerhaubitze 2000 a serem entregues aos ucranianos.

Assim, mesmo que a economia "mundial" – na realidade a UE – esteja tão fragilizada que os Estados membros já não podem mais ajudar Kiev sem prejudicar as suas próprias populações, e a UE esteja à beira de uma crise energética catastrófica, a luta pelos "nossos valores" no País 404 sobrepuja tudo.

O contexto do Panorama Geral também é fundamental. Andrea Zhok, Professor de Filosofia Ética na Universidade de Milão, levou o conceito de "Estado de Excepção" de Giorgio Agamben a novas alturas.

Zhok propõe que o Ocidente coletivo zombificado está agora completamente subjugado a um "Estado de Lei Marcial" – onde um espírito (ethos) de Guerra para Sempre é a prioridade final para elites globais que escasseiam.

Todas as outras variáveis – desde trans-humanismo até à despopulação e mesmo a cultura de cancelamento – estão subordinadas ao Estado de Lei Marcial e, basicamente, são não essenciais. A única coisa que importa é exercer o controle absoluto e bruto.

Berlim – Moscovo – Pequim

Fontes seguras entre os negócios alemães contradizem totalmente a “mensagem” apresentada pelo Conselho Alemão de Relações Externas acerca da viagem à China.

Segundo estas fontes, a caravana de Scholz foi a Pequim essencialmente para dar os passos preparatórios para estabelecer um acordo de paz com a Rússia, com a China como mensageiro privilegiado.

Isto é – literalmente – tão explosivo, geopoliticamente e geoeconomicamente, como parece. Como apontei num artigo anterior, Berlim e Moscovo mantinham um canal secreto de comunicação – através de interlocutores comerciais – até ao minuto em que os suspeitos habituais, em desespero, decidiram fazer explodir os Nord Streams.

O sinal foi o agora notório SMS do iPhone de Liz Truss para o Pequeno Tony Blinken, um minuto após as explosões: "Está feito".

Mas há mais: a caravana de Scholz pode estar a tentar iniciar um longo e intrincado processo para finalmente substituir os EUA pela China como aliado chave. Não se deveria esquecer que o principal terminal de comércio/conectividade da Rota da Seda na UE é a Alemanha (o vale do Ruhr).

De acordo com uma das fontes, “se este esforço tiver êxito, então a Alemanha, a China e a Rússia poderão aliar-se e conduzir o afastamento dos EUA da Europa”.

Uma outra fonte proporcionou a cereja sobre o bolo: “Olaf Scholz nesta viagem está a ser acompanhado por industriais alemães que realmente controlam o país e não estão para ficarem sentados a observar a sua destruição”.

Moscovo sabe muito bem qual é o objetivo imperial em relação à UE: reduzi-la ao papel de vassalo totalmente dominado – e desindustrializado –, com uma uma soberania zero. Afinal de contas, os canais ocultos não se encontram em estilhaços no fundo do Mar Báltico. Além disso, a China não deu qualquer pista de que o seu comércio maciço com a Alemanha e a UE esteja prestes a desvanecer-se.

O próprio Scholz, um dia antes da sua caravana chegar a Pequim, enfatizou aos media chineses que a Alemanha não tem qualquer intenção de se dissociar da China e que não há nada que justifique "os apelos de alguns para isolar a China".

Em paralelo, Xi Jinping e a nova Comissão Política estão muito conscientes da posição do Kremlin, reiterada várias vezes: sempre permanecemos abertos a negociações, desde que Washington finalmente decida conversar acerca do fim da expansão ilimitada da NATO saturada de russofobia.

De modo que negociar significa a assinatura do Império na linha pontilhada do documento que recebeu de Moscovo a 1 de Dezembro de 2021, centrado na "indivisibilidade da segurança". Caso contrário, não há nada para negociar.

E quando temos o lobista do Pentágono Lloyd "Raytheon" Austin a aconselhar os ucranianos a avançarem sobre Kherson, fica ainda mais claro que não há nada para negociar.

Assim, poderia tudo isto ser a pedra basilar do corredor geopolítico/geoeconómico Berlim-Moscovo-Pequim? Isso significaria "Adeus Império". Mais uma vez: isto não acaba enquanto a senhora gorda não for para o Crepúsculo dos Deuses (Gotterdammerung).

04/Novembro/2022

Ver também:
  • Scholz’s China visit has more than symbolic significance: Global Times editorial
  • [*] Analista geopolítico independente, escritor e jornalista.

    O original encontra-se em strategic-culture.org/news/2022/11/04/berlin-goes-to-beijing-the-real-deal/

    Este artigo encontra-se em resistir.info

    06/Nov/22