A guerra por procuração da NATO contra a Rússia sempre foi terrorismo

– A tentativa dos Estados Unidos e dos seus parceiros da NATO de criar uma falsa narrativa sobre o ataque terrorista em Moscovo apenas sublinha a sua culpabilidade e a profundidade da sua depravação.

SCF [*]

Terrorismo.

O ataque terrorista ocorrido num subúrbio de Moscovo na semana passada foi indiscutivelmente orquestrado e possibilitado pelas potências ocidentais. Em muitos aspectos, isto não deveria ser uma surpresa, porque a guerra por procuração da NATO contra a Rússia sempre foi essencialmente "não convencional" – ou, mais claramente, terrorista.

O momento em que se passou a utilizar mais atos de terrorismo reflecte o facto de a guerra por procuração da NATO liderada pelos EUA na Ucrânia estar a enfrentar uma derrota histórica e, por conseguinte, os inimigos da Rússia estarem – por necessidade – a mudar para tácticas de terror não convencionais.

Apenas uma semana após a atrocidade em que mais de 140 pessoas foram mortas a tiro por terroristas armados num teatro, já se sabe quem organizou o assassínio em massa de cidadãos russos.

Os homens do gatilho podem ter sido quatro indivíduos do Tajiquistão, mas parece quase certo que os mentores por detrás do massacre foram a CIA e outras agências de informação ocidentais que trabalharam em conluio com o regime neonazi de Kiev.

O que falta determinar é a que nível da administração Biden foi elaborado este plano nefasto. As suspeitas apontam para o diretor da segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, e para a antiga funcionária do Departamento de Estado, Victoria Nuland. Esta última foi a responsável pelos truques sujos encobertos na Ucrânia, que remontam ao golpe de Maidan em Kiev, orquestrado sob o seu controlo, juntamente com a CIA. Pouco antes de se demitir do cargo, no mês passado, Nuland gabou-se de que a Rússia teria "surpresas desagradáveis".

Os investigadores russos estabeleceram um rasto de dinheiro entre o regime de Kiev e os assassinos. Já se sabia, numa fase anterior, que os atiradores estavam a tentar fugir de carro para a Ucrânia, atravessando a fronteira russa. O chefe dos serviços secretos militares da Ucrânia, Kyrylo Budanov, é um ativo americano – tal como todo o regime de Kiev. Mantém contactos estreitos com os serviços secretos americanos e britânicos. O prazer [manifestado] de Budanov com a atrocidade de Moscovo implica não só o seu envolvimento neste crime hediondo, mas também o dos seus fantoches na CIA e no MI6.

A estranha insistência de Washington e Londres em que o regime de Kiev nada teve a ver com o crime e que tudo foi feito exclusivamente por terroristas islâmicos é risível mas também incriminatória. Os meios de comunicação social de propaganda ocidentais aproveitaram imediatamente a deixa para divulgar a narrativa de Washington de que o ataque terrorista em Moscovo foi levado a cabo por islamistas supostamente filiados num grupo obscuro (ISIS-Khorasan) baseado no Afeganistão. Ao inventar esta história de fachada, o Ocidente assume, ingenuamente, que isso deixa o regime de Kiev e os seus patrocinadores da NATO livres de culpa. Além disso, os Estados Unidos e os seus aliados europeus troçaram da Rússia por ignorar a identidade superficial dos terroristas e, alegadamente, tentar difamar o Ocidente.

Se os meios de comunicação ocidentais não estivessem tão saturados de desinformação e de lavagem ao cérebro, seria absolutamente claro que os Estados Unidos e os seus parceiros da NATO têm uma longa e bem documentada história de patrocínio dos chamados grupos terroristas islâmicos para fazerem o seu trabalho sujo de mudança de regime e outras operações ilegais.

Não há absolutamente nenhuma contradição na análise da Rússia de que o assassínio em massa em Moscovo foi orquestrado por patrocinadores estatais ocidentais utilizando assassinos islâmicos. Pelo contrário, existe uma ligação volumosa entre as origens da Al Qaeda no Afeganistão na década de 1980, o destacamento de jihadistas terroristas na Chechénia para desestabilizar a Rússia na década de 1990 e no início da década de 2000, e as guerras de mudança de regime no Médio Oriente na última década, cujo melhor exemplo é a Síria.

Esta semana, conforme relatado por Vanessa Beeley, houve um recrudescimento dos ataques terroristas na cidade síria de Alepo por jihadistas apoiados pelos Estados Unidos, pela NATO e por Israel.

Os Estados ocidentais estão totalmente envolvidos no fomento, armamento e direção de vários grupos terroristas islâmicos, incluindo a Al Qaeda, o Estado Islâmico (ISIS), os combatentes chechenos, Hayat Tahrir al-Sham, Jabhat al Nusra, ISIS-K e inúmeras outras iterações.

Após a derrota da guerra secreta de mudança de regime da NATO na Síria, em resultado do apoio da Rússia ao governo sírio do Presidente Bashar al-Assad, os bandos terroristas jihadistas encontraram uma nova arena para o seu emprego assassino no feudo da NATO na Ucrânia. A junta de Banderistas, com a sua ideologia neonazi de extermínio dos russos, encontrou um objetivo útil para as armas contratadas pela CIA e pelo MI6. Muitos destes jihadistas patrocinados pelo Ocidente, oriundos da Síria, da Chechénia e de outros locais, juntaram-se às legiões estrangeiras da NATO para lutar pelo regime de Kiev contra a Rússia na Ucrânia.

Este ano registou-se um aumento dos ataques terroristas em território russo a partir da Ucrânia, principalmente nas regiões de Belgorod e Bryansk. Estes ataques envolveram esquadrões neonazis que trabalharam com islamistas e foram todos armados e dirigidos pela CIA e pelos britânicos.

É, portanto, uma questão simples que estes instrumentos de terror apoiados pelos EUA e pela NATO também tenham sido utilizados para levar a cabo o tiroteio em massa no teatro Crocus City Hall, nos arredores de Moscovo, na semana passada.

As únicas pessoas que consideram tal avaliação "absurda" são os patrocinadores ocidentais e os seus meios de comunicação que lhes fazem uma lavagem ao cérebro, desesperados por apagar o rasto de um ato de terrorismo hediondo.

As afirmações de Washington de que havia alertado os russos para um ataque terrorista iminente, a 7 de março, merecem uma menção especial de desprezo. Esse alerta era vago e incompleto. Não transmitia um aviso adequado, como admitiu o New York Times esta semana. O alerta de terror não foi de nenhuma ajuda prática para a Rússia evitar o crime perto de Moscovo em 22 de março. Mas o que conseguiu foi dar aos americanos uma alegação plausível de que tentaram emitir um alerta e parece reforçar a narrativa de que os terroristas islâmicos trabalham separadamente e sozinhos.

A tentativa dos Estados Unidos e dos seus parceiros da NATO de criar uma falsa narrativa sobre o ataque terrorista de Moscovo apenas sublinha a sua culpabilidade e a profundidade da sua depravação.

É também aterrador o facto de o Ocidente ter demonstrado tão pouca simpatia e compaixão humana básica para com o povo russo. Existe um sentimento perverso de culpabilização das vítimas, em grande parte fomentado por políticos e meios de comunicação social russofóbicos. Recorde-se que quando ocorreram ataques terroristas noutras nações, por exemplo em Paris em 2015, o mundo iluminou edifícios públicos com as cores francesas em sinal de solidariedade. Não foi demonstrada a mesma compaixão para com as vítimas russas do terrorismo.

A guerra por procuração que os EUA e os seus cúmplices desencadearam contra a Rússia na Ucrânia em 2014 e que culminou em 2022 foi sempre uma guerra não convencional que está mergulhada num conflito não convencional muito maior.

Quando a Alemanha nazi foi derrotada pelo Exército Vermelho soviético, em 1945, os imperialistas ocidentais começaram imediatamente a utilizar alternativas terroristas para derrotar a Rússia. Os remanescentes nazis na Ucrânia foram mobilizados para aterrorizar a Rússia nos anos 50 e 60, com a CIA e o MI6 a dirigirem o tráfego atrás das linhas inimigas. O regime de Kiev, que tomou o poder em 2014, é uma continuação deste modus operandi. A rede terrorista islâmica que os americanos e os britânicos criaram aumentou as tácticas não convencionais, tal como a guerra económica através de sanções, a explosão de gasodutos submarinos, os jogos de guerra da NATO que ensaiam ataques nucleares à Rússia, etc.

A guerra por procuração que utiliza a Ucrânia como campo de batalha chegou a um ponto final histórico. A derrota deve-se às formidáveis forças armadas da Rússia, ao desafio político de Moscovo e à tenacidade do povo russo, como se viu mais recentemente na reeleição esmagadoramente popular do Presidente Vladimir Putin.

Os Estados Unidos e os seus lacaios imperialistas encontram-se num profundo dilema, pois são forçados a enfrentar um momento histórico de némesis. Os inimigos ocidentais não podem aceitar publicamente a derrota – politicamente, vai ser um inferno para estes criminosos belicistas quando os cidadãos ocidentais se aperceberem completamente das perdas horríveis e da culpabilidade dos seus chamados governos eleitos.

Os inimigos da Rússia lançaram tudo na guerra por procuração da Ucrânia – mais de 200 mil milhões de dólares em armas e apoio financeiro – e não conseguiram infligir o seu muito ambicionado objetivo ulterior de derrotar estrategicamente a Rússia. São eles que estão agora a enfrentar uma derrota estratégica.

Nomeadamente, esta semana, um alto comandante militar britânico, o tenente-general Sir Robert Magowan, admitiu que a Grã-Bretanha não duraria dois meses numa guerra convencional contra a Rússia. A mesma perspetiva abjecta pode ser dita das forças armadas dos Estados Unidos e de outros membros da NATO.

Os imperialistas ocidentais esgotaram os seus arsenais militares por terem apoiado imprudentemente o regime neonazi na Ucrânia numa missão fútil de subjugar a Rússia.

Dado o estado desesperado dos inimigos ocidentais, estão a recorrer a um modo de guerra híbrido ou não convencional no seu esforço psicótico para conquistar a Rússia e afirmar a hegemonia ocidental. Isto significa que o tipo de ataques terroristas a que assistimos na semana passada em Moscovo e nas semanas anteriores em Belgorod, Bryansk e Kursk irá provavelmente aumentar.

No mínimo, Moscovo precisa agora de obliterar a frente da NATO conhecida como o regime de Kiev para cortar o ataque terrorista.

29/Março/2024

[*] Strategic Culture Foundation, info@strategic-culture.su

O original encontra-se em strategic-culture.su/news/2024/03/29/nato-proxy-war-against-russia-was-always-in-essence-terrorism/

Este editorial encontra-se em resistir.info

01/Abr/24