As fracassadas relações públicas israelenses

Dmitry Orlov [*]

Netanyahu, cartoon de Fernão Campos.

Observando os eventos na Palestina/Israel há quase dois meses do alto do meu próprio campanário na Rússia, há uma peculiaridade que não pude deixar de notar: os judeus de Israel, e alguns judeus de outros lugares, parecem incapazes de compreender alguns princípios básicos de relações públicas. Os estagiários aprendem isso em seu primeiro dia.

1. Os israelenses gostariam que o mundo inteiro sentisse pena deles e se solidarizasse com eles após os ataques do Hamas em 7 de outubro e, ao mesmo tempo, forçaram o mundo a se indignar com o assassinato de milhares de civis palestinos em Gaza e na Cisjordânia, incluindo milhares de mulheres e crianças. A piedade e a indignação são incompatíveis, assim como o amor e o ódio, puramente fisiológicos, em termos de química cerebral. Uma campanha de RP [relações publicas] que produz pena e indignação simultaneamente está condenada desde o início.

As pessoas que quiserem se aprofundar um pouco mais descobrirão que o que o Hamas fez com o ataque de 7 de outubro foi, na verdade, bastante inteligente. Anteriormente, os líderes das nações árabes estavam prontos para descartar os palestinos e fazer as pazes com Israel em nome de algum lucro sujo; isso agora é politicamente impossível para eles. Anteriormente, o exército israelense parecia bastante invencível; agora, depois de dormir durante o ataque, reagir de forma exagerada e matar muitos de seus próprios civis e, em seguida, pisar inconclusivamente na areia em Gaza por quase dois meses, enquanto registrava enormes perdas de armamento e pessoal, o Tsakhal está parecendo bastante desanimado e pálido. Ah, e Netanyahu parece estar de saída e talvez vá para a cadeia, o que, do ponto de vista palestino, não é muito significativo (um primeiro-ministro israelense vale por outro, já que todos são sionistas), mas ainda assim é bom. Netanyahu, sendo um grande oportunista, mas não muito inteligente, prometeu “destruir o Hamas”. Mas o Hamas pode ser destruído? Ele é um movimento de libertação nacional; como tal, pode ser reprimido, mas destruí-lo é matar todos os palestinos – ou seja, genocídio. E o que isso fará com as relações públicas de Israel?

2. A máquina de relações públicas israelense/judaica gosta de caluniar qualquer pessoa que ouse se manifestar em oposição às ações de Israel com a acusação de “antissemitismo”. Mas os judeus não são os únicos semitas do planeta; há também os árabes e, em particular, os árabes palestinos. E a maneira como os judeus têm tratado os palestinos desde bem antes da Nakba (catástrofe) original de 1948 tem sido nada menos que antissemita. A citação “The lady doth protest too much, methinks” (A dama protesta demasiado, penso seu) vem prontamente à mente de qualquer major inglês. Em 1948, os astutos britânicos criaram um conflito permanente no Oriente Médio por meio do estabelecimento do Estado de Israel, que só pode ser resolvido – e, veja bem, será resolvido – por meio da guerra. Israel é o Estado mais antissemita que existe ou poderia existir, fazendo com os palestinos praticamente o mesmo que os nazistas alemães fizeram com os judeus (com a possível exceção das câmaras de gás). Como isso não é antissemita? Essa parte da máquina de relações públicas israelense/judaica se colocou involuntariamente na situação do ladrão que grita “Segurem o ladrão!” mais alto. Por favor, olhe para baixo, franza a testa e mova a cabeça lentamente de um lado para o outro em desaprovação silenciosa a essa farsa de relações públicas.

3. Ao arrecadar fundos, é muito importante pelo menos fingir ser respeitoso e humilde. É desaconselhável combinar pedidos de caridade e apelos a uma causa nobre com ameaças, gabar-se e tentativas de extorsão. Israel não pode continuar a existir sem a injeção regular de milhares de milhões de dólares em dinheiro e armas, principalmente dos Estados Unidos. E, no entanto, o Comitê de Ação Política Americano-Israelense não esconde o fato de que “possui” algo em torno de metade do Congresso dos EUA, reciclando alguns dos milhares de milhões destinados a ele como contribuições financeiras de campanha. Esse mesmo Netanyahu está gravado, diante das câmeras, dizendo que, na verdade, Israel pode fazer o que quiser e ainda receber o dinheiro graças ao poder de seus lobistas nos EUA. Isso não é respeitoso nem humilde: é uma afronta aos eleitores americanos porque diz a eles, na cara deles, que não têm escolha a não ser gastar o dinheiro de seus impostos com Israel porque Israel é dono do governo deles – eles não são, Israel é que é, então nos dê seu dinheiro, seus americanos tolos e impotentes! Mais uma vez, um país minúsculo que, como Blanche Du Bois, “sempre dependeu da bondade de estranhos” e que encolherá e desaparecerá se for privado da generosidade americana, realmente não deveria se gabar de sua influência política em um país estrangeiro, porque isso não é, politicamente, uma solução de estado estável. Por que os judeus, sendo tão letrados, não conseguem ler o que está escrito na parede? מנא מנא תקל ופרסין

4. Não apele para a justiça a partir de uma posição de hipocrisia e dois pesos e duas medidas; para se apresentar como alguém que merece consideração, você mesmo deve parecer justo, direto e íntegro. Em especial, não tente sequer pedir indenização por um crime do qual você mesmo é culpado. E, no entanto, Israel está tentando fazer exatamente isso. Israel tem o direito de existir? Bem, antes de mais nada, a Palestina tem o direito de existir? (Porque, você sabe, a Palestina veio primeiro.) Como Israel pode negar um direito internacionalmente reconhecido à Palestina e, ainda assim, reivindicar esse mesmo direito para si?

Ao afirmarem que Israel tem o direito de existir, os israelenses/judeus frequentemente se referem à Bíblia; de acordo com o Livro do Êxodo, bem como alguns outros, Deus deu a Palestina aos judeus. No entanto, a grande maioria dos judeus não acredita de fato em Deus – eles são ateus ou agnósticos. A maioria deles segue os rituais e obedece às várias restrições como um preço de inclusão social, não como um ato de fé e consciência. E, no entanto, eles apelam para aqueles que acreditam para que lhes concedam um direito que dizem ter sido concedido a eles por um deus, que eles não acreditam que exista, como um ato de fé e consciência? Se isso não é o cúmulo da hipocrisia, o que é?

5. Não faça apelos a privilégios especiais exclusivos com base em um status de vítima não exclusivo. Os israelenses/judeus frequentemente apelam para o Holocausto como justificativa para todos os tipos de considerações especiais que eles acham que devem receber. Em particular, a frase “Nunca mais!” tende a ser muito usada. E, no entanto, durante a Segunda Guerra Mundial, mais eslavos e ciganos morreram em campos de concentração nas mãos dos nazistas alemães (e ucranianos, poloneses, lituanos…) do que judeus. Mas, de alguma forma, os russos não ficam falando sobre os milhares de crianças russas que foram sangradas até a morte para fornecer transfusões de sangue aos soldados feridos da Wehrmacht e gritar “Nunca mais!”. Eles se lembram e comemoram, mas em particular, porque, se você é russo, é vergonhoso prostituir seus mortos para obter vantagens políticas. Da mesma forma, os ciganos certamente se lembram de seus mortos e os comemoram em longos lamentos que fazem uns para os outros, em particular, não para os turistas ou qualquer outra pessoa.

Além da questão da decência e da modéstia básicas, há a questão da dissonância cognitiva: não é possível reivindicar o status de vítima especial de um genocídio enquanto… perpetra um genocídio, diante das câmeras, 24 horas por dia, 7 dias por semana, por quase dois meses! Isso, amigos, simplesmente não funciona. O Holocausto está morto; não o use, siga em frente.

6. Não estabeleça paralelos falsos entre sua própria situação e a dos outros. Isso tende a provocar gritos de “O quê?!!!!” e toda a estratégia de RP cai por terra. Meu bom amigo Jim Kunstler escreveu recentemente o seguinte:

“Você pode ter perdido a conta de quantas vezes a Rússia foi invadida na vasta planície da Ucrânia, mas os russos não se esqueceram e sua atitude em relação a isso é sinônimo da frase “Nunca Mais”.

Que parte disso os EUA, a Alemanha, a França e os demais países não entenderam?”

Comparar Israel à Rússia é como comparar um paramécio a uma baleia azul. Além do absurdo dessa comparação, a atitude russa não é “Nunca Mais”; é “Repetiremos a lição quantas vezes for necessário”. A França recebeu a lição ao meio-dia de 31 de março de 1814, quando a cavalaria russa, liderada pelo Czar Alexandre I, entrou triunfalmente em Paris. Naquela tarde, os cossacos foram tomar banho no Sena – nus, como os cossacos costumam fazer. A França nunca esquecerá essa lição; o problema com ela no momento é que é uma colônia dos EUA/OTAN, mas isso pode ser corrigido. A Alemanha recebeu uma lição muito mais dura em maio de 1945, com o Exército Vermelho entrando em Berlim; essa lição está ainda mais fresca na mente dos alemães, mas a Alemanha também é, no momento, uma colônia dos EUA/OTAN, e isso também pode ser corrigido. As lições de Londres e Washington estão chegando; os pequenos como Ottawa, Canberra e Varsóvia receberão a mensagem e se retirarão; e então finalmente teremos alguma paz.

Em resposta, escrevi para Jim: “Estou bastante desapontado com sua última postagem. Ele é emocional e partidário e não se qualifica como análise. Em particular, a comparação entre a Rússia e Israel (“nunca mais”) se destaca como bizarra. Para começar, ela falha porque a Rússia na antiga Ucrânia é a vencedora, enquanto Israel na futura Palestina é o perdedor.” Jim não respondeu bem, mas eu o perdoo. É difícil para os judeus, especialmente os mais velhos, abandonar a ideia de um Estado judeu. Mas eles terão de fazê-lo. מנא מנא תקל ופרסין

Ah, e, caso você não tenha notado, a Rússia acabou de pendurar uma placa de boas-vindas: !مرحبا بكم أيها الفلسطينيون (Bem-vindos, palestinos!)

Uma futura geração de rapazes palestinos, em forma, educados, armados e treinados, dirá: “Em minha terra natal, o Daguestão, sou um árabe palestino; na Rússia, sou um Daguestão e, fora da Rússia, sou apenas um russo muçulmano. Agora, e quanto à nossa pátria histórica?” Bem-vindo à Nova Ordem Mundial; ela não será apenas multilateral – será fractal!

29/Novembro/2023

[*] Escritor.

O original encontra-se em boosty.to/cluborlov/posts/7bf9035c-382f-4e19-9c8c-28e17139e036?from=email
e a tradução em sakerlatam.org/as-relacoes-publicas-falidas-israelenses/

Este artigo encontra-se em resistir.info

30/Nov/23