A desinformação dos media dominantes acerca da vida internacional
– Mentiras, manipulações, silêncios

por Investig'action

Os media dominantes, sem complexos e muito para além da questão europeia, mentem, deformam, dissimulam com mais ou menos subtileza, alinham (quando não são dominados pelo recrutamento selectivo de seus editorialistas) com os interesses dos grupos que os financiam. O resultado é um desconhecimento grosseiro da opinião pública sobre a realidade das relações internacionais e um confinamento mental dos cidadãos no pré-estabelecido. Como pode alguém surpreender-se com o periódico reavivar do chauvinismo estreito e do nacionalismo arrogante, frequentemente acompanhado de racismo, pelas grandes potências? Os poderes "ensinam" de facto o desprezo pelos outros e um desejo de poder muito maior que a solidariedade internacional [1]

O paradoxo é profundo num tempo de globalização desejada pelo mundo dos negócios e seus auxiliares estatais, o que significa que nenhuma economia nacional e nenhuma pessoa podem escapar à interferência estrangeira e ao impacto dos interesses transnacionais sempre presentes em todos os lugares: qualquer regime, qualquer que seja, passa por uma espécie de "mestiçagem". O Estado mais apegado à soberania nacional e o povo mais patriótico são vítimas de um ambiente internacional desfavorável e, apesar de tudo, são transformados pela penetração de interesses que não são os seus. Este é particularmente o caso dos poucos bastiões que se reivindicam do socialismo, muitas vezes degradado por sanções de todos os tipos (embargos, bloqueio de activos financeiros, discriminações comerciais, pressões políticas e ideológicas etc.), que podem chegar até à sabotagem e intervenção militar.

Os grandes media ocidentais ocultam o que pode constituir suas culpas ou seus vexames, por causa dos equilíbrios de poder com os regimes de que não gostam: a forma como apresentam a Coreia do Norte desde há mais de meio século torna-se a caricatura mais básica. O mesmo acontece com o chavismo na Venezuela, com o Vietname e com Cuba! A desinformação é a regra: um simplismo doentio domina a luta que opõe um "campo" a outro, num nevoeiro mantido por uma conversa incessante sobre "valores" e "ideias"! A adesão à ideologia dos gestores capitalistas, associada a uma "cultura descuidada, atrevida, faladora e narcisística", como escreve A. Accardo, [2] caracteriza certos espécimes das escolas de jornalismo, produtoras mais de habilidade do que de saber. Esse não é o caso de todo os jornalistas, mas, na precariedade, quase todos concordam em sofrer a trela mantida pelos "patrões"! [3]
(...)

Para todas as questões internacionais é feita quase que sistematicamente uma avaliação binária baseada nas noções (primárias e quase religiosas) do Bem e do Mal, regularmente confirmadas pelas correntes doutrinárias dos EUA. A transposição para a ordem interna é evidente: os media dominantes servem o Bem e aqueles que discordam situam-se no campo do Mal!

Enfim, todas as informações macroeconómicas situam-se dentro do quadro exclusivo do capitalismo e da sua gestão: os problemas peculiares ao socialismo, considerado "contra-natura", são sempre objecto de uma rejeição global. As controvérsias admitidas nos media dominantes situam-se apenas dentro do único sistema permitido, ou seja, na economia de mercado e na sua lógica à qual ninguém pode escapar sob pena de desastre social. Não existe nenhuma alternativa e a história económica não tem lugar: está concluída. A prova deste fim da evolução foi trazida pelo fracasso das outras experiências que seria absurdo querer reproduzir "em casa": está fora de questão ter em conta as múltiplas agressões económicas e financeiras sofridas pela URSS, Cuba, Chile, Coreia do Norte, Venezuela, etc.

Denunciar a penúria "noutros lugares" (ou, em alguns casos, o sucesso de tal ou tal medida que seria necessário tomar "em casa") é o caminho para descartar as propostas das oposições na própria economia do país! Inclusive se os contextos estrangeiros são muito diferentes e racionalmente não transponíveis. Assim, favorece-se nos espíritos o conceito de "modelo" e "modelo-a-rejeitar". Todos os "especialistas" (seleccionados) convocados pelos editores principais obviamente confirmam-no em todas as ocasiões!

As regras seguidas

As notícias internacionais dos grandes media estão sujeitas a certas regras de "eficácia" propagandística, embora a equipe editorial se defenda declarando-se "ofendida" e vítima de populismo inaceitável quando questionada.

Uma breve exposição dos métodos seguidos é, no entanto, dificilmente contestável com boa fé.

O descritivo prevalece sistematicamente. Os eventos do dia não têm nem raiz nem história. O flash privilegiado, buscando a emoção, exclui a explicitação. Usa-se a imagem simbólica (por exemplo, uma criança ferida nas ruínas de um bombardeamento) ou um testemunho individual escolhido, como bastando para fazer sentido!
(...)

Cada acontecimento mediático é martelado durante um ou mais dias seguidos, com uma forte intensidade para impregnar os espíritos, desaparece abruptamente para dar lugar a outro que desaparece por sua vez: não há acompanhamento. O objectivo não é fazer as pessoas compreenderem o que se passa, mas "impressionar" a mente para fabricar a opinião desejada pelos poderes. Pode-se imaginar o dano intelectual que esse método produziria no campo da pedagogia escolar!

Todos os dias, existem vários acontecimentos nos ou entre os 200 estados que compartilham o planeta. Os media dominantes "vão às compras", à ordem do dia monopolizada pelas autoridades públicas e privadas, a fim de influenciar a opinião, seja para reforçar uma ideia geral recebida seja para agir sobre uma questão específica sobre a qual é necessário orientar. São escolhidos, por exemplo, eventos que reforcem a hostilidade à China ou à Rússia ou demonstrem que a polícia argelina sabe usar o bastão como a francesa e que não nos podemos deter nas condenações do governo francês pronunciadas pelas Nações Unidas ou o Parlamento Europeu por ocasião da repressão dos Coletes Amarelos em Paris!

Os acontecimentos não são retidos diariamente pelo seu interesse intrínseco, novidade, o seu significado maior ou menor, mas por sua "utilidade" na batalha local do momento (social, ideológica, institucional, etc). Trata-se de ilustrar com imagens internacionais "significativas" o que é "apropriado" pensar na ordem interna: o exercício mediático, de perfeita má-fé, é antes de tudo "pedagógico".

Na ordem internacional, as redacções dispõem de uma grande "liberdade": os cidadãos, na sua maior parte, não estão em condições de verificar o que é dito, ao contrário do que pode ser afirmado na ordem interna. Na massa de acontecimentos que ocorrem em todos os continentes, onde os cidadãos têm alguns meios de avaliação, sempre há alguns que basta referenciar e desenvolver para legitimar qualquer causa!

Ninguém é imposto objectivamente em detrimento de todos os outros! Jornalistas "responsáveis" [4] por serem hábeis, capazes de escolher os factos, mais os "sabedores" que oferecerão um pouco de música de objectividade, para bem orientar os debates e eventualmente desestabilizar o convidado com maus pensamentos, por excepção convidado expressamente para tornar credíveis os "habituais" "bem pensantes" porque a posição destes é conhecida com antecedência!

Está obviamente excluído que os dominantes sejam dominados, mesmo que acidentalmente (daí a raridade de uma passagem de TV ou rádio de um Bourdieu (no passado), um Onfray ou um Badie (actualmente), ou mais geralmente académicos em número capaz (desde que sejam solicitados) para fazerem frente a "avençados" do estilo Minc, Finkelkraut, BH Lévy e outros Zémour ou Ménard e de uma coorte de falsos especialistas mais ou menos economistas ou políticos, saídos de fundações e organizações fantasmas, sempre que sejam necessários!

Repetição é outra regra quando o facto tratado é potencialmente "persuasivo". (...) Assim, a maior ou menor intensidade repetitiva e o domínio dos horários e da preparação criam as condições para um respeito fictício por uma pseudo-"objectividade", altamente reivindicada pelos profissionais dos media. No entanto, o pluralismo não é essa "objectividade" inacessível, mas uma honestidade básica tendo em conta o maior número possível de eventos internacionais, dando-lhes um conteúdo explicativo.

O facto de, nos diversos canais de TV e rádio, a selecção das notícias internacionais estar estandardizada não seria a prova de uma vontade de formatar a opinião, mas, pelo contrário, o respeito por uma "Verdade" única face aos vendedores ambulantes de "notícias falsas", o que é uma triste farsa. Bastaria demonstrar a história das várias "verdades" falsas amplamente divulgadas e repetidas, por exemplo, sobre o exército iraquiano e "suas armas de destruição massiva" ou o "massacre" de Benghazi por mercenários do sr. Kadafi, origem da destruição da Líbia pela NATO.

Eventos internacionais "preferidos" pelos grandes media não são os movimentos populares quando carregam reivindicações sociais, a menos que ocorram em países "inimigos". O que é apresentado não são as pessoas, mas seus líderes que seriam "bons" ou "maus"!
(...)

Um facto nunca é "puro". Ele é sempre "tratado" pelo informante, que fabrica a impressão que o "informado" terá. O tom do comentarista, as palavras que ele usa, possivelmente a música de fundo que acompanha a imagem, a proximidade de outras informações que a contaminam, disfarçando segundo o critério dos media uma realidade crua que é dificilmente acessível.

Uma escrita "boa" é por função manipuladora: os adjectivos de qualificação são usados com oportunidade (um líder odiado que não se deixará de chamar "ditador"), a ironia é bem-vinda (especialmente para os pequenos Estados do Sul em que alguns aspectos podem parecer folclóricos), uma prudência austera é necessária (seja para o Vaticano ou para Israel). O estilo deve ir até à indignação (por violações de direitos humanos num país não ocidental ou por guerras destrutivas quando não são "justas" por exemplo, as da Rússia, e não as de uma coligação pró-ocidental, como no Iémen, cujos "danos colaterais" devem ser admitidos.
(...)

Para os media dominantes, um atirador de pedras contra a polícia de Paris ou contra a polícia da sra. Park (agora na prisão) em Seul [5] é um bandido, mas será um cidadão lúcido e corajoso. se for "gaseado" em Argel [6] ou em Caracas! Um manifestante morto ou ferido em Paris é apenas um "erro grave" de um comportamento individual no âmbito da manutenção da "ordem republicana", nos países menos apreciados como a Venezuela é o resultado da natureza repressiva do poder!

Estas práticas significam que os media dominantes estão necessariamente cada vez mais desacreditados (só 10% dos franceses ainda confiam neles), seja o Pravda do fim da URSS ou a BFMTV (canal de notícias francês) sob a presidência de Macron. No entanto, eles têm o "dever" de superar, através de uma variedade de diversões a sua falta de princípios, a incoerência dos seus julgamentos de valor e o enfraquecimento da cultura democrática de muitos jornalistas, muitas vezes seleccionados pela sua adequação às "normas" e ao seu servilismo oportunista! [7]

Algumas ilustrações

Na ordem interna, é o social que é objecto de todas as censuras e autocensuras, mas reivindicações diferentes, mesmo com reflexos no orçamento, contradizem de facto a lógica de um capitalismo sem escrúpulos que nunca cede quando se trata de dinheiro!

Na ordem internacional, da mesma forma, é neutralizado tudo o que diz respeito às transacções financeiras, imposto de "optimização", fenómenos de concentração, concorrência nunca livre e sempre distorcida! Convém tornar credível uma sociedade internacional "equilibrada", graças ao "livre jogo das leis do mercado" como sendo o melhor para o crescimento e o progresso. O coração do sistema é, portanto, cuidadosamente protegido pelos media dominantes.

A ordem da UE é objecto de todas as "precauções" dos media sejam quais forem as críticas que alguns lhe fazem. A UE, a Comissão e o BCE beneficiam da condescendência mediática, isto foi constatado quando o Estado grego se lhe opôs, também por ocasião do Brexit e das disputas italianas. Na França, o episódio do "Não" ao Referendo de 2005, apesar do apoio total e quase unânime dos media ao "Sim" e depois a manipulação parlamentar, foram apresentados de forma caricatural.

O tratamento dos paraísos fiscais e da evasão fiscal é extremamente complacente: há críticas dos media apenas contra algumas "ovelhas negras", mas nunca o julgamento feito ao sistema de fraude "legal" tolerado pelos Estados. Os casos "Paradise Papers" ou "Panama Papers" foram despolitizados ao máximo possível e as propostas de medidas para impedir estes movimentos financeiros não foram apoiadas.

Os jornalistas sujeitos às classes decadentes e corruptas têm, como elas, medo da verdade, como disse Jaurès em 1904! Eles pertencem a esse "extremo centro", no coração da ideologia servil do sistema mediático, uma opção que permite sucessivamente todas as adesões (Sarkozy, Holland e Macron, este último omnipresente em todas as suas facetas e em todos os canais), expressão de um "novo" mundo, perfeitamente análogo ao antigo. Envergando as vestes da "moderação" sobre as questões financeiras mais "delicadas", os media dominantes salvaguardam o liberalismo financeiro e o seu lugar fora de qualquer controvérsia política!

Para os observadores "honestos", como são os jornalistas dos grandes media, o mundo está dividido sem distinção entre dois tipos de Estado, dois tipos de sistemas socioeconómicos, liderados por dois tipos de líderes: os "bons" (EUA, mesmo com Trump, o capitalismo e os responsáveis alemães e britânicos...) e os "maus" (Rússia, China, Irão, além de Putin, os dirigentes do PC da China, etc). Os meios de comunicação não estabelecem diferenças: estes nunca conseguem nada, estão em permanente crise e ameaçam-nos perigosamente! Em suma, tudo ficaria bem no mundo se eles não existissem.

O delírio às vezes atinge novos patamares: nas últimas décadas, somam-se os absurdos acumulados contra a Coreia do Norte ou a Líbia!

Os media ocidentais não cessaram, por exemplo, de anunciar a morte do regime de Pyong Yang brandindo a ameaça que representava para a paz no mundo, encarnada pelo desfile militar, apresentado em todos os ecrãs, visivelmente a única actividade dos norte-coreanos fanatizados. A este espectáculo edificante, foram adicionados, até à reviravolta de Trump, comentários na televisão e na rádio pelos "especialistas" mais analfabetos sobre os horrores sem paralelo do regime norte-coreano.

A evolução dos Estados Unidos sobre o assunto colocou em reverso a desinformação europeia que então, com pesar, mudou de tom e ... de "especialistas", sem no entanto lembrarem os danos económicos, políticos e humanos de 70 anos de embargo!

Kaddafi, comparado a um louco perigoso, e a Jamahiriya líbia, não foram melhor tratados até a guerra de Sarkozy e B-H. Levy destruindo todo o país que oito anos depois ainda vive no caos! Os media preferem ainda hoje manter um silêncio quase total sem o menor arrependimento.

Por outro lado, o menor sobressalto positivo na Arábia Saudita, como a carta de condução para mulheres, é saudado como um grande avanço democrático! Dólares e petróleo assim obrigam!

Na África (especialmente de língua francesa), onde se multiplicam eleições presidenciais fraudulentas, os media ocidentais dominantes fazem prova de discrição: a indignação por fraude eleitoral é orientada noutras direcções! É que os media devem ser prudentes com os Bolloré e outros grandes grupos como o Total com interesses nessas terras difíceis e, portanto, são complacentes com as autoridades locais mais corruptas. [9]

Quando as tropas da NATO destruíram todo o Médio Oriente e continuam a fazê-lo com a Arábia Saudita no Iémen, é "explicado" que essas guerras são conduzidas de acordo com o direito humanitário, o que não é o caso dos russos na Síria, por exemplo, "aliado incondicional" do carrasco de Damasco! Os jornalistas não precisam se perguntar sobre o custo das"guerras justas", mas apenas sobre o das intervenções russas ou iranianas, cuja maleficência é óbvia!

A nova ditadura brasileira não preocupa os jornalistas especialistas da América do Sul. Por outro lado, a Venezuela chavista merece todas as acusações, embora o regime bolivariano tenha tirado, antes de sofrer a crise actual em grande parte devido às políticas americanas, milhares de venezuelanos de miséria!

Está claro para os media dominantes que nenhuma experiência de orientação socialista pode beneficiar do mínimo de crédito, porque, é desnecessário dizer, nenhuma "deve" ter sucesso!

De Allende a Maduro, passando pelo regime cubano, foi mediaticamente proclamado que o fracasso estava programado. E são tantos os golpes na esquerda ocidental quando esta é solidária!
(...)

Tendo necessidade de inimigos, o sistema mediático cultiva um espírito de "guerra fria" e um mundo unipolar cujo centro é o Ocidente, contra qualquer avanço de uma multipolaridade, no entanto favorável às trocas e à manutenção de uma paz justa.

A NATO (ao contrário das Nações Unidas) nunca é questionada, apesar do protagonismo desempenhado pelos Estados Unidos e pelo seu unilateralismo agressivo (800 bases militares em todo o mundo). Pelo contrário, é apoiada pelos media, como vimos na crise ucraniana, na reintegração da Crimeia na Rússia e na agressividade polaca ou báltica em relação ao Kremlin.

Quanto aos direitos humanos e humanitários, são tratados de maneira muito diferente, conforme os casos.

Às vezes, ocupam o essencial ao ponto de subordinarem qualquer outro problema; são esquecidos quando os poderes que os violam estão associados ao Ocidente, como é o caso da Turquia de Erdogan, um pivô da Aliança Atlântica, inclusive quando massacrou o povo curdo. O mesmo vale para os direitos dos migrantes dos quais se esquece que são humanos, postos de parte perante uma política securitária cada vez mais invasiva.

Estas orientações gerais não excluem expressões pontuais de posições críticas, fazendo acreditar que não há monolitismo, ilusão que tem o "mérito" de reforçar a credibilidade de um pensamento conformista, mas renovado, se o compararmos, por exemplo, com a época gaulista dos primórdios da V República Francesa. A falsa "elite" que exerce a sua hegemonia através dos media tem, é necessário reconhecê-lo, a capacidade de inovar e oferecer à opinião pública as variações que lhe permitem perdurar. [9]

Assim, dia após dia, desenvolve-se em contínuo a desinformação que formata os cidadãos, utilizando o subterfúgio do internacional, para adoptarem uma posição "politicamente correcta" na ordem interna. É este o único objectivo do tempo e lugar limitados concedidos às relações internacionais. Essa propaganda intensa é na "sociedade democrática", como diz Noam Chomsky, o que a matraca é no Estado totalitário! Se a matraca é dolorosa, a prática dos media ocidentais tem a "virtude" de fabricar em cadeia imbecis e ignorantes que é difícil de curar.

Parafraseando G. Bachelard que afirmava "não há ciência, apenas crítica", podemos concluir "não há informação autêntica, apenas crítica", ou seja, em ruptura com o Estado e o dinheiro.

Mas como conseguir isso? No contexto do sistema, é óbvio que o realismo proíbe qualquer solução.

Mas "realismo", responde Bernanos, "é o bom senso dos patifes".

Aqui chegámos!

[1] Lembremos como os "boatpeoples" de vietnamitas anticomunistas foram "aplaudidos", ao contrário dos refugiados chilenos, por exemplo, expulsos por Pinochet, acolhidos por comunistas e progressistas europeus.
[2] A. Accardo. Pour une socio-analyse du journalisme, Agnone. 2017.
[3] Ver A. Lancelin. La pensée en otage. S'armer intellectuellement contre les médias dominants, Les liens qui libèrent, 2018.
[4] Essa categoria muito privilegiada e muito restrita, adquirida no sistema, deve ser distinguida da massa de jornalistas mais ou menos precários que não podem realmente exercer a sua profissão (metade dos jornalistas franceses ganha o salário mínimo, totalmente dependentes de seu empregador).
[5] O movimento popular na Coreia do Sul, que, de maneira massiva e pacífica, conseguiu impor a demissão de Mrs. Park em 2017, foi praticamente ignorado na Europa. O "exemplo" era "perigoso"!
[6] Como é tradição dos governos e dos media franceses, a posição em relação aos eventos na Argélia é a de pôr "dois espetos no mesmo lume": garantindo que qualquer que seja o seguimento poder optar claramente por uma força ou outra (veja-se a "cautela" usada na guerra civil entre os islamitas e o exército nos anos 90 ou nas eleições presidenciais de abril de 2019).
[7] Quando os jornalistas mais "eminentes" (os únicos responsáveis pelo discurso dominante) são postos em causa pelo seu seguidismo, seu espírito de cortesãos e a sua agressividade (inclusive no Serviço Público) contra os oponentes, eles tendem a fazer bloco, aproveitando o silêncio forçado dos seus colegas mais precários. Eles denunciam "conspirações" e "populismo", sem dar qualquer definição. Esse espírito de corpo é pré-fabricado nas escolas de jornalismo, onde um certo "know-how" é ensinado acima de tudo o resto, sem exigências da necessária cultura crítica.
[8] As críticas são muito mais firmes quando se trata de certos países mais distantes da Europa, como por exemplo Sudão ou Argélia. Existe, portanto, uma visão muito diferente das práticas internas idênticas dos Estados, de acordo com sua orientação externa. Ver R. Charvin. Nouvelle "guerre froide" ou nouveau type de belligérance? in Relations Internationales (Paris), n° 108. janeiro a março de 2017.
[9] Felizmente, "A história é um cemitério de elites", como escreve Thomas Bo Homore (Elites and Society, Londres, Watts, 1964).


A íntegra do original encontra-se em www.investigaction.net/...

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
17/Set/19