Os multiplicadores de propaganda (1)

– Como as agências de notícias globais e os media do ocidente informam sobre geopolítica

por SPR [*]

 
"Portanto, você deve sempre perguntar a si próprio: por que obtenho estas informações específicas, neste formulário específico, neste momento específico? Em última análise, estas são sempre perguntas sobre poder."
Dr. Konrad Hummler, executivo suíço de bancos e media

Um dos aspetos mais importantes do nosso sistema mediático ainda pouco conhecido do público é que a maior parte da cobertura internacional de notícias nos media ocidentais é fornecida por apenas três agências globais de notícias com sede em Nova York, Londres e Paris.

O principal papel desempenhado por essas agências significa que os media ocidentais costumam relatar os mesmos tópicos, usando mesmo as mesmas palavras. Além disso, governos, serviços militares e secretos usam essas agências globais de notícias como multiplicadores para espalharem as suas mensagens pelo mundo.

Um estudo sobre a cobertura da guerra na Síria por nove principais jornais europeus ilustra claramente essas questões: 78% de todos os artigos foram baseados no todo ou em parte em relatórios de agências, mas 0% em pesquisas de investigação. Além disso, 82% de todas as opiniões e entrevistas eram a favor de uma intervenção dos EUA e da NATO, enquanto a propaganda era atribuída exclusivamente ao lado oposto.

Introdução: "Algo estranho"

"Como é que o jornal sabe o que sabe?" A resposta a esta pergunta provavelmente surpreenderá alguns leitores de jornais: "A principal fonte de informação são as histórias das agências de notícias. As agências de notícias que operam quase anonimamente são de certa forma a chave para os eventos mundiais. Então, quais são os nomes dessas agências, como funcionam e quem as financia? Para julgar quanto se está bem informado sobre os eventos no Oriente e no Ocidente, deve-se saber as respostas a estas perguntas." (Höhne 1977, p. 11)

Um pesquisador dos media suíço aponta: "As agências de notícias são os fornecedores mais importantes de material para os media de grande circulação. Nenhum meio de comunicação diário pode funcionar sem eles. (...) Portanto, as agências de notícias influenciam a nossa imagem do mundo; acima de tudo, sabemos o que eles selecionaram." (Blum 1995, p. 9)

Em vista de sua importância essencial, é ainda mais surpreendente que essas agências dificilmente sejam conhecidas do público: "Grande parte das pessoas nem sabe que as agências de notícias existem. Porém, na realidade, desempenham um papel extremamente importante no mercado mediático. Apesar dessa grande importância, pouca atenção lhes foi dada no passado. "(Schulten-Jaspers 2013, p. 13)

Até o chefe de uma agência de notícias observou: "Há algo de estranho nas agências de notícias. São pouco conhecidas do público. Diferentemente de um jornal, a atividade delas não está à vista do público, mas sempre se encontram como fontes da história que é contada". (Segbers 2007, p. 9)

"O centro nevrálgico invisível do sistema mediático"

Então, quais são os nomes dessas agências que estão "sempre na fonte da história contada"? Atualmente, restam apenas três agências de notícias globais: A American Associated Press ( AP ) com mais de 4 000 funcionários em todo o mundo. A AP pertence às empresas de media dos EUA e tem o seu principal escritório editorial em Nova York. As notícias da AP são usadas por cerca de 12 000 meios de comunicação social internacionais, atingindo mais de metade da população mundial todos os dias.

A agência francesa quase governamental France-Presse ( AFP ), sediada em Paris e com cerca de 4 000 funcionários, envia mais de 3 000 histórias e fotos todos os dias para os media em todo o mundo.

A agência britânica Reuters , em Londres, de propriedade privada, emprega um pouco mais de 3 000 pessoas. A Reuters foi adquirida em 2008 pelo empresário canadiano Thomson – uma das 25 pessoas mais ricas do mundo – e incorporada à Thomson Reuters , com sede em Nova York.

Além disso, muitos países administram suas próprias agências de notícias. Estes incluem, por exemplo, o DPA alemão, o APA austríaco e o SDA suíço. Quando se trata de notícias internacionais, no entanto, as agências nacionais geralmente confiam nas três agências globais e simplesmente copiam e traduzem seus relatórios.


As três agências de notícias globais Reuters, AFP e AP
e as três agências nacionais dos países de língua alemã
da Áustria (APA), Alemanha (DPA) e Suíça (SDA).

Wolfgang Vyslozil, ex-diretor da APA austríaca, descreveu o principal papel das agências de notícias com estas palavras: "As agências de notícias raramente são vistas pelo público. No entanto, são um dos tipos de media mais influentes e ao mesmo tempo um dos menos conhecidos. São instituições-chave de importância substancial para qualquer sistema mediático. Elas são o centro nervoso invisível que conecta todas as partes deste sistema. "(Segbers 2007, p.10)

Uma pequena abreviatura, um grande efeito

No entanto, há uma razão simples pela qual as agências globais, apesar de sua importância serem praticamente desconhecidas do público em geral. Para citar um professor de comunicação suíço: "A rádio e a televisão geralmente não dão o nome das suas fontes e somente especialistas podem decifrar referências em revistas." (Blum 1995, p. 9)

O motivo dessa discrição, no entanto, deve ser claro: os meios de comunicação não estão particularmente interessados em que os leitores saibam que eles próprios não pesquisaram a maioria das suas contribuições.

A figura a seguir mostra alguns exemplos de marcação de origem em jornais populares da Europa. Ao lado das abreviaturas da agência, encontramos as iniciais dos editores que editaram esse relato da agência.


Agências de notícias como fontes das notícias de jornal

Ocasionalmente, os jornais usam material de agência, mas não o rotulam. Um estudo realizado em 2011 pelo Instituto de Pesquisa Suíço para a Esfera Pública e Sociedade da Universidade de Zurique chegou às seguintes conclusões (FOEG 2011):

"As contribuições das agências são exploradas integralmente sem rotulá-las ou são parcialmente reescritas para fazê-las parecer uma contribuição editorial. Além disso, existe uma prática de "apimentar" os relatos das agências com pouco esforço: por exemplo, relatos não publicados das agências são enriquecidos com imagens e gráficos e apresentados como um estudo exaustivo.

As agências desempenham um papel de destaque não apenas na imprensa, mas também na rádio e televisão públicas e privadas. Isso é confirmado por Volker Braeutigam, que trabalhou para a emissora estatal alemã ARD durante dez anos e vê criticamente o domínio dessas agências:

"Um problema fundamental é que a redação da ARD obtém as suas informações principalmente de três fontes: as agências de notícias DPA/AP, Reuters e AFP: uma alemã / americana, uma britânica e uma francesa. (...) O editor que trabalha num tópico de notícias precisa selecionar apenas algumas passagens de texto que considerar essenciais, reorganizá-las e colá-las com alguns floreados."

A Rádio e Televisão Suíça (SRF) também se baseia em grande parte nos relatórios dessas agências. Questionados pelos telespectadores por que uma marcha pela paz na Ucrânia não foi divulgada, os editores disseram : "Até o momento, não recebemos um único relato dessa marcha das agências independentes Reuters, AP e AFP".

De facto, não apenas o texto, mas também as imagens, gravações de som e vídeo que encontramos diariamente nos nossos media, são principalmente das mesmas agências. O que o público não iniciado pode considerar contribuições de seus jornais ou emissoras de TV locais, na verdade são reportagens copiadas de Nova York, Londres e Paris.

Alguns meios de comunicação deram um passo adiante e, por falta de recursos, deslocaram todo o serviço editorial estrangeiro para uma agência. Além disso, é sabido que muitos portais de notícias na Internet publicam principalmente relatos de agências (ver, por exemplo, Paterson 2007, Johnston 2011, MacGregor 2013).

No final, essa dependência das agências globais cria uma semelhança impressionante nas reportagens internacionais: de Viena a Washington, os nossos media costumam relatar os mesmos tópicos, usando muitas vezes as mesmas frases - um fenómeno que de outra forma seria associado aos "media controlados" em estados totalitários.

O gráfico a seguir mostra alguns exemplos de publicações alemãs e internacionais. Como se pode ver, apesar da objetividade reivindicada, uma tendência (geo-) política por vezes insinua-se de forma negligente.


"Putin ameaça", "o Irão provoca", "NATO preocupada",
"reduto de Assad":   semelhanças no conteúdo e na redação
devido aos relatos das agências de notícias globais.

O papel dos correspondentes

Muitos de nossos meios de comunicação não têm correspondentes estrangeiros, portanto, não têm escolha a não ser confiar completamente nas agências globais para notícias estrangeiras. E os grandes jornais diários e estações de TV que têm seus próprios correspondentes internacionais? Nos países de língua alemã, por exemplo, incluem-se jornais como NZZ, FAZ, Sueddeutsche Zeitung, Welt e emissoras públicas.

Antes de tudo, as proporções de tamanho devem ser lembradas: embora as agências globais tenham milhares de funcionários em todo o mundo, mesmo o jornal suíço NZZ, conhecido pelas suas reportagens internacionais, mantém apenas 35 correspondentes estrangeiros (incluindo correspondentes de negócios). Em grandes países, como China ou Índia, apenas um correspondente está estacionado; toda a América do Sul é coberta por apenas dois jornalistas, enquanto na África, ainda maior, ninguém fica permanentemente no local.

Além disso, nas zonas de guerra, os correspondentes raramente se aventuram. Na guerra na Síria, por exemplo, muitos jornalistas "reportaram" o que se passava a partir de cidades como Istambul, Beirute, Cairo ou mesmo Chipre. Além disso, muitos jornalistas não possuem as capacidades linguísticas para entender as pessoas e os media locais.

Como podem os correspondentes nessas circunstâncias saber quais são as "notícias" nessa região do mundo? A principal resposta é mais uma vez: a partir das agências globais. O correspondente holandês no Médio Oriente, Joris Luyendijk, descreveu de maneira impressionante como os correspondentes funcionam e como dependem das agências mundiais no seu livro People Like Us: Misrepresenting the Middle East .

"Eu imaginava que os correspondentes fossem historiadores em cima do acontecimento. Quando algo importante acontecia, eles procurariam, descobririam o que se passava e relatariam. Eu não ia lá para descobrir o que estava a acontecer; isso já havia sido feito há muito. Fui em frente apresentando uma reportagem feita no local.

Os editores da Holanda ligaram-me quando isto aconteceu, enviaram-me por fax e email comunicados à imprensa que eu repetia com minhas próprias palavras na rádio ou os retrabalhava num artigo para o jornal. Os meus editores acharam isto mais importante do que o que eu pudesse encontrar no próprio local e que eu sabia que estava a acontecer. As agências de notícias fornecem informações suficientes para que se possa escrever ou conversar sobre qualquer crise ou reunião de cúpula.

É por isso que se encontram sempre as mesmas imagens e histórias folheando jornais diferentes ou clicando nos canais de notícias. Embora, os nossos homens e mulheres nos gabinetes de Londres, Paris, Berlim e Washington, pensassem que tópicos errados estavam a dominar as notícias e que estávamos a seguir servilmente os padrões das agências de notícias.

A ideia comum sobre os correspondentes é que eles 'têm a história' (...), mas a realidade é que as notícias são como um tapete rolante de uma fábrica de pão. Os correspondentes estão no final da correia transportadora, fingindo que nós mesmos fizemos o pão branco, enquanto na verdade tudo o que fizemos foi colocá-lo na embalagem.

Um amigo perguntou-me como é que eu conseguia responder a todas as perguntas durante essas conversas cruzadas, a qualquer hora e sem hesitação. Quando eu lhe disse que, como nos noticiários da TV, se sabem todas as perguntas com antecedência, a resposta dele por email veio cheia de palavrões. Meu amigo acabara de verificar que, há décadas, aquilo a que ele assistia e ouvia nos noticiários era puro teatro." (Luyendjik 2009, p. 20-22, 76, 189)

Por outras palavras, o correspondente típico geralmente não é capaz de fazer pesquisas independentes, mas lida e reforça os tópicos já prescritos pelas agências de notícias - o notório "efeito dominante".

Além disso, por razões de redução de custos, muitos meios de comunicação precisam partilhar os seus poucos correspondentes estrangeiros e, dentro dos diversos grupos mediáticos, os relatos do estrangeiro são frequentemente usados por várias publicações - nenhuma das quais contribui para a diversidade das reportagens.

"O que a agência não informa, não ocorre"

O papel central das agências de notícias também explica por que, em conflitos geopolíticos, a maioria dos media usa as mesmas fontes. Na guerra da Síria, por exemplo, o " Syrian Observatory for Human Rights " – uma organização dúbia baseada em Londres – teve uma representação destacada. Os meios de comunicação raramente conseguiam fazer perguntas diretamente a este "Observatório", pois era difícil chegar à sua operadora, mesmo jornalistas.

Em vez disso, o "Observatório" entregava as suas notícias às agências globais, que as encaminhavam para milhares de meios de comunicação, que por sua vez "informavam" centenas de milhões de leitores e espectadores em todo o mundo. A razão pela qual as agências, de todos os lugares, se referiram a esse estranho "Observatório" nos seus relatos – e quem realmente o financiava – é uma pergunta que raramente é feita.

O ex-editor-chefe da agência de notícias alemã DPA, Manfred Steffens, declara no seu livro "The Business of News": "Uma notícia não se torna mais correta simplesmente porque é possível fornecer uma fonte para ela. Na verdade, é bastante questionável confiar mais numa notícia simplesmente porque uma fonte é citada. (...) Por detrás do escudo protetor que essa fonte significa para uma história, algumas pessoas tendem a espalhar coisas bastante ilusórias, mesmo que elas próprias tenham legítimas dúvidas sobre a sua correção; a responsabilidade, pelo menos moralmente, sempre pode ser atribuída à fonte citada." (Steffens 1969, p. 106)

A dependência de agências globais também é uma das principais razões pelas quais a cobertura dos media sobre conflitos geopolíticos é muitas vezes superficial e irregular, enquanto as relações e os antecedentes históricos são fragmentados ou totalmente ausentes. Como afirma Steffens: "As agências de notícias recebem as suas orientações quase exclusivamente dos eventos atuais e, portanto, são por natureza muito desligadas da História. Eles têm relutância em adicionar mais contexto ao que é estritamente necessário. "(Steffens 1969, p. 32)

Finalmente, o domínio das agências globais explica por que certas questões e eventos geopolíticos – que muitas vezes não se encaixam muito bem na narrativa dos EUA / NATO ou são demasiado "sem importância" – não são mencionados nos nossos media: se as agências não reportam algo, a maioria da media ocidentais não estará preocupada com isso. Como apontado na ocasião do 50º aniversário da DPA alemã: "O que a agência não informa, não ocorre." (Wilke 2000, p. 1)

"Adicionando histórias questionáveis"

Embora certas notícias não apareçam nos nossos media, algumas outras são muito importantes: "Muitas vezes, os media de grande circulação não informam sobre a realidade, mas sobre uma realidade construída ou encenada. (...) Vários estudos mostraram que esses meios de comunicação são predominantemente determinados por atividades de relações públicas e que atitudes passivas e recetivas superam as de pesquisa ativa." (Blum 1995, p 16)

De facto, devido ao desempenho jornalístico bastante baixo dos nossos media e à sua alta dependência de algumas agências de notícias, é fácil para as partes interessadas espalhar propaganda e desinformação num formato supostamente respeitável para um público mundial. O editor da DPA, Steffens, alertou para este perigo:

"O senso crítico torna-se mais adormecido quanto mais respeitada a agência de notícias ou o jornal. Alguém que queira introduzir uma história questionável na imprensa mundial precisa apenas colocar a sua história numa agência razoavelmente respeitável, para ter a certeza que ela aparecerá um pouco mais tarde nas outras. Às vezes acontece que uma farsa passa de agência para agência tornando-se cada vez mais credível." (Steffens 1969, p. 234)

Entre os atores mais ativos na "injeção" de notícias geopolíticas questionáveis estão os ministérios militar e de defesa. Por exemplo, em 2009, o chefe da agência de notícias americana AP, Tom Curley, tornou público que o Pentágono emprega mais de 27 mil especialistas em relações públicas, com um orçamento de quase 5 mil milhões de dólares por ano, que trabalham nos media fazendo circular informação manipulada. Além disso, generais de alto escalão dos EUA ameaçaram "arruina-lo" e à AP se os jornalistas relatassem demasiado criticamente as forças armadas dos EUA.

Apesar – ou por causa disso? – de tais ameaças, os nossos media publicam regularmente histórias dúbias provenientes de alguns "informadores" não identificados dos "círculos de defesa dos EUA".

Ulrich Tilgner, um veterano correspondente do Médio Oriente da televisão alemã e suíça alertou em 2003, logo após a guerra do Iraque, para as ações de engano militares e o papel desempenhado pelos media.

"Com a ajuda dos media, os militares determinam a perceção do público e a usam nos seus planos. Eles conseguem agitar as expectativas e espalhar cenários enganosos. Neste novo tipo de guerra, os estrategistas de relações públicas da administração dos EUA cumprem uma função semelhante à dos pilotos de bombardeiros. Os departamentos especiais de relações públicas no Pentágono e nos serviços secretos tornaram-se combatentes na guerra da informação.

Para as suas manobras fraudulentas, os militares dos EUA usam especificamente a falta de transparência da cobertura mediática. A maneira como eles divulgam informações, que são coletadas e distribuídas pelos jornais e emissoras, torna impossível aos leitores, ouvintes ou espectadores rastrear a fonte original. Assim, o público deixará de reconhecer a real intenção das forças armadas." (Tilgner 2003, p. 132)

O que é sabido pelos militares dos EUA não será estranho aos serviços secretos dos EUA. Num notável relatório do Canal 4 britânico, um ex-funcionário da CIA e um correspondente da Reuters falaram abertamente sobre a disseminação sistemática de propaganda e desinformação nas reportagens sobre conflitos geopolíticos:

O ex-responsável da CIA e denunciante John Stockwell disse sobre o seu trabalho na guerra angolana: "O tema básico era fazer parecer uma agressão [inimiga]. Então, qualquer tipo de história que se pudesse escrever e fazer entrar nos media em qualquer lugar do mundo, que defendesse essa linha, nós fizemos. Um terço da minha equipa nessa tarefa eram propagandistas, cujo trabalho profissional era inventar histórias e encontrar maneiras de colocá-las na imprensa. (...) Os editores da maioria dos jornais ocidentais não são muito céticos em relação às mensagens que estão de acordo com opiniões e preconceitos gerais. (...) Portanto criámos histórias e elas continuaram durante semanas. (...) Mas foi tudo ficção. "

Fred Bridgland analisou o seu trabalho como correspondente de guerra de agência Reuters: "Baseamos nossos relatórios em comunicações oficiais. Só anos depois soube que um pequeno especialista em desinformação da CIA estava sentado na embaixada dos EUA e compunha esses comunicados que não tinham absolutamente nenhuma relação com a verdade. (...) Basicamente, e para ser muito direto, você pode publicar qualquer porcaria que será publicada no jornal."

E o ex-analista da CIA David MacMichael descreveu o seu trabalho na Guerra dos Contra na Nicarágua com estas palavras: "Eles disseram que a nossa espionagem na Nicarágua era tão boa que até conseguíamos registar quando alguém despejava o vaso sanitário. Mas tive a sensação de que as histórias que estávamos contando à imprensa saíam diretas da casa de banho." ( Hird 1985 )

Obviamente, os serviços secretos também têm um grande número de contactos nos nossos media, para onde podem ser enviadas "fugas" de informação, se necessário. Mas sem o papel central das agências de notícias globais, a sincronização mundial de propaganda e desinformação nunca seria tão eficiente.

Por meio desse "multiplicador de propaganda", histórias dúbias de especialistas em relações públicas que trabalham para governos, serviços militares e secretos chegam ao público em geral mais ou menos sem controlo nem filtro. Os jornalistas referem-se às agências de notícias e as agências de notícias referem-se às suas fontes. Embora muitas vezes tentem apontar incertezas (e se protegerem) com termos como "aparente", "alegado" e similares, o boato já se espalhou por todo o mundo e seu efeito ocorreu.

O multiplicador de propaganda: governos, serviços militares e secretos usados pelas agências de notícias globais para disseminar as suas mensagens para uma audiência mundial.

Como o New York Times informou ...

Além das agências de notícias globais, há outra fonte frequentemente usada pelos meios de comunicação de todo o mundo para relatar conflitos geopolíticos, designadamente as principais publicações da Grã-Bretanha e dos EUA.

Os meios de comunicação como o New York Times ou a BBC podem ter até 100 correspondentes estrangeiros e funcionários externos adicionais. No entanto, como aponta Luyendijk, correspondente do Oriente Médio:

"As nossas equipas de notícias, inclusivamente eu, alimentaram-se da seleção de notícias feitas pelos media de qualidade como CNN, BBC e New York Times. Fizemos isso partindo do pressuposto de que os seus correspondentes entendiam o mundo árabe e tinham uma visão dele – mas muitos deles nem falavam árabe, ou pelo menos não o suficiente para poderem ter uma conversa ou seguir os meios de comunicação locais. Muitos dos principais agentes da CNN, da BBC, do Independent, do Guardian, da New Yorker e do NYT geralmente dependem de assistentes e tradutores." (Luyendijk p. 47)

Além disso, as fontes desses meios de comunicação muitas vezes não são fáceis de verificar ("círculos militares", "funcionários anónimos do governo", "funcionários de serviços secretos" e similares) e, portanto, também podem ser usadas para a divulgação de propaganda. De qualquer forma, a orientação generalizada das principais publicações anglo-saxónicas promove a convergência na cobertura geopolítica dos nossos media.

A figura seguinte mostra exemplos destas citações da cobertura da Síria do maior jornal diário da Suíça, Tages-Anzeiger.

As notícias são todas dos primeiros dias de outubro de 2015, quando a Rússia interveio pela primeira vez diretamente na guerra síria (destacam-se as fontes EUA / Reino Unido):

Citações frequentes dos principais meios de comunicação britânicos e norte-americanos, exemplificada pela cobertura de guerra da Síria do jornal diário suíço Tages-Anzeiger em outubro de 2015.

A narrativa desejada

Mas por quê os jornalistas dos nossos media não tentam simplesmente pesquisar e relatar independentemente das agências globais e dos media anglo-saxónicos? O correspondente do Médio Oriente, Luyendijk descreve suas experiências:

"Pode-se sugerir que eu deveria ter procurado fontes nas quais pudesse confiar. Eu tentei, mas sempre que eu queria escrever uma história sem usar agências de notícias, ela era posta de parte nos principais media anglo-saxónicos ou pelos comentadores (..) Obviamente, como correspondente poderia contar histórias muito diferentes acerca da mesma situação. Mas os media só podem apresentar uma versão e, com bastante frequência, essa é a narratia que confirma exatamente a imagem predominante". (Luyendijk p.54ff)

O investigador dos media Noam Chomsky descreveu esse efeito no seu ensaio "What makes the mainstream media mainstream" da seguinte forma: "Se você sair da linha oficial, se produzir relatos dissidentes, logo sentirá isso. (...) Existem várias maneiras de o por na linha rapidamente. Se não seguir as diretrizes, não manterá seu emprego por muito tempo. O sistema funciona muito bem e reflete as estruturas de poder estabelecidas". (Chomsky 1997)

No entanto, alguns dos principais jornalistas continuam a acreditar que ninguém lhes pode dizer o que escrever. Como sucede isto? O pesquisador de media esclarece a aparente contradição:

"[A] questão é que eles não estariam lá, a menos que já tivessem demonstrado que ninguém precisa dizer-lhes o que escrever, porque vão dizer a coisa certa. Se eles tivessem começado em qualquer outro lugar e tivessem seguido o tipo errado de histórias, nunca teriam chegado às posições em que agora podem dizer o que quiserem. O mesmo se aplica principalmente ao corpo docente universitário nas disciplinas mais ideológicas. Eles passaram por um sistema de socialização". (Chomsky 1997)

Por fim, esse "sistema de socialização" leva a um jornalismo que não é mais de pesquisa relatando criticamente de forma independente conflitos geopolíticos (e alguns outros tópicos), mas basta consolidar a narrativa desejada por meio de editoriais, entrevistas e comentários apropriados.

Conclusão: A "Primeira lei do jornalismo"

Eis o que o ex-jornalista da AP Herbert Altschull chamou de Primeira Lei do Jornalismo: "Em todos os sistemas de imprensa, os meios de comunicação são instrumentos daqueles que exercem o poder político e económico. Jornais, periódicos, estações de rádio e televisão não agem de forma independente, embora tenham a possibilidade de exercício independente de poder". (Altschull 1984/1995, p. 298)

Nesse sentido, é lógico que os nossos media tradicionais – que são predominantemente financiados pela publicidade ou pelo Estado – representem os interesses geopolíticos da aliança transatlântica, uma vez que tanto as empresas de publicidade quanto os próprios Estados dependem da economia transatlântica e da arquitetura de segurança liderada pelos Estados Unidos.

Além disso, as pessoas-chave dos nossos principais líderes – no espírito do "sistema de socialização" de Chomsky – muitas vezes fazem parte das redes de elite transatlânticas. Algumas das instituições mais importantes a esse respeito incluem o Conselho de Relações Exteriores dos EUA, o Grupo Bilderberg e a Comissão Trilateral, todas com muitos jornalistas que se destacam. (ver um estudo aprofundado destes grupos )

A maioria das publicações conhecidas, pode, portanto, de facto ser vista como uma espécie de "media do establishment". Isso ocorre porque, no passado recente, a liberdade de imprensa era bastante teórica, dadas barreiras significativas à entrada, como licenças de transmissão, faixas de frequência, requisitos para financiamento e infraestrutura técnica, canais de vendas limitados, dependência de publicidade e outras restrições.

Foi apenas devido à Internet que a Primeira Lei de Altschull foi em certa medida violada. Assim, nos últimos anos, surgiu um jornalismo de alta qualidade e financiado pelos leitores, muitas vezes superando os media tradicionais em termos de reportagem crítica. Algumas dessas publicações "alternativas" já alcançam um público muito grande, mostrando que a "massa" não tem de ser um problema para a qualidade de um meio de comunicação.

No entanto, agora, os media tradicionais também conseguiram atrair uma sólida maioria de visitantes on-line. Isso, por sua vez, está intimamente ligado ao papel oculto das agências de notícias, cujos relatórios atualizados são a espinha dorsal da maioria dos sites de notícias online.

O "poder político e económico" manterá o controlo sobre as notícias, de acordo com a Lei de Altschull ou as "notícias não controladas" mudarão a estrutura de poder político e económico? Os próximos anos irão mostrar-nos se isso é possível..

Bibliografia
Altschull, Herbert J. (1984/1995): Agents of power. The media and public policy. Longman, New York.
Becker, Jörg (2015): Medien im Krieg – Krieg in den Medien. Springer Verlag für Sozialwissenschaften, Wiesbaden.
Blum, Roger et al. (Hrsg.) (1995): Die AktualiTäter. Nachrichtenagenturen in der Schweiz. Verlag Paul Haupt, Bern.
Chomsky, Noam (1997): What Makes Mainstream Media Mainstream. Z Magazine, MA. (PDF)
Forschungsinstitut für Öffentlichkeit und Gesellschaft der Universität Zürich (FOEG) (2011): Jahrbuch Qualität der Medien, Ausgabe 2011. Schwabe, Basel.
Gritsch, Kurt (2010): Inszenierung eines gerechten Krieges? Intellektuelle, Medien und der „Kosovo-Krieg" 1999. Georg Olms Verlag, Hildesheim.
Hird, Christopher (1985): Standard Techniques. Diverse Reports, Channel 4 TV. 30. Oktober 1985. (Link)
Höhne, Hansjoachim (1977): Report über Nachrichtenagenturen. Band 1: Die Situation auf den Nachrichtenmärkten der Welt. Band 2: Die Geschichte der Nachricht und ihrer Verbreiter. Nomos Verlagsgesellschaft, Baden-Baden.
Johnston, Jane & Forde, Susan (2011): The Silent Partner: News Agencies and 21st Century News. International Journal of Communication 5 (2011), p. 195–214. (PDF)
Krüger, Uwe (2013): Meinungsmacht. Der Einfluss von Eliten auf Leitmedien und Alpha-Journalisten – eine kritische Netzwerkanalyse. Herbert von Halem Verlag, Köln.
Luyendijk, Joris (2015): Von Bildern und Lügen in Zeiten des Krieges: Aus dem Leben eines Kriegsberichterstatters – Aktualisierte Neuausgabe. Tropen, Stuttgart.
MacGregor, Phil (2013): International News Agencies. Global eyes that never blink. In: Fowler-Watt/Allan (ed.): Journalism: New Challenges. Centre for Journalism & Communication Research, Bournemouth University. (PDF)
Mükke, Lutz (2014): Korrespondenten im Kalten Krieg. Zwischen Propaganda und Selbstbehauptung. Herbert von Halem Verlag, Köln.
Paterson, Chris (2007): International news on the internet. The International Journal of Communication Ethics. Vol 4, No 1/2 2007. (PDF)
Queval, Jean (1945): Première page, Cinquième colonne. Arthème Fayard, Paris.
Schulten-Jaspers, Yasmin (2013): Zukunft der Nachrichtenagenturen. Situation, Entwicklung, Prognosen. Nomos, Baden-Baden.
Segbers, Michael (2007): Die Ware Nachricht. Wie Nachrichtenagenturen ticken. UVK, Konstanz.
Steffens, Manfred [Ziegler, Stefan] (1969): Das Geschäft mit der Nachricht. Agenturen, Redaktionen, Journalisten. Hoffmann und Campe, Hamburg.
Tilgner, Ulrich (2003): Der inszenierte Krieg – Täuschung und Wahrheit beim Sturz Saddam Husseins. Rowohlt, Reinbek.
Wilke, Jürgen (Hrsg.) (2000): Von der Agentur zur Redaktion. Böhlau, Köln.


A seguir, estudo de caso: a cobertura da guerra na Síria.

[*] SPR: Swiss Propaganda Research, um grupo de pesquisa independente que investiga propaganda geopolítica nos media suíços e internacionais

O original encontra-se em swprs.org/the-propaganda-multiplier/ . Tradução de DVC.


Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .
06/Jan/20