Os multiplicadores de propaganda (2)

– Como as agências de notícias globais e os media do ocidente informam sobre geopolítica
– Estudo de caso: cobertura da guerra na Síria
– A primeira parte deste estudo encontra-se aqui

por Swiss Propaganda Research [*]

Como parte de um estudo de caso, a cobertura da guerra na Síria foi examinada em nove principais jornais da Alemanha, Áustria e Suíça, quanto à pluralidade de pontos de vista e dependência das agências de notícias. Os seguintes jornais foram selecionados:

Alemanha: Die Welt, Süddeutsche Zeitung (SZ), Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ)
Suiça: Neue Zürcher Zeitung (NZZ), Tagesanzeiger (TA), Basler Zeitung (BaZ)
Áustria: Standard, Kurier, Die Presse

O período de investigação foi definido de 1 a 15 de outubro de 2015, as duas primeiras semanas após a intervenção direta da Rússia no conflito sírio. Toda a cobertura impressa e on-line desses jornais foi levada em consideração. Nem todas as edições de domingo foram levadas em consideração, dado que nem todos os jornais examinados as têm. No total, 381 artigos de jornal atenderam aos critérios estabelecidos.

Numa primeira etapa, os artigos foram classificados de acordo com suas peculiaridades nos seguintes grupos:

Agências: relatos de agências de notícias (com código da agência)
Misto: relatos simples (com nomes de autores) baseados no todo ou em parte nos relatoss da agência
Relatos: relatos e análises editoriais de base
Opiniões / Comentários: opiniões e comentários de convidados
Entrevistas: entrevistas com especialistas, políticos, etc.
Investigação: pesquisa que revelasse novas informações ou contextos

A Figura 1 mostra a composição dos artigos para os nove jornais analisados no total. Como pode ser visto, 55% dos artigos eram reportagens de agências de notícias; 23% de relatos editoriais baseados em material da agência; 9% de relatos de antecedentes; 10% de opiniões e comentários de convidados; 2% de entrevistas; 0% com base em pesquisa ide investigação.

Figura 1: Tipos de artigos (total; n=381)
Figura 1.

Os textos puros das agências – desde pequenas informações a relatos pormenorizados – estavam principalmente nas páginas da Internet dos jornais diários: por um lado, a pressão por notícias de última hora é maior do que na edição impressa, por outro lado, não há restrições de espaço. A maioria dos outros tipos de artigos foi encontrada nas edições online e impressa; algumas entrevistas exclusivas e relatos de base foram encontrados apenas nas edições impressas. Todos os itens foram coletados apenas uma vez para a investigação.

A Figura 2 mostra a mesma classificação por jornal. Durante o período de observação (duas semanas), a maioria dos jornais publicou entre 40 a 50 artigos sobre o conflito sírio (impresso e online). No jornal alemão Die Welt, havia 58, no Basler Zeitung e no Kurier austríaco, no entanto, significativamente menos 29 e 33.

Dependendo do jornal, a participação nos relatos das agências é de quase 50% (Welt, Süddeutsche, NZZ, Basler Zeitung), pouco menos de 60% (FAZ, Tagesanzeiger) e de 60 a 70% (Presse, Standard, Kurier). Juntamente com os relatos baseados em agências, a proporção na maioria dos jornais está entre cerca de 70% a 80%. Essas proporções são consistentes com estudos sobre os media anteriores (por exemplo, Blum 1995, Johnston 2011, MacGregor 2013, Paterson 2007).

Nos artigos de fundo, os jornais suíços lideravam (cinco a seis peças), seguidos por Welt, Süddeutsche e Standard (quatro cada) e os outros jornais (um a três). Os artigos e análises de antecedentes foram dedicados, em particular, à situação e aos desenvolvimentos no Médio Oriente, bem como aos motivos e interesses de atores individuais (por exemplo, Rússia, Turquia, Estado Islâmico).

No entanto, a maioria dos comentários foi encontrada nos jornais alemães (sete comentários cada), seguidos por Standard (cinco), NZZ e Tagesanzeiger (quatro cada). Basler Zeitung não publicou nenhum comentário durante o período de observação, mas duas entrevistas. Outras entrevistas foram conduzidas por Standard (três) e Kurier e Presse (uma cada). No entanto, em nenhum dos jornais foi encontrada pesquisa de investigação.

Em particular, no caso dos três jornais alemães, observou-se uma mistura jornalisticamente problemática de artigos de opinião e relatos. Os relatos continham fortes expressões de opinião, embora não fossem marcados como comentários. O presente estudo foi, de qualquer forma, baseado na rotulagem do artigo pelo jornal.

Figura 2: Tipos de artigos por jornal
Figura 2.

A Figura 3 mostra o detalhe dos textos (stories) das agências para cada agência de notícias, no total e por país. Os 211 relatos de agências continham um total de 277 códigos de agência (um texto pode conter material de mais de uma agência). No total, 24% dos relatos das agências vieram da AFP; cerca de 20% cada um da DPA, APA e Reuters; 9% da SDA; 6% da PA; e 11% eram desconhecidos (sem rotulagem ou termo geral "agências").

Na Alemanha, a DPA, a AFP e a Reuters têm uma participação de cerca de um terço das notícias. Na Suíça, a SDA e a AFP estão na liderança, e na Áustria, a APA e a Reuters.

Porém, as ações das agências globais AFP, AP e Reuters são provavelmente ainda mais altas, pois a SDA suíça e a APA austríaca obtêm os seus textos internacionais principalmente das agências globais e o DPA alemão coopera estreitamente com a AP americana.

Deve-se notar também que, por razões históricas, as agências globais estão representadas de maneira diferente nas várias regiões do mundo. Para eventos na Ásia, Ucrânia ou África, a participação de cada agência será, portanto, diferente da dos eventos no Médio Oriente.

Figura 3: Distribuição das notícias por agência,
(total n=277) e por país

Figura 3.

Na análise seguinte, as declarações centrais foram usadas para classificar a orientação das opiniões editoriais (28), comentários de convidados (10) e parceiros de entrevista (7) (total de 45 artigos). Como mostra a Figura 4, 82% das contribuições foram geralmente favoráveis aos EUA / NATO, 16% neutras ou equilibradas e 2% predominantemente críticas aos EUA / NATO.

A única contribuição predominantemente crítica para os EUA / NATO foi publicada no Padrão Austríaco em 2 de outubro de 2015, intitulada: "A estratégia de mudança de regime falhou. Uma distinção entre grupos terroristas "bons" e "maus" na Síria faz com que a política ocidental não seja credível."

Figura 4: Orientação das opiniões do editorial,
comentários de convidados e entrevistas (total; n=45)

Figura 4.

A Figura 5 mostra a orientação das contribuições, comentários de convidados e entrevistados, por sua vez, discriminados por jornais individuais. Como se pode ver, Welt, Süddeutsche Zeitung, NZZ, Zürcher Tagesanzeiger e o jornal austríaco Kurier apresentaram exclusivamente opiniões e contribuições favoráveis aos EUA / NATO; isso vale também para a FAZ, com exceção de uma contribuição neutra / equilibrada. A Norma trouxe quatro contribuições favoráveis aos EUA / NATO, três equilibradas / neutras, bem como a já mencionada contribuição de opinião crítica aos EUA / NATO.

Presse foi o único dos jornais examinados a publicar predominantemente opiniões neutras / equilibradas e contribuições de convidados. O Basler Zeitung publicou uma contribuição favorável aos EUA / NATO e uma contribuição equilibrada. Logo após o período de observação (16 de outubro de 2015), Basler Zeitung também publicou uma entrevista com o Presidente do Parlamento Russo. Obviamente, isso foi contado como uma contribuição crítica aos EUA / NATO.

Figura 5: Orientação básica das peças de opinião
e entrevistas por jornal

Figura 5.

Numa análise mais aprofundada, foi feita uma pesquisa para a palavra-chave "propaganda" (e combinações de palavras relacionadas) investigando em que casos os jornais identificaram a propaganda de cada um dos lados do conflito geopolítico, EUA / NATO ou Rússia (o participante "IS / ISIS" não foi considerado). No total, vinte desses casos foram identificados. A Figura 6 mostra o resultado: em 85% dos casos, a propaganda foi identificada como do lado russo do conflito, em 15% a identificação era neutra ou não declarada e em 0% dos casos a propaganda foi identificada como do lado dos EUA / NATO do conflito.

Note-se que cerca de metade dos casos (nove) ocorreu no NZZ suíço, que falava de propaganda russa com bastante frequência ("propaganda do Kremlin", "máquina de propaganda de Moscovo", "histórias de propaganda", "aparelho de propaganda russo", etc. ), seguidos pelo alemão FAZ (três), Welt e Süddeutsche Zeitung (dois cada) e o jornal austríaco Kurier (um). Os outros jornais não mencionaram propaganda, ou apenas num contexto neutro (ou no contexto do ISIS).

Figura 6: Atribuição de propaganda
a uma das partes em conflito (total; n=20)

Figura 6.

Conclusão

Neste estudo de caso, a cobertura geopolítica em nove principais jornais europeus foi examinada quanto à diversidade e ao desempenho jornalístico, usando o exemplo da guerra na Síria.

Os resultados confirmam a alta dependência dos media das agências de notícias globais (63 a 90%, excluindo comentários e entrevistas) e a falta de investigações próprias, bem como comentários bastante tendenciosos sobre os eventos a favor do lado dos EUA / NATO (82% positivo; 2% negativo), cujos relatos não foram verificados pelos jornais como propaganda.

  • A primeira parte deste estudo encontra-se em resistir.info/varios/multiplicadores_1.html

    [*] A Swiss Propaganda Research (SPR) é um grupo de pesquisa independente que investiga propaganda geopolítica nos media suíços e internacionais

    O original encontra-se em swprs.org/the-propaganda-multiplier/#k2


    Este estudo encontra-se em https://resistir.info/ .
  • 16/Jan/20